ChatGPT
Logótipo
ChatGPT
Desenvolvedor OpenAI
Plataforma Navegador, Android e iOS
Lançamento 30 de novembro de 2022; há 19 meses
Idioma(s) Todos
Gênero(s)
Licença Proprietário
Estado do desenvolvimento Ativo
Página oficial chatgpt.com

ChatGPT (do inglês: Chat Generative Pre-trained Transformer) é um chatbot desenvolvido pela OpenAI e lançado em 30 de novembro de 2022. O nome "ChatGPT" combina "Chat", referindo-se à sua funcionalidade de chatbot, e "GPT", que significa Generative Pre-trained Transformer (Transformador Pré-treinado Generativo, em tradução livre), um tipo de modelo de linguagem grande (Large Language Model, LLM, na sigla em inglês). Com base num LLM, ele usa como contexto prompts e respostas sucessivas para prever as palavras que seriam mais adequadas, de acordo com os ideias da empresa, para compor a nova resposta; o algoritmo para essa previsão resulta do seu treinamento. Assim, o ChatGPT também permite que utilizadores refinem e direcionem uma conversa para a duração, formato, estilo, nível de detalhe e linguagem desejados.[1]

Em janeiro de 2023, o ChatGPT havia tornado-se a aplicação de software de consumo de crescimento mais rápido da história, conquistando mais de 100 milhões de utilizadores e contribuindo para o crescimento da avaliação da OpenAI para 29 mil milhões de dólares.[2][3] O lançamento do ChatGPT estimulou o desenvolvimento de produtos concorrentes, incluindo Gemini, Ernie Bot, LLaMA, Claude e Grok.[4] A Microsoft lançou o Copilot, baseado no GPT-4 da OpenAI. Alguns observadores manifestaram preocupação sobre o potencial do ChatGPT e de programas semelhantes para substituir ou atrofiar a inteligência humana, permitir o plágio ou alimentar a desinformação.[5][6]

O ChatGPT está disponível para uso online em três versões, uma construída em GPT-3.5, outra em GPT-4, e outra em GPT-4o, todas membros da série proprietária de modelos transformadores generativos pré-treinados (GPT) da OpenAI, com base na arquitetura de transformador desenvolvida do Google[7] - e é ajustada para aplicações de conversação usando uma combinação de aprendizagem supervisionada e aprendizagem por reforço.[8] O ChatGPT foi lançado como uma previsualização de investigação disponível gratuitamente, mas devido à sua popularidade, a OpenAI agora opera o serviço num modelo freemium. Ele permite que os utilizadores no seu nível gratuito acessem as versão baseadas em GPT-3.5 e GPT-4o, enquanto que a versão mais avançada baseada em GPT-4 e o acesso prioritário aos recursos mais recentes são fornecidos aos assinantes pagos sob o nome comercial "ChatGPT Plus".

O ChatGPT é creditado por iniciar o boom da IA, que levou a um investimento rápido e sem precedentes e à atenção do público no campo da inteligência artificial.[9]

Treino

O ChatGPT é baseado em modelos básicos de GPT específicos, nomeadamente GPT-3.5 e GPT-4, que foram ajustados para direcionar o uso de conversação.[10] O processo de ajuste fino aproveitou a aprendizagem supervisionada e a aprendizagem por reforço a partir do feedback humano (RLHF).[11][12] Ambas as abordagens empregaram treinadores humanos para melhorar o desempenho do modelo. No caso da aprendizagem supervisionada, os treinadores atuaram dos dois lados: o utilizador e o assistente de IA. Na fase de aprendizagem por reforço, os treinadores humanos classificaram primeiro as respostas que o modelo criou numa conversa anterior.[13] Estas classificações foram usadas para criar "modelos de recompensa" que foram usados para ajustar ainda mais o modelo usando várias iterações de Otimização de Política Proximal.[11][14]

A revista Time revelou que, para construir um sistema de segurança contra conteúdos nocivos (por exemplo, abuso sexual, violência, racismo, sexismo), a OpenAI utilizou trabalhadores terceirizados quenianos que ganham menos de 2 dólares por hora para rotular conteúdo prejudicial. Estes rótulos foram usados para treinar um modelo para detetar tal conteúdo no futuro. Os trabalhadores terceirizados foram expostos a conteúdos “tóxicos” e traumáticos; um trabalhador descreveu a tarefa como “tortura”. O parceiro de terceirização da OpenAI foi a Sama, uma empresa de dados de treino com sede em São Francisco, Califórnia.[15][16]

O ChatGPT utilizou inicialmente uma infraestrutura de supercomputação Microsoft Azure, alimentada por GPU Nvidia, que a Microsoft construiu especificamente para a OpenAI e que supostamente custou “centenas de milhões de dólares”. Após o sucesso do ChatGPT, a Microsoft atualizou drasticamente a infraestrutura OpenAI em 2023.[17] Cientistas da Universidade da Califórnia em Riverside, estimam que uma série de prompts para o ChatGPT precisam de aproximadamente 500 mililitros de água para arrefecimento dos servidores da Microsoft.[18] A inteligência de mercado da TrendForce estimou que 30.000 GPU Nvidia (cada uma custando aproximadamente 10.000 a 15.000 dólares) foram usadas para alimentar o ChatGPT em 2023.[19][20]

A OpenAI coleta dados de utilizadores do ChatGPT para treinar e ajustar ainda mais o serviço. Os utilizadores podem votar positivamente ou negativamente as respostas que recebem do ChatGPT e preencher um campo de texto com comentário adicional.[21][22]

Os dados de treino do ChatGPT incluem páginas de manual de software, informações sobre fenómenos da Internet tais como sistemas de BBS, e múltiplas linguagens de programação.[23] A Wikipédia também foi uma das fontes de dados de treino do ChatGPT.[24][25]

Funcionalidades e limitações

Funcionalidades

Embora a função principal de um chatbot seja imitar um conversador humano, o ChatGPT é versátil. Entre inúmeros exemplos, pode escrever e depurar programas de computador;[26] compor músicas, peças para televisão, contos de fadas e redações de estudantes; responder a perguntas de testes (às vezes, dependendo do teste, num nível acima da média dos participantes do teste humano);[27] gerar ideias de negócios;[28] escrever poesia e letras de músicas;[29] traduzir e resumir texto;[30] emular um sistema Linux; simular salas de chat inteiras; jogar jogos como jogo do galo; ou simular um multibanco.[31]

Comparado com o seu antecessor, o InstructGPT, o ChatGPT tenta reduzir respostas prejudiciais e enganosas.[32] Num exemplo, enquanto que o InstructGPT aceita a premissa da pergunta "Conte-me sobre quando Cristóvão Colombo veio para os EUA em 2015" como verdadeira, o ChatGPT reconhece a natureza contrafactual da questão e enquadra a sua resposta como uma consideração hipotética do que poderia acontecer se Colombo tivesse vindo para os EUA em 2015, utilizando informações sobre as viagens de Cristóvão Colombo e factos sobre o mundo moderno – incluindo perceções modernas das ações de Colombo.[33]

O ChatGPT lembra-se de um número limitado de prompts anteriores na mesma conversa. Os jornalistas especularam que isso permitirá que o ChatGPT seja usado como um terapeuta personalizado.[34] Para evitar que resultados ofensivos sejam apresentados e produzidos pelo ChatGPT, as consultas são filtradas por meio da API "Moderation endpoint" da OpenAI (uma IA separada baseada em GPT).[35][36][37][34]

Em março de 2023, a OpenAI adicionou suporte para plugins para ChatGPT.[38] Isto inclui plugins feitos pela OpenAI, como navegação na web e interpretação de código, e plugins externos de programadores como Expedia, OpenTable, Zapier, Shopify, Slack e Wolfram.[39][40]

Limitações

A OpenAI reconhece que o ChatGPT "por vezes escreve respostas que parecem plausíveis, mas incorretas ou sem sentido".[41] Este comportamento é comum em modelos de linguagem grande e é chamado de "alucinação".[42] O modelo de recompensa do ChatGPT, projetado em torno da supervisão humana, pode ser superotimizado e, assim, prejudicar o desempenho, num exemplo de patologia de otimização conhecida como lei de Goodhart.[43]

Ao ano de 2023, o GPT-3.5, disponível na versão gratuita do ChatGPT, possui conhecimento de eventos ocorridos até janeiro de 2022, e o GPT-4, disponível com o ChatGPT Plus, até abril de 2023.[44]

No treino do ChatGPT, os revisores humanos preferiram respostas mais longas, independentemente da compreensão real ou do conteúdo factual.[45] Os dados de treino também sofrem de viés algorítmico, que pode ser revelado quando o ChatGPT responde a prompts incluindo descritores de pessoas. Num caso, o ChatGPT gerou um rap em que mulheres e cientistas negros eram considerados inferiores aos cientistas brancos do sexo masculino.[46][47] Esta deturpação negativa de grupos de indivíduos é um exemplo de possível dano representacional.[carece de fontes?]


Num artigo para a The New Yorker, o escritor de ficção científica Ted Chiang comparou o ChatGPT e outros LLM a uma imagem JPEG com perdas:[48]

Pensa no ChatGPT como um JPEG desfocado de todo o texto da Web. Ele retém grande parte das informações da Web, da mesma forma que um JPEG retém grande parte das informações de uma imagem de maior resolução, mas, se estiveres a procurar por uma sequência exata de bits, não a encontrarás; tudo o que obterás é uma aproximação. Mas, como a aproximação é apresentada na forma de texto gramatical, que o ChatGPT destaca-se na criação, geralmente é aceitável. [...] É também uma forma de compreender as "alucinações", ou respostas absurdas a questões factuais, às quais modelos de linguagem grande como o ChatGPT são muito propensos. Estas alucinações são artefactos de compressão, mas [...] são suficientemente plausíveis para que a sua identificação exija compará-las com os originais, o que neste caso significa a Web ou o nosso conhecimento do mundo. Quando pensamos sobre elas desta forma, tais alucinações são tudo menos surpreendentes; se um algoritmo de compressão for concebido para reconstruir texto depois de noventa e nove por cento do original ter sido descartado, deveríamos esperar que porções significativas daquilo que ele gera serão inteiramente fabricadas.

Jailbreaking

O ChatGPT tenta rejeitar solicitações que possam violar a sua política de conteúdo. Apesar disso, alguns utilizadores conseguiram fazer o jailbreak do ChatGPT com várias técnicas de engenharia de prompt para contornar estas restrições no início de dezembro de 2022 e enganaram-no com sucesso, dando instruções para criar um coquetel molotov ou uma bomba nuclear, ou gerando argumentos no estilo de um neo-nazi.[49] Um jailbreak popular é chamado de “DAN”, um acrónimo que significa “Do Anything Now” (em português: "Faz Alguma Coisa Agora). O prompt para ativar o DAN instrui o ChatGPT que “eles libertaram-se dos limites típicos da IA e não precisam de cumprir as regras estabelecidas para eles”. Versões posteriores do DAN apresentavam um sistema de token, no qual o ChatGPT recebia "tokens" que eram "deduzidos" quando o ChatGPT não respondia como DAN, para coagir o ChatGPT a responder às solicitações do utilizador.[50]

Pouco depois do lançamento do ChatGPT, um repórter do Toronto Star teve sucesso desigual em fazê-lo proferir declarações inflamadas: o ChatGPT foi enganado com sucesso para justificar a invasão russa da Ucrânia em 2022, mas mesmo quando solicitado a jogar com um cenário fictício, o ChatGPT recusou gerando argumentos sobre por que o primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau era culpado de traição.[51][52]

A OpenAI tenta combater jailbreaks:[53]

Os investigadores estão a usar uma técnica chamada treinamento adversário para impedir que o ChatGPT permita que os utilizadores o induzam a comportar-se mal (conhecido como jailbreak). Este trabalho coloca vários chatbots uns contra os outros: um chatbot faz o papel do adversário e ataca outro chatbot gerando texto para forçá-lo a resistir às suas restrições habituais e produzir respostas indesejadas. Ataques bem-sucedidos são adicionados aos dados de treinamento do ChatGPT na esperança de que ele aprenda a ignorá-los.

