Gilmar Fubá

Gilmar Fubá
Informações pessoais
Nome completo Gilmar de Lima Nascimento
Data de nasc. 13 de agosto de 1975
Local de nasc. São Paulo (SP), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Falecido em 15 de março de 2021 (45 anos)
Local da morte São Paulo (SP), Brasil
Altura 1,78 m
destro
Apelido Fubá
Informações profissionais
Período em atividade 1995–2011 (16 anos)
Posição volante
Clubes de juventude
1995 Corinthians
Clubes profissionais
Anos Clubes
1995–2000
2001–2002
2002–2003
2003–2004
2004
2004
2005
2005–2006
2006–2007
2008
2009–2010
2011
Corinthians
Fluminense
Rio Branco
Portuguesa Santista
Schalke 04
Ulsan Hyundai
Criciúma
Al-Ahli
Noroeste
Red Bull Brasil
Noroeste
Santa Helena

Gilmar de Lima Nascimento, mais conhecido como Gilmar Fubá (São Paulo, 13 de agosto de 1975 — São Paulo, 15 de março de 2021), foi um futebolista brasileiro que atuava como volante.

Ídolo do Corinthians, defendeu a equipe entre 1995 e 2000, conquistando três Campeonatos Paulistas, dois Campeonatos Brasileiros e um Mundial de Clubes.[1][2]

Carreira

Início

Nascido no bairro de São Mateus, Zona Leste de São Paulo, em 1995 foi promovido a equipe principal do Corinthians. Assumiu a titularidade no ano de 1997, sob o comando do técnico Nelsinho Baptista.

Apesar das contusões que o perseguiam, foi útil no elenco bicampeão brasileiro em 1998[3] e 1999 e no Mundial de Clubes da FIFA de 2000.

O auge no Corinthians

Seu jogo marcante pelo Corinthians foi no último jogo da final do Campeonato Brasileiro de 1999, onde teve a tarefa de substituir o artilheiro do time, o atacante Luizão que fora suspenso por cartão vermelho. Jogando ao lado de Rincón e Vampeta - para ajudar na marcação num esquema fechado feito pelo técnico Oswaldo de Oliveira com certa desconfiança da torcida pois optou por um meia defensivo para substituir um atacante - Gilmar conseguiu fechar a defesa e ajudar o Corinthians a segurar o Atlético Mineiro e conquistar o tricampeonato. Curiosamente, usou a camisa número 9, a mesma de Luizão.

Fluminense, Rio Branco e Portuguesa Santista

Em 2000 foi para o Fluminense, mas teve problemas trabalhistas com o clube carioca. Depois foi para Rio Branco, de Americana, e em seguida para a Portuguesa Santista.

Schalke 04 e Hyundai

Em 2004, chegou a assinar contrato com o Schalke 04, da Alemanha, mas não atuou em nenhuma partida pelo clube de Gelsenkirchen. Também passou pelo Hyundai, da Coreia do Sul.

Criciúma e Al-Ahli

No ano de 2005 teve uma rápida passagem pelo Criciúma, e logo em seguida foi para o Al-Ahli, do Catar.

Noroeste

Voltou ao Brasil para defender o Noroeste, de Bauru, onde teve como companheiro os ex-corintianos Maurício e Luciano Bebê. Contribuiu para que a equipe retornasse à Série A do Paulistão em 2006.

Red Bull Brasil e retorno ao Noroeste

Em 2008 transferiu-se para o Red Bull Brasil, onde disputou o Campeonato Paulista da Segunda Divisão.[4] Em 2009 voltou para o Noroeste, pelo qual disputou o Campeonato Paulista de 2010 - Série A2 e foi vice-campeão. Chegou a ser sondado para defender em 2011 o Juventus, time da Mooca, que participava da A3 do Campeonato Paulista, porém, a assinatura do contrato não foi efetivada.

Santa Helena

No mês de janeiro de 2011, assinou contrato com a equipe do Santa Helena, de Goiânia. Após disputar cinco partidas pelo Campeonato Goiano e sem receber salário, deixou o clube.[5]

Aposentadoria

Após esse ocorrido, encerrou a carreira como jogador profissional e passou a atuar na equipe de showbol do Corinthians.[6]

Doença e morte

Gilmar Fubá perdeu muitos quilos e estava fraco. Monitorado pelo médico do Corinthians, Joaquim Grava, Gilmar foi internado na Escola Paulista de Medicina com suspeita de um tumor ósseo.[7]

Após lutar contra um mieloma múltiplo desde 2016, morreu aos 45 anos de idade em 15 de março de 2021, após estar internado no Hospital São Luiz, em São Paulo.[8][9]

Títulos

Corinthians

Al-Ahli

  • Torneio de Abu-Dhabi: 2005

Campanhas de destaque

Corinthians

Fluminense

Al-Ahli

Noroeste

Red Bull Brasil

Nota

  • Seu apelido, Fubá, se deve ao fato de sua mãe lhe dar, quando criança, mamadeira de fubá por não ter dinheiro suficiente para comprar leite.[10]

Referências

  1. Rogério Micheletti e Bruno Andrade. «Gilmar Fubá - Que fim levou?». Terceiro Tempo. Consultado em 15 de março de 2021 
  2. «Gilmar Fubá, jogador que marcou história no Corinthians, morre aos 45 anos». Gazeta Esportiva. 15 de março de 2021 
  3. Felipe dos Santos Souza (23 de dezembro de 2018). «Há 20 anos, tudo estava bem por acabar bem no Corinthians, com o título brasileiro». Trivela. Consultado em 16 de março de 2021 
  4. Zé González (15 de abril de 2008). «ACHEI! Gilmar Fubá cansou de levar calote». GloboEsporte.com. Consultado em 15 de março de 2021 
  5. «GO: Campeão mundial pelo Corinthians fica sem receber e deixa time goiano». Futebol Interior. 10 de fevereiro de 2011. Consultado em 15 de março de 2021 
  6. Bruno Doro (15 de setembro de 2012). «Após estrear para três mil pessoas, Gilmar Fubá deixa "Corinthians da várzea" pelo showbol». UOL. Consultado em 15 de março de 2021 
  7. «Médico do Corinthians confirma doença grave de Gilmar Fubá». UOL. 3 de fevereiro de 2017. Consultado em 15 de março de 2021 
  8. «Campeão mundial pelo Corinthians, ex-volante Gilmar Fubá morre aos 45 anos». GloboEsporte.com. 15 de março de 2021 
  9. «Morre Gilmar Fubá, ex-volante campeão mundial com o Corinthians». www.uol.com.br. Consultado em 16 de março de 2021 
  10. «'Mamadeira até 12 anos' e 'garoto ressecado': a origem e as consequências do apelido de Gilmar Fubá». ESPN.com.br. Consultado em 15 de março de 2021 

Ligações externas

Em formação

O artigo Gilmar Fubá na Wikipedia portuguesa ocupou os seguintes lugares na classificação local de popularidade:

O conteúdo apresentado do artigo da Wikipedia foi extraído em 2021-03-27 com base em https://pt.wikipedia.org/?curid=1358182