Wu Lien-teh

Wu Lien-teh
Nascimento 10 de março de 1879
Penang
Morte 21 de janeiro de 1960 (80 anos)
Penang
Nacionalidade Malásia
Profissão médico
Período de atividade 1903 – 1959

Wu Lien-teh (Chinês: 伍連德; pinyin: Wǔ Liándé; Penang, 10 de março de 1879 — Penang, 21 de janeiro de 1960), também conhecido como Goh Lean Tuck e Ng Leen Tuck em Min nan e transliteração cantonesa respectivamente, foi um médico malaio conhecido por seu trabalho em saúde pública e, particularmente, a praga da Manchúria de 1910–1911.

Wu foi o primeiro estudante de medicina de ascendência chinesa a estudar na Universidade de Cambridge.[1] Ele também foi o primeiro malaio indicado para o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina, em 1935.[2]

Biografia

Wu nasceu em Penang, uma das três cidades dos Estabelecimentos dos Estreitos (as outras sendo Malaca e sua capital Cingapura), atualmente um dos estados da Malásia. Os Estabelecimentos dos Estreitos faziam parte das colônias do Reino Unido na época. Seu pai era um imigrante recente de Taishan, China, e trabalhava como ourives.[3][4] Embora a família de sua mãe fosse originária da China e fosse de herança Hakka, ela mesma era uma Peranakan de segunda geração nascida na Malásia.[5] Wu tinha quatro irmãos e seis irmãs. Sua educação inicial foi na Escola Livre de Penang.[4]

Em 1896, Wu foi aceito no Emmanuel College, da Universidade de Cambridge, depois de ganhar a Bolsa de Estudos da Rainha, entregue pelo governo dos Estabelecimentos dos Estreitos.[3] Ele teve uma carreira de sucesso na universidade, ganhando praticamente todos os prêmios e bolsas disponíveis. Seus anos de graduação clínica foram passados no Hospital de St. Mary, em Londres, e ele continuou seus estudos na Liverpool School of Tropical Medicine (com Sir Ronald Ross), no Instituto Pasteur, na Universidade de Halle e no Instituto Selangor.[3]

Wu voltou para os Estabelecimentos dos Estreitos em 1903. Algum tempo depois, ele se casou com Ruth Shu-chiung Huang, cuja irmã era casada com Lim Boon Keng, um médico que promoveu reformas sociais e educacionais em Cingapura.[4] As irmãs eram filhas de Wong Nai Siong, um líder revolucionário chinês e educador que se mudou para a área de 1901 a 1906.[4] Wu e sua família se mudaram para a China em 1907.[4] Durante seu tempo na China, a esposa de Wu e dois de seus três filhos morreram. Ele se casou novamente e teve mais quatro filhos.[4]

Em 1910, começaram a proliferar notícias de uma praga mortal, no norte da Manchuria, quase 100% letal. Lien-teh foi convidado a ajudar a impedir a rápida propagação da doença, que mais tarde se veio a descobrir que se tratava de peste pneumónica, originada pela peste negra e causada pela bactéria Yersinia pestis.

O surto teve origem em caçadores de marmotas, na fronteira com a Sibéria, e matou 60 mil pessoas em apenas quatro meses.

Lien-teh realizou uma autópsia numa mulher japonesa que morreu vítima da doença – a primeira feita na China – depois de enfrentar muita resistência devido aos costumes culturais chineses que condenavam a prática.

O médico propôs uma nova teoria que ia contra a narrativa comum daquela época: em vez de se espalhar através de pulgas e ratos, a praga espalhou-se pelo ar em humanos.

Foi nessa altura que Lien-teh apresentou uma versão mais protetora de máscaras anti-peste, adicionando mais gaze, camadas protetoras e introduzindo uma forma mais eficiente de a prender para evitar movimentos[6].

Em novembro de 1931, durante a invasão japonesa da Manchúria, Wu foi detido e interrogado pelas autoridades japonesas sob suspeita de ser um espião chinês.[4] Em 1937, durante a ocupação japonesa de grande parte da China e a retirada dos nacionalistas, Wu foi forçado a fugir, retornando ao sul para a Malásia para viver em Ipoh. No entanto, ele percebeu que sua casa e coleção de antigos livros médicos chineses foram queimados.[7][4]

Em 1943, Wu foi capturado por lutadores pela liberdade da resistência de esquerda malaia e foi mantido sob custódia. Ele foi posteriormente quase processado pelas autoridades japonesas por apoiar o movimento de resistência pagando o resgate, mas foi protegido por ter tratado anteriormente um oficial militar japonês.[4]

Morte e homenagens

Wu praticou medicina até sua morte aos 80 anos. Ele comprou uma nova casa em Penang para sua aposentadoria e tinha acabado de completar sua autobiografia de 667 páginas, Plague Fighter, a autobiografia de um médico chinês moderno.[8] Em 21 de janeiro de 1960, ele morreu de acidente vascular cerebral enquanto estava em sua casa em Penang.[5]

Uma estrada com o nome de Wu pode ser encontrada em Ipoh Garden South, uma área residencial de classe média em Ipoh. Em Penang, uma área residencial chamada Taman Wu Lien Teh está localizada perto da Escola Livre de Penang.[9] Nessa escola, sua alma mater, uma casa foi batizada em sua homenagem. Existe uma Dr. Wu Lien-teh Society, Penang.[10][11]