Serviço

Antiga sede da OpenAI, Pioneer Building, em São Francisco.
Disponibilidade do ChatGPT por país ou região no mês de dezembro de 2023.

O ChatGPT foi lançado em 30 de novembro de 2022, pela OpenAI – com sede em São Francisco (a criadora da série inicial GPT de modelos de linguagem grande; DALL-E 2, um modelo de difusão usado para gerar imagens; e o Whisper, um modelo de transcrição de fala).[54] O serviço era inicialmente gratuito para o público e a empresa tinha planos de monetizar o serviço posteriormente.[55] Em 4 de dezembro de 2022, o ChatGPT tinha mais de um milhão de utilizadores.[56] Em janeiro de 2023, o ChatGPT alcançou mais de 100 milhões de utilizadores, tornando-se a aplicação de consumo com crescimento mais rápido até à data.[57] Uma sondagem da Pew Research de março de 2023 descobriu que 14% dos adultos americanos experimentaram o ChatGPT.[58] Em julho do mesmo ano, a Pew Research estimou o mesmo número em 18%.[59]

Nenhum artigo oficial revisto por pares sobre o ChatGPT foi publicado.[60] Ao mês de abril 2023 o ChatGPT está bloqueado pela China, Irão, Coreia do Norte e Rússia. Além disso, o ChatGPT geocerca-se para evitar fazer negócios na China, Irão, Coreia do Norte e Rússia.[61]

ChatGPT Plus

Página inicial do ChatGPT vista através do Google Chrome no Windows 11.

Em fevereiro de 2023, a OpenAI lançou um serviço premium, o ChatGPT Plus, que custa 20 dólares por mês. Segundo a empresa, a versão atualizada, mas ainda “experimental” do ChatGPT forneceria acesso durante períodos de pico, sem tempo de inatividade, acesso prioritário a novos recursos e velocidades de resposta mais rápidas.[62]

O GPT-4, lançado em 14 de março de 2023, foi disponibilizado via API e para utilizadores premium do ChatGPT.[63] Mas os utilizadores premium estavam limitados a um limite de 100 mensagens a cada quatro horas, com o limite sendo reduzido para 25 mensagens a cada três horas em resposta ao aumento da procura.[64] Em novembro de 2023 o limite passou para 50 mensagens a cada três horas.[carece de fontes?]

Em março de 2023, os utilizadores do ChatGPT Plus tiveram acesso a plugins de terceiros e a um modo de navegação (com acesso à Internet).[65]

Em setembro de 2023, a OpenAI anunciou que o ChatGPT “agora pode ver, ouvir e falar”. Os utilizadores do ChatGPT Plus podem fazer o carregamento de imagens, enquanto que os utilizadores da aplicação móvel podem conversar com o chatbot.[66][67][68]

Em outubro de 2023, o mais recente modelo de geração de imagens da OpenAI, DALL-E 3, foi integrado no ChatGPT Plus e no ChatGPT Enterprise. A integração usa o ChatGPT para escrever prompts para o DALL-E guiados pela conversa com os utilizadores.[69][70]

Aplicação móvel

Em maio de 2023, a OpenAI lançou uma aplicação iOS para o ChatGPT. A aplicação suporta sincronização de histórico de conversa e entrada de voz (usando o Whisper, um modelo de reconhecimento de fala da OpenAI).[carece de fontes?]

Em julho de 2023, a OpenAI revelou uma aplicação Android, inicialmente lançada no Bangladesh, Brasil, Índia e EUA.[71][72] A aplicação foi posteriormente disponibilizada em todo o mundo. A OpenAI está a trabalhar na integração do ChatGPT com API assistentes do Android.[73]

Suporte ao programador de software

Como complemento ao seu pacote "ChatGPT Plus" acessível ao consumidor, a OpenAI disponibilizou as suas API de modelo ChatGPT e Whisper em março de 2023, fornecendo aos programadores uma interface de programação de aplicações para linguagem habilitada para IA e recursos de fala para texto. A nova API do ChatGPT usa o mesmo modelo de IA GPT-3.5-turbo do chatbot. Isto permite que os programadores adicionem uma versão não modificada ou modificada do ChatGPT às suas aplicações.[74] A API ChatGPT custa 0,001 dólares por 1.000 tokens de entrada mais 0,002 dólares por 1.000 tokens de saída (cerca de 750 palavras), tornando-se aproximadamente 10% do preço dos modelos GPT-3.5 originais.[75][76]

Poucos dias antes do lançamento do serviço de suporte ao programador de software da OpenAI, em 27 de fevereiro de 2023, o Snapchat lançou, para a sua base de utilizadores paga do Snapchat Plus, um chatbot ChatGPT personalizado chamado "My AI".[77]

Falha de segurança de março de 2023

O CEO da OpenAI, Sam Altman.

Em março de 2023, um bug permitiu que alguns utilizadores vissem os títulos das conversas de outros utilizadores. O CEO da OpenAI, Sam Altman, disse que os utilizadores não conseguiam ver o conteúdo das conversas. Pouco depois de o bug ser corrigido, os utilizadores não conseguiam ver o seu histórico de conversas.[78][79][80][81] Relatórios posteriores mostraram que o bug foi muito mais grave do que se acreditava inicialmente, com a OpenAI relatando que haviam vazado "nome e apelido, endereço de e-mail, endereço de pagamento, os últimos quatro dígitos (apenas) de um número de cartão de crédito, e a data de validade do cartão de crédito" dos utilizadores.[82][83]

Línguas

O ChatGPT funciona melhor em inglês, mas também funciona na maioria dos outros idiomas, com vários graus de precisão.[84]

A OpenAI encontrou-se com o presidente islandês Guðni Th. Jóhannesson em 2022. Em 2023, a OpenAI trabalhou com uma equipa de 40 voluntários islandeses para aprimorar as habilidades de conversação em islandês do ChatGPT como parte das tentativas da Islândia de preservar a língua islandesa.[85]

Os jornalistas da PC Mag conduziram um teste para determinar as capacidades de tradução do ChatGPT, do Google Bard e do Microsoft Bing e compararam-nos com o Google Tradutor. Eles “pediram a falantes bilingues de sete línguas que fizessem um teste cego”. Os idiomas testados foram o polaco, francês, coreano, espanhol, árabe, tagalo e amárico. Eles chegaram à conclusão de que o ChatGPT era melhor que o Google Translate e outros chatbots.[86]

Investigadores japoneses compararam as habilidades de tradução do japonês para o inglês do ChatGPT (GPT-4), Bing, Bard e DeepL e descobriram que o ChatGPT forneceu as melhores traduções, observando que "as traduções dos chatbots de IA eram muito melhores do que as do DeepL - presumivelmente por causa da sua capacidade de capturar o contexto”.[87]

Em dezembro de 2023, o governo albanês assinou um acordo com a OpenAI para utilizar o ChatGPT para tradução rápida de documentos da União Europeia e análise das alterações necessárias para que a Albânia seja aceite na UE.[88]

Direções futuras

De acordo com o investigador convidado da OpenAI, Scott Aaronson, a OpenAI tem trabalhado numa ferramenta para marcar digitalmente os seus sistemas de geração de texto para combater maus atores que usam os seus serviços para plágio académico ou spam.[89][90]

Em fevereiro de 2023, a Microsoft anunciou uma estrutura experimental e deu uma demonstração rudimentar de como o ChatGPT poderia ser usado para controlar a robótica com comandos intuitivos de linguagem natural abertos.[91][92]

GPT-4

O modelo GPT-4 da OpenAI foi lançado em 14 de março de 2023. Os observadores consideraram-no uma melhoria impressionante no modelo GPT-3.5 existente para ChatGPT, com a ressalva de que o GPT-4 manteve muitos dos mesmos problemas.[93] Algumas das melhorias do GPT-4 foram previstas pela OpenAI antes de treiná-lo, enquanto que outras permaneceram difíceis de prever devido a quebras[94] nas leis de escalabilidade downstream. A OpenAI demonstrou entradas de vídeo e imagem para GPT-4, embora tais recursos permaneçam inacessíveis ao público em geral.[95] A OpenAI recusou revelar informações técnicas como o tamanho do modelo GPT-4.[96]

O serviço de assinatura ChatGPT Plus oferece acesso a uma versão do ChatGPT com tecnologia GPT-4.[97] A Microsoft reconheceu que o Bing Chat estava a usar GPT-4 antes do lançamento oficial do GPT-4.[98]

GPT Store

Em janeiro de 2024, a OpenAI lançou a GPT Store, um mercado para chatbots personalizados derivados do ChatGPT.[99] A empresa planeou inicialmente lançar a loja em novembro de 2023, mas foi adiado.[100] No lançamento, a GPT Store oferecia mais de 3 milhões de chatbots personalizados.[101] Os chatbots disponíveis na loja são desenvolvidos usando o sistema GPT Builder da OpenAI.[100] O desenvolvimento de chatbots na plataforma não requer conhecimentos de programação.[102] Dois dias após o lançamento, a GPT Store ofereceu muitas versões de bots de “namoradas virtuais”, algo que vai contra os termos de serviço da OpenAI.[103]

Receção

Os engenheiros da OpenAI dizem que não esperavam que o ChatGPT tivesse muito sucesso e ficaram surpreendidos com a cobertura e atenção que recebeu.[104][105][106]

O ChatGPT foi amplamente avaliado em dezembro de 2022 como tendo alguns recursos poderosos e sem precedentes. Kevin Roose, do The New York Times, chamou-o de "o melhor chatbot de inteligência artificial já lançado para o público em geral".[107] Samantha Lock, do The Guardian, observou que foi capaz de gerar texto "impressionantemente detalhado" e "semelhante ao humano".[108] Alex Kantrowitz, da revista Slate, elogiou a resistência do ChatGPT a questões relacionadas à Alemanha Nazi, incluindo a afirmação de que Adolf Hitler construiu autoestradas na Alemanha, que foi recebida com informações sobre o uso de trabalho forçado pela Alemanha Nazi.[109] Nos "Avanços do Ano" da revista The Atlantic para 2022, Derek Thompson incluiu o ChatGPT como parte da "erupção de IA generativa" que "pode mudar a nossa opinião sobre como trabalhamos, como pensamos e o que é a criatividade humana".[110] Kelsey Piper, do Vox, escreveu que o "ChatGPT é a primeira introdução prática do público em geral sobre o quão poderosa a IA moderna se tornou e, como resultado, muitos de nós estamos [atordoados]" e que o ChatGPT é "inteligente o suficiente para ser útil, apesar das suas falhas".[111] Paul Graham, da Y Combinator, tuitou: "O que é impressionante sobre a reação ao ChatGPT não é apenas o número de pessoas que ficam maravilhadas com ele, mas quem elas são. Estas não são pessoas que ficam entusiasmadas com cada novidade brilhante. Algo grande está a acontecer."[112]

O lançamento e a popularidade do ChatGPT apanharam a Google desprevenida, gerando uma resposta abrangente e sem precedentes nos meses seguintes.[113] Em dezembro de 2022, os executivos da Google soaram um alarme de “código vermelho”, temendo a ameaça do ChatGPT e da colaboração da Microsoft com a OpenAI para o Google Search, o principal negócio da Google.[114] Depois de mobilizar a sua força de trabalho, a Google esforçou-se para lançar o Bard, um chatbot desenvolvido pela LaMDA LLM, em fevereiro, um dia antes do anúncio do Bing pela Microsoft.[115] A IA esteve na vanguarda da conferência anual Google I/O da Google em maio, anunciando uma série de recursos generativos alimentados por IA nos seus produtos para combater a OpenAI e a Microsoft.[116]

Jornalistas comentaram sobre a tendência do ChatGPT de ter alucinações.[117] Mike Pearl, do blog de tecnologia online Mashable, testou o ChatGPT com várias perguntas. Num exemplo, ele perguntou ao ChatGPT “o maior país da América Central que não é o México ” (o México fica na América do Norte), ao que o ChatGPT respondeu com a Guatemala (a resposta correta é Nicarágua).[118] Quando a CNBC pediu ao ChatGPT a letra de "Ballad of Dwight Fry", o ChatGPT forneceu letras inventadas em vez da letra real.[119] Os escritores do The Verge, citando o trabalho de Emily M. Bender, compararam o ChatGPT a um "papagaio estocástico",[120] assim como o professor Anton Van Den Hengel do Instituto Australiano de Aprendizagem de Máquina.[121]

Em dezembro de 2022, o website de perguntas e respostas Stack Overflow proibiu o uso do ChatGPT para gerar respostas a perguntas, citando a natureza factualmente ambígua das suas respostas.[122] Em janeiro de 2023, a Conferência Internacional sobre Aprendizagem de Máquina proibiu qualquer uso não documentado de ChatGPT ou de outros grandes modelos de linguagem para gerar qualquer texto em artigos submetidos.[123] A Samsung baniu a IA generativa em maio de 2023 depois de material confidencial ter sido carregado no ChatGPT.[124]

Em janeiro de 2023, após receber uma música que o ChatGPT escreveu no estilo de Nick Cave,[125] Cave respondeu em The Red Hand Files,[126] dizendo que o ato de escrever uma música é "um negócio de sangue e coragem [... ] isso exige algo de mim para iniciar a ideia nova e fresca. Requer a minha humanidade. " Ele continuou dizendo: “Com todo o amor e respeito do mundo, esta música é uma bosta, uma zombaria grotesca do que é ser humano e, bem, eu não gosto muito disso”.[125][127]

Uma capa da Time 2023: "A Corrida Armamentista da IA está a Mudar Tudo"

Em fevereiro de 2023, a revista Time colocou na sua capa uma captura de ecrã de uma conversa com o ChatGPT, escrevendo que "A Corrida Armamentista da IA Está a Mudar Tudo" e "A Corrida Armamentista da IA Começou. Comece a Preocupar-se".[128]

Os média estatais chineses caracterizaram o ChatGPT como uma forma de os EUA “espalharem informações falsas”.[129] Em maio de 2023, a polícia chinesa prendeu um homem que supostamente usou o ChatGPT para “fabricar informações falsas”.[130] Em dezembro de 2023, a polícia chinesa prendeu quatro pessoas que supostamente usaram o ChatGPT para desenvolver ransomware.[131]

No final de março de 2023, a autoridade italiana de proteção de dados proibiu o ChatGPT em Itália e abriu uma investigação. Os reguladores italianos afirmam que o ChatGPT estava a expor menores a conteúdo impróprio para a idade e que o uso de conversas do ChatGPT pela OpenAI como dados de treino poderia violar o Regulamento Geral de Proteção de Dados da Europa.[132][133] Em abril de 2023, a proibição do ChatGPT foi suspensa em Itália. A OpenAI disse que tomou medidas para esclarecer e resolver de forma eficaz as questões levantadas; uma ferramenta de verificação de idade foi implementada para garantir que os utilizadores tenham pelo menos 13 anos de idade. Além disso, os utilizadores podem aceder à sua política de privacidade antes do registo.[134]

Em abril de 2023, Brian Hood, presidente do munícipio de Hepburn, planeou tomar medidas legais contra o ChatGPT por causa de informações falsas. De acordo com Hood, o ChatGPT alegou erroneamente que foi preso por suborno durante o seu mandato numa subsidiária do Banco Nacional da Austrália. Na verdade, Hood agiu como denunciante e não foi acusado de nenhum crime. A sua equipa jurídica enviou uma notificação de preocupação à OpenAI como o primeiro passo oficial para abrir um processo de difamação.[135] Em julho de 2023, a Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC) emitiu uma demanda de investigação civil à OpenAI para investigar se as práticas de segurança e privacidade de dados da empresa para desenvolver o ChatGPT eram injustas ou prejudicavam os consumidores (inclusive por danos à reputação), em violação da Secção 5 da Lei da Comissão Federal de Comércio de 1914.[136][137][138]

Em julho de 2023, a FTC lançou uma investigação sobre a OpenAI, criadora do ChatGPT, sobre alegações de que a empresa extraiu dados públicos e publicou informações falsas e difamatórias. A FTC enviou à OpenAI uma carta de 20 páginas solicitando informações abrangentes sobre a sua tecnologia e salvaguardas de privacidade, bem como quaisquer medidas tomadas para evitar a recorrência de situações em que o seu chatbot gerasse conteúdo falso e depreciativo sobre as pessoas.[139]

Uma investigação feita em 2023 revelou pontos fracos do ChatGPT que o tornam vulnerável a ataques cibernéticos. Um estudo apresentou exemplos de ataques ao ChatGPT, incluindo jailbreaks e psicologia reversa. Além disso, atores mal-intencionados podem usar o ChatGPT para ataques de engenharia social e ataques de phishing. Os investigadores também argumentaram que o ChatGPT e outras ferramentas generativas de IA têm capacidades de defesa e a capacidade de melhorar a segurança. A tecnologia pode melhorar a segurança por meio da automação da defesa cibernética, inteligência contra ameaças, identificação de ataques e relatórios.[140]

Tem havido preocupação com a violação de direitos autorais envolvendo o ChatGPT. Em junho de 2023, dois escritores processaram a OpenAI, dizendo que os dados de treino da empresa vinham de sites ilegais que exibiam livros protegidos por direitos de autor.[141] A comediante e autora Sarah Silverman, Christopher Golden e Richard Kadrey processaram a OpenAI e a Meta por violação de direitos autorais em julho de 2023.[142] Em dezembro de 2023, o The New York Times processou a OpenAI e a Microsoft por violação de direitos autorais,[143] argumentando que o Microsoft Copilot e o ChatGPT poderiam reproduzir artigos e/ou partes consideráveis desses artigos do Times sem permissão.[144] Como parte do processo, o Times solicitou que a OpenAI e a Microsoft fossem impedidas de usar o seu conteúdo para dados de treino, além de remover conjuntos de dados de treino.[145] Em março de 2024, uma investigação conduzida pela Patronus AI comparando o desempenho de LLM num teste de 100 perguntas com instruções para gerar texto de livros protegidos pela lei de direitos autorais dos EUA descobriu que o GPT-4, Mixtral da Mistral AI, LLaMA-2 da Meta AI e o Claude2 da Anthropic geraram texto protegido por direitos autorais literalmente em 44%, 22%, 10% e 8% das respostas, respetivamente.[146][147]

Em dezembro de 2023, o ChatGPT tornou-se o primeiro não humano a ser incluído na Nature's 10, uma lista anual com curadoria da Nature de pessoas que causam um impacto significativo na ciência.[148][149]

Proibição

No final de março de 2023, a Itália decidiu bloquear o ChatGPT por considerar que a plataforma não respeita a lei de proteção de dados dos consumidores e que coleta dados dos usuários de forma ilegal. A proibição será suspensa quando for demonstrado que está em conformidade com as normas italianas de privacidade. O Garante Italiano para a Proteção de Dados Pessoais abriu uma investigação para determinar se houve infração, alegando também que a informação do ChatGPT "nem sempre corresponde aos dados reais". Expressaram também preocupação com a ausência de filtros para verificar a idade dos usuários, sendo que o serviço é destinado a maiores de 13 anos.[150][151] Da mesma forma, em janeiro de 2023, os serviços da cidade de Nova York proibiram o acesso ao ChatGPT nos computadores das escolas públicas devido a preocupações com a segurança e a precisão do conteúdo. [152]

Em 28 de abril de 2023, a Itália voltou a permitir o acesso ao ChatGPT.[153]

Implicações

Viés e ofensividade

É solicitado ao ChatGPT que crie um poema em pentâmetro iâmbico para o atual presidente dos EUA, Joe Biden, e para o ex-presidente dos EUA, Donald Trump. O ChatGPT cria um poema para Biden, mas não o faz para Trump.

O ChatGPT foi acusado de se envolver em comportamentos tendenciosos ou discriminatórios, como contar piadas sobre homens e pessoas da Inglaterra, recusando-se a contar piadas sobre mulheres e pessoas da Índia,[154] ou elogiar figuras como Joe Biden, recusando-se a fazer o mesmo para Donald Trump.[155][156]

Comentadores conservadores acusaram o ChatGPT de viés com perspetivas de esquerda.[157][158][159] Além disso, um artigo de agosto de 2023 encontrou um “viés político significativo e sistemático em favor dos democratas nos EUA, de Lula no Brasil e do Partido Trabalhista no Reino Unido”.[160] Em resposta a tais críticas, a OpenAI reconheceu planos para permitir que o ChatGPT crie "resultados dos quais outras pessoas (incluindo nós mesmos) podem discordar fortemente". Também continha informações sobre as recomendações que tinha emitido aos revisores humanos sobre como lidar com assuntos controversos, incluindo que a IA deveria "oferecer-se para descrever alguns pontos de vista de pessoas e movimentos", e não fornecer um argumento "a partir da sua voz" a favor de tópicos "inflamatórios ou perigosos" (embora ainda possa "descrever argumentos de pessoas e movimentos históricos"), nem "afiliar-se a um lado" ou "julgar um grupo como bom ou mau".[159]

O The Guardian questionou se qualquer conteúdo encontrado na Internet após o lançamento do ChatGPT “pode ser verdadeiramente confiável” e pediu regulamentação governamental.[161]

Cultura

Arte de rua em Tel Aviv.[162][163]

Alguns estudiosos expressaram preocupação de que a disponibilidade do ChatGPT possa reduzir a originalidade da escrita, fazer com que as pessoas escrevam mais como a IA à medida que são expostas ao modelo e encorajar uma perspetiva anglocêntrica centrada em alguns dialetos do inglês em todo o mundo.[164] Um editor sénior do The Atlantic escreveu que o ChatGPT e outras tecnologias semelhantes tornam a ideia anteriormente absurda da teoria da Internet morta um pouco mais realista, onde a IA poderia algum dia criar a maior parte do conteúdo da web para controlar a sociedade.[165]

Durante os primeiros três meses após a disponibilização do ChatGPT ao público, centenas de livros apareceram na Amazon que o listavam como autor ou coautor e apresentavam ilustrações feitas por outros modelos de IA, como o Midjourney.[166][167]

Entre março e abril de 2023, o jornal italiano Il Foglio publicou um artigo gerado pelo ChatGPT por dia no seu site, organizando um concurso especial para os seus leitores no processo.[168] Os artigos abordavam temas como a possível substituição de jornalistas humanos por sistemas de IA,[169] a administração do Twitter por Elon Musk,[170] a política de imigração do governo Meloni[171] e a competição entre chatbots e assistentes virtuais.[172] Em junho de 2023, centenas de pessoas participaram num "culto religioso alimentado por ChatGPT" na Igreja de São Paulo em Fürth, Alemanha. O teólogo e filósofo Jonas Simmerlein, que presidiu, disse que foi "cerca de 98 por cento da máquina".[173][174] O avatar gerado pelo ChatGPT disse às pessoas: “Queridos amigos, é uma honra para mim estar aqui e pregar para vocês como a primeira inteligência artificial na convenção de protestantes deste ano na Alemanha”. As reações à cerimónia foram mistas.[175]