Dr. Wu Lien-teh é considerado a primeira pessoa a modernizar os serviços médicos e a educação médica da China. Na Harbin Medical University, estátuas de bronze dele comemoram suas contribuições para a saúde pública, medicina preventiva e educação médica.[12]

Durante o surto da doença coronavírus em 2019, vários estudiosos argumentaram que o trabalho de Wu tinha relevância contemporânea para o campo da epidemiologia.[13][11][14]

Em 2020, a Dra. Yvonne Ho[15] identificou e uniu os 22 Descendentes Médicos e Científicos conhecidos do Dr. Wu Lien-Teh que viviam em 14 cidades diferentes ao redor do mundo.[16] Em maio de 2020, durante a pandemia de COVID-19, ela organizou o Encontro Inaugural desses descendentes por meio de videoconferência. Esta foi a primeira vez que todos tiveram a oportunidade de se conhecerem.

Em julho de 2020, um artigo colaborativo de alguns desses descendentes médicos e científicos foi publicado pela primeira vez, para lembrar e homenagear o trabalho de toda a vida do Dr. Wu na Saúde Pública.[17]

Em agosto de 2020, um segundo artigo conjunto para homenagear o Dr. Wu foi publicado por um segundo grupo de seus descendentes médicos e científicos.[18]

Em março de 2021, durante a pandemia COVID-19, Wu foi homenageado com um Google Doodle.[19]

Notas

Referências

  1. Wu Lien-Teh, 2014. Plague Fighter: The Autobiography of a Modern Chinese Physician. Penang: Areca Books.
  2. Wu, Lien-Teh. «The Nomination Database for the Nobel Prize in Physiology or Medicine, 1901-1953» 
  3. a b c «Obituary: Wu Lien-Teh». The Lancet. Originally published as Volume 1, Issue 7119 (em inglês). 275 (7119). 341 páginas. 6 de fevereiro de 1960. ISSN 0140-6736. doi:10.1016/S0140-6736(60)90277-4 
  4. a b c d e f g h i Lee, Kam Hing; Wong, Danny Tze-ken; Ho, Tak Ming; Ng, Kwan Hoong (2014). «Dr Wu Lien-teh: Modernising post-1911 China's public health service». Singapore Medical Journal. 55 (2): 99–102. PMC 4291938Acessível livremente. PMID 24570319. doi:10.11622/smedj.2014025 
  5. a b «Wu Lien Teh 伍连徳 – Resource Guides». National Library Singapore (em inglês). 26 de setembro de 2018. Consultado em 26 de março de 2020 
  6. «Dr. Wu Lien-teh: Why his invention is on faces around the world» 
  7. W.C.W.N. (20 de fevereiro de 1960). «Obituary: Dr Wu Lien-Teh». The Lancet. Originally published as Volume 1, Issue 7121 (em inglês). 275 (7121). 444 páginas. ISSN 0140-6736. doi:10.1016/S0140-6736(60)90379-2 
  8. «Obituary: WU LIEN-TEH, M.D., Sc.D., Litt.D., LL.D., M.P.H». Br Med J (em inglês). 1 (5170): 429–430. 6 de fevereiro de 1960. ISSN 0007-1447. PMC 1966655Acessível livremente. doi:10.1136/bmj.1.5170.429-f 
  9. Article in Chinese. «Picture of "Taman Wu Lien Teh"». Consultado em 1 de junho de 2011. Arquivado do original em 27 de agosto de 2011 
  10. «The Dr. Wu Lien-Teh Society, Penang 槟城伍连徳学会 | Celebrating the life of the man who brought modern medicine to China, who fought the Manchurian plague, and who set the standard for generations of doctors to follow. 伍连德博士 : 斗疫防治,推进医学 , 歌颂国士无双» (em inglês). Consultado em 26 de março de 2020 
  11. a b Wai, Wong Chun (11 de fevereiro de 2020). «Wu Lien-Teh: Malaysia's little-known plague virus fighter». The Star Online. Consultado em 26 de março de 2020 
  12. Article in Chinese. «130th memorial of Dr. Wu Lien-the». Consultado em 1 de junho de 2011. Arquivado do original em 24 de março de 2012 
  13. Wilson, Mark (24 de março de 2020). «The untold origin story of the N95 mask». Fast Company (em inglês). Consultado em 26 de março de 2020 
  14. Toh, Han Shih (1 de fevereiro de 2020). «Lessons from Chinese Malaysian plague fighter for Wuhan virus». South China Morning Post (em inglês). Consultado em 26 de março de 2020 
  15. https://www.DrYvonneHo.com/
  16. https://www.DrWuLienTeh.com
  17. Liu, Ling Woo (18 de julho de 2020). «The Good Doctor». South China Morning Post (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2020 
  18. Ho, Yvonne (30 de agosto de 2020). «The Good Doctor from Penang». The Star (em inglês). Consultado em 6 de setembro de 2020 
  19. Musil, Steven (9 de março de 2021). «Google Doodle celebrates Dr. Wu Lien-teh, surgical mask pioneer». CNET. Consultado em 10 de março de 2021 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Wu Lien-teh

Em formação

O artigo Wu Lien-teh na Wikipedia portuguesa ocupou os seguintes lugares na classificação local de popularidade:

O conteúdo apresentado do artigo da Wikipedia foi extraído em 2021-03-23 com base em https://pt.wikipedia.org/?curid=6514181