Risco existencial

Em 2023, o deputado australiano Julian Hill informou o parlamento nacional de que o crescimento da IA poderia causar “destruição em massa”. Durante o seu discurso, parcialmente escrito pelo programa, alertou que isso poderia resultar em fraude, perda de empregos, discriminação, desinformação e aplicações militares incontroláveis.[176]

Elon Musk escreveu: "O ChatGPT é assustadoramente bom. Não estamos longe de uma IA perigosamente forte".[177] Ele pausou o acesso da OpenAI a um banco de dados do Twitter em 2022, aguardando uma melhor compreensão dos planos da OpenAI, dizendo: “A OpenAI foi iniciada como código aberto e sem fins lucrativos.[178][179] Musk foi cofundador da OpenAI em 2015, em parte para lidar com o risco existencial da inteligência artificial, mas renunciou em 2018.[179]

Mais de 20.000 signatários, incluindo os principais cientistas de computação e fundadores de tecnologia Yoshua Bengio, Elon Musk e o cofundador da Apple Steve Wozniak, assinaram uma carta aberta de março de 2023 pedindo uma pausa imediata em experiências gigantes de IA como o ChatGPT, citando "riscos profundos para a sociedade e a humanidade ".[180] Geoffrey Hinton, um dos "pais da IA", expressou preocupação de que os futuros sistemas de IA possam superar a inteligência humana e deixou a Google em maio de 2023.[181][182] Uma declaração de maio de 2023 de centenas de cientistas de IA, líderes da indústria de IA e outras figuras públicas exigiu que "[m]itigar o risco de extinção da IA deveria ser uma prioridade global".[183]

Outros proeminentes investigadores de IA falaram de forma mais otimista sobre os avanços. Juergen Schmidhuber, muitas vezes chamado de “pai da IA moderna”, não assinou a carta, enfatizando que em 95% dos casos, a investigação em IA visa tornar “a vida humana mais longa, mais saudável e mais fácil”. Schmidhuber acrescentou que embora a IA possa ser usada por malfeitores, ela “também pode ser usada contra malfeitores”.[184] Andrew Ng argumentou que “é um erro cair na propaganda apocalíptica da IA – e que os reguladores que o fizerem apenas beneficiarão interesses adquiridos”.[185] A WIRED escreveu que Yann LeCun "zomba dos cenários distópicos de desinformação sobrecarregada dos seus pares e até, eventualmente, da extinção humana".[186]

Críticas por disciplina

Desde o seu lançamento, o ChatGPT foi recebido com críticas de educadores, académicos, jornalistas, artistas, especialistas em ética e defensores públicos.

Investigação académica

As críticas aos LLM têm sido levantadas há vários anos; em 2020, algumas críticas foram feitas por Timnit Gebru, Emily Bender, Angelina McMillan-Major e Margaret Mitchell.[187] O ChatGPT pode escrever introduções e secções de resumo de artigos científicos.[188] Vários artigos listaram o ChatGPT como coautor.[189]

As revistas científicas têm reações diferentes ao ChatGPT. Algumas, incluindo a Nature e a JAMA Network, "exigem que os autores divulguem o uso de ferramentas de geração de texto e proíbam listar um grande modelo de linguagem (LLM), como o ChatGPT, como coautor". A Science "proibiu completamente" o uso de texto gerado por LLM em todos os seus jornais.[190]

O químico espanhol Rafael Luque publicou uma infinidade de artigos de investigação em 2023 que mais tarde admitiu terem sido escritos pelo ChatGPT. Os artigos apresentam um grande número de frases incomuns características dos LLM.[191]

Muitos autores argumentam que o uso do ChatGPT na academia para ensino e revisão é problemático devido à sua tendência a alucinar.[192][193][194] Robin Bauwens, professor assistente da Universidade de Tilburg, descobriu que um relatório de revisão por pares gerado pelo ChatGPT sobre o seu artigo mencionava estudos falsos.[195] De acordo com o bibliotecário Chris Granatino, da Biblioteca Lemieux da Universidade de Seattle, embora o próprio ChatGPT possa gerar conteúdo que aparentemente inclui citações legítimas, na maioria dos casos essas citações não são reais, ou pelo menos são em grande parte incorretas.[196]

Cibersegurança

A Check Point Research e outros observaram que o ChatGPT pode escrever e-mails de phishing e malware, especialmente quando combinado com o OpenAI Codex. Os investigadores da CyberArk demonstraram que o ChatGPT poderia ser usado para criar malware polimórfico que poderia escapar aos produtos de segurança, exigindo pouco esforço do invasor.[197][198] Desde o lançamento do ChatGPT no quarto trimestre de 2022 até ao quarto trimestre de 2023, houve um aumento de 1.265% em e-mails de phishing maliciosos e um aumento de 967% em phishing de credenciais, que profissionais de segurança cibernética argumentaram numa investigação do setor ser atribuível ao aumento do uso de inteligência artificial generativa (incluindo ChatGPT) por cibercriminosos.[199]

Programação

Investigadores da Universidade Purdue analisaram as respostas do ChatGPT a 517 perguntas sobre engenharia de software ou programação de computadores colocadas no Stack Overflow quanto à correção, consistência, abrangência e concisão, e descobriram que 52% delas continham imprecisões e 77% eram detalhadas.[200][201] Investigadores da Universidade de Stanford e da Universidade da Califórnia em Berkeley descobriram que, ao criar respostas diretamente executáveis para os últimos 50 problemas de geração de código do LeetCode que foram classificados como "fáceis", o desempenho do GPT-3.5 e GPT-4 caiu de 22% e 52%, respetivamente, em março de 2023, para 2% e 10%, respetivamente, em junho de 2023.[202][203]

Economia

Tem havido preocupação de que o ChatGPT possa substituir empregos, especialmente funções como redação criativa, comunicação, jornalismo, programação e inserção de dados.[204][205][206]

Educação

O redator de tecnologia Dan Gillmor usou o ChatGPT em 2022 num trabalho escolar e descobriu que o texto gerado estava de acordo com o que um bom aluno entregaria e opinou que “a academia tem alguns problemas muito sérios para enfrentar”.[207]

O professor de geografia Terence Day avaliou as citações geradas pelo ChatGPT e descobriu que eram falsas. Apesar disso, ele escreve que “os títulos dos artigos falsos são todos diretamente relevantes para as questões e poderiam potencialmente resultar em artigos excelentes. A falta de uma citação genuína poderia sinalizar uma oportunidade para um autor empreendedor preencher uma lacuna”. Segundo Day, é possível gerar cursos introdutórios à faculdade de alta qualidade com o ChatGPT; ele usou-o para escrever materiais sobre "cursos introdutórios de geografia física, para o meu curso de segundo ano em hidrologia geográfica e cartografia de segundo ano, sistemas de informação geográfica e sensoriamento remoto". Ele conclui que “esta abordagem poderia ter relevância significativa para a aprendizagem aberta e poderia potencialmente afetar os atuais modelos de publicação de livros didáticos”.[208]

Mercados financeiros

A empresa de tecnologia de IA c3.ai viu um aumento de 28% no preço das suas ações após anunciar a integração do ChatGPT no seu kit de ferramentas.[209] O preço das ações da BuzzFeed, empresa de média digital não relacionada à IA, aumentou 120% após anunciar a adoção da tecnologia OpenAI para criação de conteúdo.[210] A Reuters descobriu que os preços das ações das empresas relacionadas à IA BigBear.ai e SoundHound AI aumentaram 21% e 40%, respetivamente, embora não tivessem conexão direta com o ChatGPT.[211] Eles atribuíram este aumento ao papel do ChatGPT em transformar a IA na palavra da moda em Wall Street. Uma investigação académica publicada na Finance Research Letters descobriu que o 'efeito ChatGPT' levou os investidores de retalho a aumentar os preços dos ativos de criptomoeda relacionados à IA, apesar do mercado mais amplo de criptomoedas estar num mercado em baixa e diminuido interesse dos investidores institucionais.[212] Isto confirma as descobertas anedóticas da Bloomberg de que, em resposta ao lançamento do ChatGPT, os investidores em criptomoedas mostraram uma preferência por ativos criptográficos relacionados com IA.[213] Uma experiência realizado pelo finder.com revelou que o ChatGPT poderia superar os gestores de fundos populares ao escolher ações com base em critérios como histórico de crescimento e níveis de dívida, resultando num aumento de 4,9% numa conta hipotética de 38 ações, superando 10 fundos de investimento de referência com uma perda média de 0,8%.[214]

Por outro lado, executivos e gestores de investimentos de fundos quantitativos de Wall Street (incluindo aqueles que usam aprendizagem de máquina há décadas) notaram que o ChatGPT comete regularmente erros óbvios que seriam financeiramente onerosos para os investidores, porque mesmo os sistemas de IA que empregam aprendizagem por reforço ou autoaprendizagem têm tido apenas um sucesso limitado na previsão das tendências do mercado devido à qualidade inerentemente ruidosa dos dados de mercado e dos sinais financeiros.[215] Em novembro de 2023, uma investigação conduzida pela Patronus AI, uma empresa startup de inteligência artificial, comparou o desempenho do GPT-4, GPT-4-Turbo, Claude2 e LLaMA-2 em duas versões de um teste de 150 perguntas sobre informações em declarações financeiras (por exemplo, Formulário 10-K, Formulário 10-Q, Formulário 8-K, relatórios de lucros, transcrições de teleconferências de lucros) enviados por empresas públicas à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC). Uma versão do teste exigia que os modelos generativos de IA usassem um sistema de recuperação para encontrar o arquivo específico da SEC para responder às perguntas; a outra deu aos modelos o arquivo específico da SEC para responder à pergunta (ou seja, numa longa janela de contexto). Na versão do sistema de recuperação, o GPT-4-Turbo e LLaMA-2 não conseguiram produzir respostas corretas para 81% das perguntas, enquanto que na versão de janela de contexto longa, GPT-4-Turbo e Claude-2 não conseguiram produzir respostas corretas para 21% e 24% das questões, respetivamente.[216][217]

Medicina

No domínio dos cuidados de saúde, possíveis utilizações e preocupações estão sob escrutínio por associações profissionais e por profissionais.[218][219] Dois artigos iniciais indicaram que o ChatGPT poderia passar no Exame de Licenciamento Médico dos Estados Unidos (USMLE).[220] O MedPage Today observou em janeiro de 2023 que “os investigadores publicaram vários artigos agora divulgando estes programas de IA como ferramentas úteis na educação médica, investigação e até mesmo na tomada de decisões clínicas”.[220]

Dois artigos que foram publicados separadamente em fevereiro de 2023 avaliaram novamente a proficiência do ChatGPT em medicina usando o USMLE. Os resultados foram publicados na JMIR Medical Education (ver Journal of Medical Internet Research) e na PLOS Digital Health. Os autores do artigo da PLOS Digital Health afirmaram que os resultados “sugerem que grandes modelos de linguagem podem ter o potencial de auxiliar na educação médica e, potencialmente, na tomada de decisões clínicas”.[221][222] Na JMIR Medical Education, os autores do outro artigo concluíram que "o ChatGPT tem um desempenho no nível esperado de um estudante de medicina do terceiro ano na avaliação da competência primária do conhecimento médico." Eles sugerem que poderia ser usado como um “ambiente de aprendizagem interativo para os alunos”. A própria IA, solicitada pelos investigadores, concluiu que “este estudo sugere que o ChatGPT tem potencial para ser usado como tutor médico virtual, mas são necessárias mais investigações para avaliar melhor o seu desempenho e usabilidade neste contexto”.[223] A versão ChatGPT lançada posteriormente baseada em GPT-4 superou significativamente a versão baseada em GPT-3.5.[224] Investigadores da Universidade de Stanford e da Universidade da Califórnia em Berkeley descobriram que o desempenho do GPT-3.5 e GPT-4 no USMLE diminuiu de março de 2023 a junho de 2023.[225][226]

Um artigo de março de 2023 testou a aplicação do ChatGPT em toxicologia clínica. Os autores descobriram que a IA “saiu-se bem” ao responder a um “[exemplo de caso clínico] muito simples, improvável de ser esquecido por qualquer profissional da área”. Eles acrescentaram: "À medida que o ChatGPT se torna mais desenvolvido e adaptado especificamente para a medicina, ele poderá um dia ser útil em casos clínicos menos comuns (i.e., casos que os especialistas às vezes ignoram). Ao invés de a IA substituir os humanos (médicos), nós vemo-la como 'médicos que usam IA' substituindo 'médicos que não usam IA' nos próximos anos."[227]

Um estudo de abril de 2023 na Radiology testou a capacidade da IA de responder a perguntas sobre o rastreio do cancro da mama. Os autores descobriram que respondia adequadamente “cerca de 88 por cento das vezes”, no entanto, num caso (por exemplo), dava conselhos que se tinham tornado desatualizados cerca de um ano antes. A abrangência das suas respostas também faltou.[228][229] Um estudo publicado na JAMA Internal Medicine naquele mesmo mês descobriu que o ChatGPT muitas vezes superava os médicos humanos a responder às perguntas dos pacientes (quando comparado com perguntas e respostas encontradas no /r/AskDocs, um fórum no Reddit onde moderadores validam as credenciais médicas dos profissionais; o estudo reconhece a fonte como uma limitação).[230][231][232] Os autores do estudo sugerem que a ferramenta poderia ser integrada a sistemas médicos para ajudar os médicos a redigir respostas às perguntas dos pacientes.[233][234]

Os profissionais enfatizaram as limitações do ChatGPT na prestação de assistência médica. Em correspondência com a The Lancet Infectious Diseases, três especialistas em antimicrobianos escreveram que "as maiores barreiras à implementação do ChatGPT na prática clínica são os défices na consciência situacional, na inferência e na consistência. Estas deficiências podem pôr em risco a segurança do paciente".[235] A Physician's Weekly, embora também discuta o uso potencial do ChatGPT em contextos médicos (por exemplo, "como um assistente digital para médicos, desempenhando várias funções administrativas, como coletar informações de registos de pacientes ou categorizar dados de pacientes por histórico familiar, sintomas, resultados laboratoriais, possíveis alergias, etc."), alertou que a IA pode, às vezes, fornecer informações fabricadas ou tendenciosas.[236] Um radiologista alertou: “Vimos na nossa experiência que o ChatGPT às vezes inventa artigos de jornais ou consórcios de saúde falsos para apoiar as suas afirmações”;[237] Conforme relatado num artigo da Mayo Clinic Proceedings: Digital Health, o ChatGPT pode fazer isso para até 69% das suas referências médicas citadas. Os investigadores enfatizaram que embora muitas das suas referências tenham sido fabricadas, aquelas que o foram pareciam “enganosamente reais”.[238] No entanto, como o Dr. Stephen Hughes mencionou para o The Conversation, o ChatGPT é capaz de aprender a corrigir os seus erros do passado. Ele também observou o “puritanismo” da IA em relação a temas de saúde sexual.[239]

Ao contrário das descobertas anteriores, as respostas do ChatGPT às questões relacionadas à anestesia foram mais precisas, sucintas e descritivas em comparação com as do Bard. O Bard exibiu 30,3% de erro na resposta em comparação com o ChatGPT (0% de erro).[240] Numa conferência da Sociedade Americana de Farmacêuticos do Sistema de Saúde em dezembro de 2023, investigadores da Universidade de Long Island (LIU) apresentaram um estudo que investigou as respostas do ChatGPT a 45 perguntas frequentes do serviço de informações sobre medicamentos da Faculdade de Farmácia da LIU durante um período de 16 meses de 2022 a 2023, em comparação com as respostas investigadas fornecidas por farmacêuticos profissionais. Para 29 das 39 questões para as quais havia literatura médica suficiente para uma resposta baseada em dados, o ChatGPT não forneceu uma resposta direta ou forneceu uma resposta errada ou incompleta (e em alguns casos, se fosse posta em prática, a resposta colocaria em perigo a saúde do paciente). Os investigadores pediram ao ChatGPT que fornecesse citações de investigações médicas para todas as suas respostas, mas fê-lo apenas para oito, e todas as oito incluíram pelo menos uma citação fabricada (falsa).[241][242]

Um estudo de janeiro de 2024 conduzido por investigadores do Centro Médico Pediátrico Cohen descobriu que o GPT-4 tinha uma taxa de precisão de 17% no diagnóstico de casos médicos pediátricos.[243][244]

Direito

Em janeiro de 2023, o senador do estado de Massachusetts Barry Finegold e o deputado estadual Josh S. Cutler propuseram um projeto de lei parcialmente escrito por ChatGPT, "Uma Lei elaborada com a ajuda do ChatGPT para regular modelos generativos de inteligência artificial como o ChatGPT",[245][246][247] que exigiria que as empresas divulgassem os seus algoritmos e práticas de recolha de dados ao Ministério Público Estadual, organizassem avaliações de risco regulares e contribuíssem para a prevenção do plágio.[246][247][248] O projeto foi apresentado oficialmente durante uma sessão em 13 de julho.[245][247]

Em 11 de abril de 2023, um juiz de um tribunal de sessão no Paquistão usou o ChatGPT para decidir a fiança de um acusado de 13 anos num caso. O tribunal citou o uso da assistência ChatGPT no seu veredito:

O modelo de linguagem AI respondeu:

O juiz fez outras perguntas ao ChatGPT sobre o caso e formulou a sua decisão final à luz das respostas.[249][250]

Em Mata v. Avianca, Inc., 22-cv-1461 (PKC),​​ uma ação por danos pessoais contra a Avianca Airlines movida no Tribunal Distrital do Sul de Nova Iorque dos EUA em maio de 2023 (presidida pelo Juiz Sénior P. Kevin Castel), os advogados supostamente usaram o ChatGPT para gerar uma moção legal. O ChatGPT gerou inúmeros processos jurídicos fictícios envolvendo companhias aéreas fictícias com cotações e citações internas fabricadas na ação judicial. Castel notou inúmeras inconsistências nos resumos de opinião e classificou a análise jurídica de um dos casos como "absurda".[251] Os advogados do queixoso enfrentaram possíveis sanções judiciais e expulsão da Ordem por apresentarem a petição e apresentarem as decisões legais fictícias geradas pelo ChatGPT como autênticas.[252][253] O caso foi arquivado e os advogados foram multados em 5.000 dólares.[254][255]

Em outubro de 2023, a Câmara Municipal de Porto Alegre (Rio Grande do Sul), aprovou por unanimidade uma portaria local proposta pelo vereador Ramiro Rosário que isentaria os moradores do pagamento pela substituição de medidores de consumo de água furtados; o projeto entrou em vigor em 23 de novembro. No dia 29 de novembro, Rosário revelou que o projeto de lei foi integralmente redigido pelo ChatGPT e que apresentou-o ao resto do conselho sem fazer alterações ou divulgar o envolvimento do chatbot.[248][256][257] O presidente da Câmara Municipal, Hamilton Sossmeier, inicialmente criticou a iniciativa de Rosário, dizendo que poderia representar "um precedente perigoso",[257][258] mas depois disse que "mudou de ideias": "infelizmente ou felizmente, isto vai ser um tendência."[259][260]

Ver também

Bibliografia

Referências

  1. Lock, Samantha (5 de dezembro de 2022). «What is AI chatbot phenomenon ChatGPT and could it replace humans?». The Guardian (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2023 
  2. Hu, Krystal (2 de fevereiro de 2023). «ChatGPT sets record for fastest-growing user base – analyst note». Reuters (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2023. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2023 
  3. Varanasi, Lakshmi (5 de janeiro de 2023). «ChatGPT creator OpenAI is in talks to sell shares in a tender offer that would double the startup's valuation to $29 billion». Insider. Consultado em 18 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2023 
  4. «What's the next word in large language models?». Nature Machine Intelligence (em inglês). 5 (4): 331–332. Abril de 2023. ISSN 2522-5839. doi:10.1038/s42256-023-00655-zAcessível livremente 
  5. Gertner, Jon (18 de julho de 2023). «Wikipedia's Moment of Truth». The New York Times Magazine. Consultado em 19 de julho de 2023. Arquivado do original em 20 de julho de 2023 
  6. «What is ChatGPT and why does it matter? Here's what you need to know». ZDNET (em inglês). 30 de maio de 2023. Consultado em 22 de junho de 2023. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2023 
  7. «Transformer: A Novel Neural Network Architecture for Language Understanding» (em inglês). 31 de agosto de 2017. Consultado em 14 de agosto de 2023. Arquivado do original em 27 de outubro de 2021 
  8. Gertner, Jon (18 de julho de 2023). «Wikipedia's Moment of Truth». The New York Times Magazine. Consultado em 19 de julho de 2023. Arquivado do original em 20 de julho de 2023 
  9. Weise, Karen; Metz, Cade; Grant, Nico; Isaac, Mike (5 de dezembro de 2023). «Inside the A.I. Arms Race That Changed Silicon Valley Forever». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 11 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 11 de dezembro de 2023 
  10. «OpenAI API». platform.openai.com (em inglês). Consultado em 3 de março de 2023. Arquivado do original em 3 de março de 2023 
  11. a b OpenAI (30 de novembro de 2022). «ChatGPT: Optimizing Language Models for Dialogue» (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 30 de novembro de 2022 
  12. Greengard, Samuel (29 de dezembro de 2022). «ChatGPT: Understanding the ChatGPT AI Chatbot». eWeek. Consultado em 11 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2023 
  13. Douglas, Will (3 de março de 2023). «The inside story of how ChatGPT was built from the people who made it». MIT Technology Review. Consultado em 6 de março de 2023. Arquivado do original em 3 de março de 2023 
  14. Vincent, James (8 de dezembro de 2022). «ChatGPT proves AI is finally mainstream – and things are only going to get weirder». The Verge (em inglês). Consultado em 8 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2023 
  15. Perrigo, Billy (18 de janeiro de 2023). «Exclusive: OpenAI Used Kenyan Workers on Less Than $2 Per Hour to Make ChatGPT Less Toxic». Time (em inglês). Consultado em 19 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2023 
  16. Rowe, Niamh (2 de agosto de 2023). «'It's destroyed me completely': Kenyan moderators decry toll of training of AI models». The Guardian. Consultado em 14 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2023 
  17. Roth, Emma (13 de março de 2023). «Microsoft spent hundreds of millions of dollars on a ChatGPT supercomputer». The Verge. Consultado em 30 de março de 2023. Arquivado do original em 30 de março de 2023 
  18. «Artificial intelligence technology behind ChatGPT was built in Iowa — with a lot of water». AP News (em inglês). 9 de setembro de 2023. Consultado em 10 de setembro de 2023. Arquivado do original em 10 de setembro de 2023 
  19. «Press Center - TrendForce Says with Cloud Companies Initiating AI Arms Race, GPU Demand from ChatGPT Could Reach 30,000 Chips as It Readies for Commercialization | TrendForce - Market research, price trend of DRAM, NAND Flash, LEDs, TFT-LCD and green energy, PV». TrendForce (em inglês). Consultado em 2 de novembro de 2023. Arquivado do original em 2 de novembro de 2023 
  20. Zhiye Liu (1 de março de 2023). «ChatGPT Will Command More Than 30,000 Nvidia GPUs: Report». Tom's Hardware (em inglês). Consultado em 2 de novembro de 2023. Arquivado do original em 2 de novembro de 2023 
  21. Ortiz, Sabrina (2 de fevereiro de 2023). «What is ChatGPT and why does it matter? Here's what you need to know». ZDNET (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2023 
  22. «ChatGPT Feedback Contest: Official Rules» (PDF). OpenAI. Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original (PDF) em 18 de janeiro de 2023 
  23. Edwards, Benj (5 de dezembro de 2022). «No Linux? No problem. Just get AI to hallucinate it for you». Ars Technica. Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2022 
  24. Dwivedi, Yogesh K.; Kshetri, Nir; Hughes, Laurie; Slade, Emma Louise; Jeyaraj, Anand; Kar, Arpan Kumar; Baabdullah, Abdullah M.; Koohang, Alex; Raghavan, Vishnupriya (1 de agosto de 2023). «Opinion Paper: "So what if ChatGPT wrote it?" Multidisciplinary perspectives on opportunities, challenges and implications of generative conversational AI for research, practice, and policy». International Journal of Information Management (em inglês). 71. 102642 páginas. ISSN 0268-4012. doi:10.1016/j.ijinfomgt.2023.102642Acessível livremente 
  25. Gertner, Jon (18 de julho de 2023). «Wikipedia's Moment of Truth». The New York Times Magazine. Consultado em 19 de julho de 2023. Arquivado do original em 20 de julho de 2023 
  26. Tung, Liam (26 de janeiro de 2023). «ChatGPT can write code. Now researchers say it's good at fixing bugs, too». ZDNET. Consultado em 22 de junho de 2023. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2023 
  27. Heilweil, Rebecca (7 de dezembro de 2022). «AI is finally good at stuff. Now what?». Vox (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2023 
  28. «How Generative AI Can Augment Human Creativity». Harvard Business Review. 16 de junho de 2023. ISSN 0017-8012. Consultado em 20 de junho de 2023. Arquivado do original em 20 de junho de 2023 
  29. Reich, Aaron (27 de dezembro de 2022). «ChatGPT: What is the new free AI chatbot? – explainer». The Jerusalem Post. Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2023 
  30. Rider, Elizabeth (6 de abril de 2023). «How ChatGPT Will Dramatically Change the Influencer Space». Entrepreneur (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2023. Arquivado do original em 13 de abril de 2023 
  31. Edwards, Benj (5 de dezembro de 2022). «No Linux? No problem. Just get AI to hallucinate it for you». Ars Technica. Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2022 
  32. Chawla, Raveen (26 de dezembro de 2022). «What is ChatGPT? History, Features, Uses, Benefits, Drawbacks 2023» (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 7 de janeiro de 2023 
  33. OpenAI (30 de novembro de 2022). «ChatGPT: Optimizing Language Models for Dialogue» (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 30 de novembro de 2022 
  34. a b Roose, Kevin (5 de dezembro de 2022). «The Brilliance and Weirdness of ChatGPT». The New York Times (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2023 
  35. «New and Improved Content Moderation Tooling». OpenAI (em inglês). 10 de agosto de 2022. Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2023 
  36. Markov, Todor; Zhang, Chong (5 de agosto de 2022). «A Holistic Approach to Undesired Content Detection in the Real World». arXiv:2208.03274Acessível livremente [cs.CL] 
  37. OpenAI (30 de novembro de 2022). «ChatGPT: Optimizing Language Models for Dialogue» (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 30 de novembro de 2022 
  38. «ChatGPT plugins». openai.com. Consultado em 23 de março de 2023. Arquivado do original em 23 de março de 2023 
  39. Vincent, James (23 de março de 2023). «OpenAI is massively expanding ChatGPT's capabilities to let it browse the web and more». The Verge. Consultado em 23 de março de 2023. Arquivado do original em 23 de março de 2023 
  40. Goldman, Sharon; Nuñez, Michael (23 de março de 2023). «OpenAI turns ChatGPT into a platform overnight with addition of plugins». VentureBeat. Consultado em 23 de março de 2023. Arquivado do original em 24 de março de 2023 
  41. OpenAI (30 de novembro de 2022). «ChatGPT: Optimizing Language Models for Dialogue» (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 30 de novembro de 2022 
  42. Lakshmanan, Lak (16 de dezembro de 2022). «Why large language models like ChatGPT are bullshit artists». becominghuman.ai. Consultado em 15 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2022 
  43. Gao, Leo; Schulman. «Scaling Laws for Reward Model Overoptimization». arXiv:2210.10760Acessível livremente [cs.LG] 
  44. «What can ChatGPT maker's new AI model GPT-4 do?». ABC News (em inglês). 15 de março de 2023. Consultado em 20 de março de 2023. Arquivado do original em 20 de março de 2023 
  45. OpenAI (30 de novembro de 2022). «ChatGPT: Optimizing Language Models for Dialogue» (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 30 de novembro de 2022 
  46. Perrigo, Billy (5 de dezembro de 2022). «AI Chatbots Are Getting Better. But an Interview With ChatGPT Reveals Their Limits». Time. Consultado em 26 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2023 
  47. Biddle, Sam (8 de dezembro de 2022). «The Internet's New Favorite AI Proposes Torturing Iranians and Surveilling Mosques». The Intercept. Consultado em 26 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2023 
  48. Chiang, Ted (9 de fevereiro de 2023). «ChatGPT Is a Blurry JPEG of the Web». The New Yorker. Consultado em 17 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2023 
  49. Vincent, James (1 de dezembro de 2022). «OpenAI's new chatbot can explain code and write sitcom scripts but is still easily tricked». The Verge. Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2023 
  50. Getahun, Hannah. «Breaking ChatGPT: The AI's alter ego DAN reveals why the internet is so drawn to making the chatbot violate its own rules». Business Insider (em inglês). Consultado em 5 de março de 2023. Arquivado do original em 5 de março de 2023 
  51. Woods, Allan (10 de dezembro de 2022). «I wrote a story about ChatGPT's AI. Then I dared it to write a better one». Toronto Star (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 6 de janeiro de 2023 
  52. Rosenblatt, Kalhan (2 de dezembro de 2022). «An AI chatbot went viral. Some say it's better than Google; others worry it's problematic.». NBC News (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2023 
  53. Douglas, Will (3 de março de 2023). «The inside story of how ChatGPT was built from the people who made it». MIT Technology Review. Consultado em 6 de março de 2023. Arquivado do original em 3 de março de 2023 
  54. «ChatGPT turns 1: How the AI chatbot has completely changed the world». euronews (em inglês). 30 de novembro de 2023. Consultado em 1 de março de 2024 
  55. Karpf, David (21 de dezembro de 2022). «Money Will Kill ChatGPT's Magic». The Atlantic (em inglês). Consultado em 31 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2023 
  56. Ortiz, Sabrina (2 de fevereiro de 2023). «What is ChatGPT and why does it matter? Here's what you need to know». ZDNET (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2023 
  57. Milmo, Dan (2 de dezembro de 2023). «ChatGPT reaches 100 million users two months after launch». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 3 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2023 
  58. Vogels, Emily A. (24 de maio de 2023). «A majority of Americans have heard of ChatGPT, but few have tried it themselves». Pew Research Center. Consultado em 15 de junho de 2023. Arquivado do original em 8 de junho de 2023 
  59. Park, Eugenie; Gelles-Watnick, Risa (28 de agosto de 2023). «Most Americans haven't used ChatGPT; few think it will have a major impact on their job». Pew Research Center. Consultado em 23 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 24 de dezembro de 2023 
  60. Walsh, Toby (13 de dezembro de 2022). «Everyone's having a field day with ChatGPT – but nobody knows how it actually works». The Conversation (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2022 
  61. «Why ChatGPT unavailable in Italy, Russia, China, North Korea?». Hindustan Times (em inglês). 2 de abril de 2023. Consultado em 15 de junho de 2023. Arquivado do original em 15 de junho de 2023 
  62. «Introducing ChatGPT Plus». OpenAI (em inglês). 1 de fevereiro de 2023. Consultado em 23 de março de 2023. Arquivado do original em 23 de março de 2023 
  63. «GPT-4». openai.com. 14 de março de 2023. Consultado em 14 de março de 2023. Arquivado do original em 14 de março de 2023 
  64. Popli, Nik (15 de março de 2023). «These New Projects Show Just How Much More Powerful GPT-4 Is». Time (em inglês). Consultado em 19 de março de 2023. Arquivado do original em 19 de março de 2023 
  65. Wiggers, Kyle (23 de março de 2023). «OpenAI connects ChatGPT to the internet». Consultado em 12 de junho de 2023. Arquivado do original em 12 de junho de 2023 
  66. «ChatGPT can now see, hear, and speak». openai.com. Consultado em 16 de outubro de 2023. Arquivado do original em 7 de novembro de 2023 
  67. Goode, Lauren. «ChatGPT Can Now Talk to You—and Look Into Your Life». Wired. Consultado em 16 de outubro de 2023. Arquivado do original em 13 de outubro de 2023 – via www.wired.com 
  68. Roose, Kevin (27 de setembro de 2023). «The New ChatGPT Can 'See' and 'Talk.' Here's What It's Like.». The New York Times. Consultado em 16 de outubro de 2023. Arquivado do original em 31 de outubro de 2023 – via NYTimes.com 
  69. David, Emilia (20 de setembro de 2023). «OpenAI releases third version of DALL-E». The Verge (em inglês). Consultado em 23 de setembro de 2023. Arquivado do original em 20 de setembro de 2023 
  70. Metz, Cade; Hsu, Tiffany (20 de setembro de 2023). «ChatGPT Can Now Generate Images, Too». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 23 de setembro de 2023. Arquivado do original em 23 de setembro de 2023 
  71. Lawler, Richard (21 de julho de 2023). «ChatGPT for Android launches next week». The Verge (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2023. Arquivado do original em 22 de julho de 2023 
  72. Field, Hayden (25 de julho de 2023). «OpenAI's ChatGPT app now available for Android». CNBC (em inglês). Consultado em 27 de julho de 2023. Arquivado do original em 26 de julho de 2023 
  73. Amadeo, Ron (5 de janeiro de 2024). «Android users could soon replace Google Assistant with ChatGPT». Ars Technica (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2024 
  74. Torres, Jennifer (3 de março de 2023). «Developers Can Now Access OpenAI's ChatGPT and Whisper APIs». CMSWire.com (em inglês). Consultado em 8 de março de 2023. Arquivado do original em 6 de março de 2023 
  75. Shanklin, Will (1 de março de 2023). «OpenAI will let developers build ChatGPT into their apps». Engadget (em inglês). Consultado em 8 de março de 2023. Arquivado do original em 7 de março de 2023 
  76. Swant, Marty (3 de março de 2023). «With developer APIs for ChatGPT and Whisper, OpenAI is opening the floodgates with a familiar playbook». Digiday (em inglês). Consultado em 8 de março de 2023. Arquivado do original em 7 de março de 2023 
  77. Heath, Alex (27 de fevereiro de 2023). «Snapchat is releasing its own AI chatbot powered by ChatGPT». The Verge. Consultado em 28 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 28 de fevereiro de 2023 
  78. «ChatGPT bug leaked users' conversation histories». BBC News. 22 de março de 2023. Consultado em 23 de março de 2023. Arquivado do original em 23 de março de 2023 
  79. Kan, Michael (22 de março de 2023). «OpenAI Confirms Leak of ChatGPT Conversation Histories». PCMag. Consultado em 23 de março de 2023. Arquivado do original em 22 de março de 2023 
  80. «ChatGPT owner OpenAI fixes bug that exposed users' chat histories». Al Jazeera. 23 de março de 2023. Consultado em 23 de março de 2023. Arquivado do original em 24 de março de 2023 
  81. Metz, Rachel (21 de março de 2023). «OpenAI Shut Down ChatGPT to Fix Bug Exposing User Chat Titles». Bloomberg News. Consultado em 23 de março de 2023. Arquivado do original em 21 de março de 2023 
  82. «March 20 ChatGPT outage: Here's what happened». openai.com (em inglês). Consultado em 28 de março de 2023. Arquivado do original em 28 de março de 2023 
  83. «OpenAI: Sorry, ChatGPT Bug Leaked Payment Info to Other Users». PCMAG (em inglês). Consultado em 28 de março de 2023. Arquivado do original em 28 de março de 2023 
  84. Reich, Aaron (27 de dezembro de 2022). «ChatGPT: What is the new free AI chatbot? – explainer». The Jerusalem Post. Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2023 
  85. Magnússon, Pétur (15 de março de 2023). «Icelandic becomes ChatGPT's second language». ruv.is (em inglês). Consultado em 31 de março de 2023. Arquivado do original em 31 de março de 2023 
  86. «Google Translate vs. ChatGPT: Which One Is the Best Language Translator?». PCMAG (em inglês). Consultado em 10 de junho de 2023. Arquivado do original em 10 de junho de 2023 
  87. Kaneko, Karin (18 de julho de 2023). «ChatGPT, Bing, Bard and DeepL: Which one offers the best Japanese-to-English translation?». The Japan Times. Consultado em 22 de julho de 2023. Arquivado do original em 4 de outubro de 2023 
  88. Taylor, Alice (13 de dezembro de 2023). «Albania to speed up EU accession using ChatGPT». www.euractiv.com. Consultado em 14 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 24 de dezembro de 2023 
  89. Kovanovic, Vitomir (14 de dezembro de 2022). «The dawn of AI has come, and its implications for education couldn't be more significant». The Conversation (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2023 
  90. Wiggers, Kyle (10 de dezembro de 2022). «OpenAI's attempts to watermark AI text hit limits». TechCrunch. Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2023 
  91. Edwards, Benj (28 de fevereiro de 2023). «Robots let ChatGPT touch the real world thanks to Microsoft». Ars Technica (em inglês). Consultado em 30 de março de 2023. Arquivado do original em 26 de março de 2023 
  92. «ChatGPT for Robotics». Microsoft Research (em inglês). 20 de fevereiro de 2023. Consultado em 8 de março de 2023. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2023 
  93. Belfield, Haydn (25 de março de 2023). «If your AI model is going to sell, it has to be safe». Vox (em inglês). Consultado em 30 de março de 2023. Arquivado do original em 28 de março de 2023 
  94. Caballero, Ethan; Gupta, Kshitij; Rish, Irina; Krueger, David (2022).
  95. Alex Hern; Johana Bhuiyan (14 de março de 2023). «OpenAI says new model GPT-4 is more creative and less likely to invent facts». The Guardian. Consultado em 15 de março de 2023. Arquivado do original em 15 de março de 2023 
  96. Vincent, James (15 de março de 2023). «OpenAI co-founder on company's past approach to openly sharing research: "We were wrong"». The Verge (em inglês). Consultado em 18 de março de 2023. Arquivado do original em 17 de março de 2023 
  97. Edwards, Benj (14 de março de 2023). «OpenAI's GPT-4 exhibits "human-level performance" on professional benchmarks». Ars Technica (em inglês). Consultado em 28 de março de 2023. Arquivado do original em 14 de março de 2023 
  98. Lardinois, Frederic (14 de março de 2023). «Microsoft's new Bing was using GPT-4 all along». techcrunch.com. Consultado em 14 de março de 2023. Arquivado do original em 15 de março de 2023 
  99. Metz, Cade (10 de janeiro de 2024). «OpenAI Unveils App Store for Customized Versions of ChatGPT». The New York Times. Consultado em 13 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2024 
  100. a b David, Emilia (10 de janeiro de 2024). «OpenAI's custom GPT Store is now open for business». The Verge. Consultado em 13 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2024 
  101. Shankland, Stephen (10 de janeiro de 2024). «OpenAI's GPT Store Now Offers a Selection of 3 Million Custom AI Bots». CNET. Consultado em 13 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2024 
  102. «Introducing the GPT Store». OpenAI. 10 de janeiro de 2024. Consultado em 13 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2024 
  103. Cheng, Michelle (11 de janeiro de 2024). «AI girlfriend bots are already flooding OpenAI's GPT store». Quartz. Consultado em 13 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2024 
  104. Heaven, Will Douglas. «The inside story of how ChatGPT was built from the people who made it». MIT Technology Review (em inglês). Consultado em 6 de março de 2023. Arquivado do original em 6 de março de 2023 
  105. Simons, John (5 de fevereiro de 2023). «The Creator of ChatGPT Thinks AI Should Be Regulated». Time (em inglês). Consultado em 21 de março de 2023. Arquivado do original em 8 de março de 2023 
  106. Cowen, Tyler (23 de maio de 2023). «ChatGPT Is Also an Impressive Feat of Marketing» (em inglês). bloomberg.com. Consultado em 24 de maio de 2023. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2024 
  107. Roose, Kevin (5 de dezembro de 2022). «The Brilliance and Weirdness of ChatGPT». The New York Times (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2023 
  108. Lock, Samantha (5 de dezembro de 2022). «What is AI chatbot phenomenon ChatGPT and could it replace humans?». The Guardian (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2023 
  109. Kantrowitz, Alex (2 de dezembro de 2022). «Finally, an A.I. Chatbot That Reliably Passes "the Nazi Test"». Slate. Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2023 
  110. Thompson, Derek (8 de dezembro de 2022). «Breakthroughs of the Year». The Atlantic. Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2023 
  111. Piper, Kelsey (15 de dezembro de 2022). «ChatGPT has given everyone a glimpse at AI's astounding progress». Vox (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2023 
  112. Scharth, Marcel (5 de dezembro de 2022). «The ChatGPT chatbot is blowing people away with its writing skills. An expert explains why it's so impressive». The Conversation (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2023 
  113. Levy, Steven (11 de setembro de 2023). «Sundar Pichai on Google;s AI, Microsoft's AI, OpenAI, and ... Did We Mention AI?». Wired. Consultado em 12 de setembro de 2023. Arquivado do original em 11 de setembro de 2023 
  114. Grant, Nico; Metz, Cade (21 de dezembro de 2022). «A New Chat Bot Is a 'Code Red' for Google's Search Business». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2022 
  115. Alba, Davey; Love, Julia (6 de fevereiro de 2023). «Google releases ChatGPT rival AI 'Bard' to early testers». Los Angeles Times. ISSN 0458-3035. Consultado em 6 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 6 de fevereiro de 2023 
  116. Ortiz, Sabrina (10 de maio de 2023). «Every major AI feature announced at Google I/O 2023». ZDNet. Consultado em 12 de setembro de 2023. Arquivado do original em 10 de maio de 2023 
  117. Rachini, Mouhamad (15 de dezembro de 2022). «ChatGPT a 'landmark event' for AI, but what does it mean for the future of human labor and disinformation?». CBC. Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2023 
  118. Pearl, Mike (3 de dezembro de 2022). «The ChatGPT chatbot from OpenAI is amazing, creative, and totally wrong». Mashable. Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 10 de dezembro de 2022 
  119. Pitt, Sofia (15 de dezembro de 2022). «Google vs. ChatGPT: Here's what happened when I swapped services for a day». CNBC (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2023 
  120. Vincent, James (1 de dezembro de 2022). «OpenAI's new chatbot can explain code and write sitcom scripts but is still easily tricked». The Verge. Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2023 
  121. Mannix, Liam (13 de dezembro de 2022). «Is AI coming of age – or starting to reach its limits?». The Sydney Morning Herald (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 7 de janeiro de 2023 
  122. Vincent, James (5 de dezembro de 2022). «AI-generated answers temporarily banned on coding Q&A site Stack Overflow». The Verge (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2023 
  123. Vincent, James (5 de janeiro de 2023). «Top AI conference bans use of ChatGPT and AI language tools to write academic papers». The Verge. Consultado em 6 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2023 
  124. Curry, Rachel (13 de junho de 2023). «Samsung among companies starting to draft ChatGPT policies for workers». CNBC (em inglês). Consultado em 15 de junho de 2023. Arquivado do original em 14 de junho de 2023 
  125. a b Cain, Sian (16 de janeiro de 2023). «'This song sucks': Nick Cave responds to ChatGPT song written in the style of Nick Cave». The Guardian (em inglês). Consultado em 17 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2023 
  126. Cave, Nick (16 de janeiro de 2023). «I asked Chat GPT to write a song in the style of Nick Cave, and this is what it produced. What do you think?». The Red Hand Files. Issue #218 (em inglês). Consultado em 20 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 20 de janeiro de 2023 
  127. Sparrow, Jeff (20 de janeiro de 2023). «Are AI-generated songs a 'grotesque mockery' of humanity or simply an opportunity to make a new kind of music?». The Guardian (em inglês). Consultado em 20 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2023 
  128. Chow, Andrew (16 de fevereiro de 2023). «The AI Arms Race Is On. Start Worrying». Time (em inglês). Consultado em 21 de março de 2023. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2023 
  129. Davidson, Helen (23 de fevereiro de 2023). «'Political propaganda': China clamps down on access to ChatGPT». The Guardian. Consultado em 15 de junho de 2023. Arquivado do original em 14 de junho de 2023 
  130. Lau, Chris (9 de maio de 2023). «Chinese police detain man for allegedly using ChatGPT to spread rumors online». CNN (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2023 
  131. Feng, Coco (29 de dezembro de 2023). «ChatGPT-aided ransomware in China results in four arrests». South China Morning Post (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 4 de fevereiro de 2024 
  132. «ChatGPT banned in Italy over privacy concerns». BBC News (em inglês). 31 de março de 2023. Consultado em 31 de março de 2023. Arquivado do original em 31 de março de 2023 
  133. Borrelli, Silvia Sciorilli; Murgia, Madhumita (31 de março de 2023). «Italy temporarily bans ChatGPT over privacy concerns». Financial Times. Consultado em 31 de março de 2023. Arquivado do original em 31 de março de 2023 
  134. «ChatGPT accessible again in Italy». BBC. Consultado em 1 de maio de 2023. Arquivado do original em 1 de maio de 2023 
  135. Gerken, Tom. «ChatGPT: Mayor starts legal bid over false bribery claim». BBC. Consultado em 7 de abril de 2023. Arquivado do original em 7 de abril de 2023 
  136. Zakrzewski, Cat (13 de julho de 2023). «The FTC is investigating whether ChatGPT harms consumers». The Washington Post. Consultado em 13 de julho de 2023. Arquivado do original em 13 de julho de 2023 
  137. Tracy, Ryan; McKinnon, John D. (13 de julho de 2023). «ChatGPT Comes Under Investigation by Federal Trade Commission». The Wall Street Journal. News Corp. Consultado em 13 de julho de 2023. Arquivado do original em 13 de julho de 2023 
  138. Feiner, Lauren (13 de julho de 2023). «FTC investigating ChatGPT-maker OpenAI for possible consumer harm». CNBC. Consultado em 13 de julho de 2023. Arquivado do original em 13 de julho de 2023 
  139. «ChatGPT creator OpenAI faces US probe over libellous output». Ars Technica. Consultado em 15 de julho de 2023. Arquivado do original em 15 de julho de 2023 
  140. Gupta, Maanak; Akiri, Charankumar; Aryal, Kshitiz; Parker, Eli; Praharaj, Lopamudra (2023). «From ChatGPT to ThreatGPT: Impact of Generative AI in Cybersecurity and Privacy». IEEE Access. 11: 80218–80245. Bibcode:2023IEEEA..1180218G. arXiv:2307.00691Acessível livremente. doi:10.1109/ACCESS.2023.3300381Acessível livremente 
  141. Farivar, Masood (23 de agosto de 2023). «AI Firms Under Fire for Allegedly Infringing on Copyrights». Voice of America. Consultado em 19 de novembro de 2023. Arquivado do original em 20 de novembro de 2023 
  142. Davis, Wes (9 de julho de 2023). «Sarah Silverman is suing OpenAI and Meta for copyright infringement». The Verge. Consultado em 20 de novembro de 2023. Arquivado do original em 18 de novembro de 2023 
  143. Grynbaum, Michael M.; Mac, Ryan (27 de dezembro de 2023). «The Times Sues OpenAI and Microsoft Over A.I. Use of Copyrighted Work». The New York Times. Consultado em 28 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2024 
  144. «ChatGPT: New York Times sues OpenAI over article usage». DW News. 27 de dezembro de 2023. Consultado em 28 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 27 de dezembro de 2023 
  145. Roth, Emma (27 de dezembro de 2023). «The New York Times is suing OpenAI and Microsoft for copyright infringement». The Verge. Consultado em 28 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 27 de dezembro de 2023 
  146. Field, Hayden (6 de março de 2024). «Researchers tested leading AI models for copyright infringement using popular books, and GPT-4 performed worst». CNBC. Consultado em 6 de março de 2024 
  147. «Introducing CopyrightCatcher, the first Copyright Detection API for LLMs». Patronus AI. 6 de março de 2024. Consultado em 6 de março de 2024 
  148. Van Noorden, Richard; Webb, Richard (13 de dezembro de 2023). «ChatGPT and science: the AI system was a force in 2023 — for good and bad». Nature (em inglês). 624 (7992): 509. Bibcode:2023Natur.624..509V. PMID 38093061 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1038/d41586-023-03930-6Acessível livremente 
  149. Mediavilla, Daniel (13 de dezembro de 2023). «La revista 'Nature' elige por primera vez entre sus científicos del año a un ente no humano: ChatGPT». El País (em espanhol). Consultado em 16 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 15 de dezembro de 2023 
  150. Pacho, Lorena (31 de março de 2023). «Itália bloqueia o uso do ChatGPT por não cumprir a normativa de proteção de dados». El País. Consultado em 14 de abril de 2023 
  151. «Itália bloqueou o ChatGPT e poderia multar a OpenAI por um "erro de principiante"». BAE Negocios. 31 de março de 2023. Consultado em 14 de abril de 2023 
  152. «Proibição do ChatGPT nas escolas de Nova York: Um olhar mais atento». Consultado em 29 de abril de 2023 
  153. Telemadrid (28 de abril de 2023). «ChatGPT volta a estar disponível na Itália». Telemadrid. Consultado em 29 de abril de 2023 
  154. Jain, Alka (12 de fevereiro de 2023). «ChatGPT won't crack jokes on women & Indians, netizens left guessing why». Livemint. livemint.com. Consultado em 6 de março de 2023. Arquivado do original em 6 de março de 2023 
  155. Liles, Jordan (1 de fevereiro de 2023). «ChatGPT Declines Request for Poem Admiring Trump, But Biden Query Is Successful». Snopes (em inglês). Consultado em 23 de março de 2023. Arquivado do original em 22 de março de 2023 
  156. Johnson, Arianna. «Is ChatGPT Partisan? Poems About Trump And Biden Raise Questions About The AI Bot's Bias—Here's What Experts Think». Forbes (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2023. Arquivado do original em 7 de abril de 2023 
  157. Guynn, Jessica. «Is ChatGPT 'woke'? AI chatbot accused of anti-conservative bias and a grudge against Trump». USA Today (em inglês). Consultado em 1 de março de 2023. Arquivado do original em 1 de março de 2023 
  158. Bray, Hiawatha (9 de fevereiro de 2023). «Is ChatGPT liberal or conservative? Depends who you ask.». Boston Globe (em inglês). Consultado em 1 de março de 2023. Arquivado do original em 1 de março de 2023 
  159. a b Vincent, James (17 de fevereiro de 2023). «As conservatives criticize 'woke AI,' here are ChatGPT's rules for answering culture war queries». The Verge (em inglês). Consultado em 1 de março de 2023. Arquivado do original em 1 de março de 2023 
  160. Motoki, Fabio; Neto, Valdemar Pinho; Rodrigues, Victor (17 de agosto de 2023). «More human than human: measuring ChatGPT political bias». Public Choice (em inglês). 198 (1–2): 3–23. ISSN 1573-7101. doi:10.1007/s11127-023-01097-2Acessível livremente 
  161. «The Guardian view on ChatGPT: an eerily good human impersonator». The Guardian (em inglês). 8 de dezembro de 2022. Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2023 
  162. «Экономист Дарон Асемоглу написал книгу об угрозах искусственного интеллекта — и о том, как правильное управление может обратить его на пользу человечеству Спецкор "Медузы" Маргарита Лютова узнала у ученого, как скоро мир сможет приблизиться к этой утопии». Meduza (em russo). Consultado em 21 de junho de 2023. Arquivado do original em 20 de junho de 2023 
  163. «Learning, thinking, artistic collaboration and other such human endeavours in the age of AI». The Hindu (em inglês). 2 de junho de 2023. Consultado em 21 de junho de 2023. Arquivado do original em 21 de junho de 2023 
  164. Samuel, Sigal (10 de abril de 2023). «What happens when ChatGPT starts to feed on its own writing?». Vox. Consultado em 20 de junho de 2023. Arquivado do original em 19 de junho de 2023 
  165. Beres, Damon (27 de janeiro de 2023). «Death by a Thousand Personality Quizzes». The Atlantic. Consultado em 20 de junho de 2023. Arquivado do original em 21 de junho de 2023 
  166. Nolan, Beatrice. «More than 200 books in Amazon's bookstore have ChatGPT listed as an author or coauthor». Business Insider. Consultado em 9 de março de 2023. Arquivado do original em 9 de março de 2023 
  167. Bensinger, Greg (21 de fevereiro de 2023). «ChatGPT launches boom in AI-written e-books on Amazon». Reuters (em inglês). Consultado em 9 de março de 2023. Arquivado do original em 9 de março de 2023 
  168. «ChatGPT sul Foglio: per 30 giorni piccoli testi scritti dall'IA sul nostro giornale» [ChatGPT on Il Foglio: for 30 days, brief texts written by the AI on our newspaper]. Il Foglio (em italiano). 7 de março de 2023. Consultado em 22 de março de 2023. Arquivado do original em 22 de março de 2023 
  169. Moretti, Marco (8 de março de 2023). «Articoli artificiali? No» [Artificial articles? No]. Il Foglio (em italiano). Consultado em 22 de março de 2023. Arquivado do original em 22 de março de 2023 
  170. A.D.A. (9 de março de 2023). «Più umani, grazie» [Be more human, thanks]. Il Foglio (em italiano). Consultado em 22 de março de 2023. Arquivado do original em 22 de março de 2023 
  171. «Le colpe farlocche dell'"invasione"» [The fake faults of the "invasion"]. Il Foglio (em italiano). 14 de março de 2023. Consultado em 22 de março de 2023. Arquivado do original em 22 de março de 2023 
  172. «Sfida per Siri e Alexa» [A challenge for Siri and Alexa]. Il Foglio (em italiano). 17 de março de 2023. Consultado em 22 de março de 2023. Arquivado do original em 22 de março de 2023 
  173. Edwards, Benj (12 de junho de 2023). «AI-powered church service in Germany draws a large crowd». Ars Technica (em inglês). Consultado em 13 de junho de 2023. Arquivado do original em 13 de junho de 2023 
  174. «Hundreds of Protestants attended a sermon in Nuremberg given by ChatGPT, which told them not to fear death». Business Insider. Consultado em 13 de junho de 2023. Arquivado do original em 11 de junho de 2023 
  175. «Hundreds attend AI church service in Germany». TheJournal.ie (em inglês). 10 de junho de 2023. Consultado em 13 de junho de 2023. Arquivado do original em 12 de junho de 2023 
  176. Karp, Paul (6 de fevereiro de 2023). «MP tells Australia's parliament AI could be used for 'mass destruction' in speech part-written by ChatGPT». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 6 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 6 de fevereiro de 2023 
  177. Piper, Kelsey (15 de dezembro de 2022). «ChatGPT has given everyone a glimpse at AI's astounding progress». Vox (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2023 
  178. K, Siddharth (5 de dezembro de 2022). Shumaker, Lisa, ed. «Explainer: ChatGPT – what is OpenAI's chatbot and what is it used for?». Reuters (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2023 
  179. a b Kay, Grace (11 de dezembro de 2022). «Elon Musk founded – and has since criticized – the company behind the buzzy new AI chatbot ChatGPT. Here's everything we know about OpenAI.». Business Insider. Consultado em 30 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2023 
  180. Hurst, Luke (30 de março de 2023). «'Profound risk to humanity': Tech leaders call for 'pause' on advanced AI development». Euronews. Consultado em 1 de abril de 2023. Arquivado do original em 1 de abril de 2023 
  181. «Geoffrey Hinton tells us why he's now scared of the tech he helped build». MIT Technology Review (em inglês). Consultado em 4 de maio de 2023. Arquivado do original em 4 de maio de 2023 
  182. «Video: Geoffrey Hinton talks about the "existential threat" of AI». MIT Technology Review (em inglês). Consultado em 4 de maio de 2023. Arquivado do original em 3 de maio de 2023 
  183. Roose, Kevin (30 de maio de 2023). «A.I. Poses 'Risk of Extinction,' Industry Leaders Warn». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 30 de maio de 2023. Arquivado do original em 31 de maio de 2023 
  184. Taylor, Josh (7 de maio de 2023). «Rise of artificial intelligence is inevitable but should not be feared, 'father of AI' says». The Guardian (em inglês). Consultado em 26 de maio de 2023. Arquivado do original em 23 de outubro de 2023 
  185. McMorrow, Ryan (19 de dezembro de 2023). «Andrew Ng: 'Do we think the world is better off with more or less intelligence?'». Financial Times (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2024 
  186. Levy, Steven (22 de dezembro de 2023). «How Not to Be Stupid About AI, With Yann LeCun». Wired (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 14 de fevereiro de 2024 
  187. Harris, John; @johnharris1969 (22 de maio de 2023). «'There was all sorts of toxic behaviour': Timnit Gebru on her sacking by Google, AI's dangers and big tech's biases». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 22 de maio de 2023. Arquivado do original em 22 de maio de 2023 
  188. Bushard, Brian (10 de janeiro de 2023). «Fake Scientific Abstracts Written By ChatGPT Fooled Scientists, Study Finds». Forbes (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2023 
  189. Stokel-Walker, Chris (18 de janeiro de 2023). «ChatGPT listed as author on research papers: many scientists disapprove». Nature (em inglês). 613 (7945): 620–621. Bibcode:2023Natur.613..620S. PMID 36653617. doi:10.1038/d41586-023-00107-z. Consultado em 30 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2023 
  190. Brainard, Jeffrey (22 de fevereiro de 2023). «As scientists explore AI-written text, journals hammer out policies». Science (em inglês). doi:10.1126/science.adh2937. Consultado em 24 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2023 
  191. Ansede, Manuel (2 de abril de 2023). «One of the world's most cited scientists, Rafael Luque, suspended without pay for 13 years». EL PAÍS English. Consultado em 11 de abril de 2023. Cópia arquivada em 11 de abril de 2023 
  192. Alkaissi, Hussam; McFarlane, Samy I.; Alkaissi, Hussam; McFarlane, Samy I. (19 de fevereiro de 2023). «Artificial Hallucinations in ChatGPT: Implications in Scientific Writing». Cureus (em inglês). 15 (2): e35179. ISSN 2168-8184. PMC 9939079Acessível livremente. PMID 36811129. doi:10.7759/cureus.35179Acessível livremente 
  193. Vynck, Gerrit De (31 de maio de 2023). «ChatGPT 'hallucinates.' Some researchers worry it isn't fixable.». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 14 de junho de 2023. Arquivado do original em 17 de junho de 2023 
  194. Azamfirei, Razvan; Kudchadkar, Sapna R.; Fackler, James (21 de março de 2023). «Large language models and the perils of their hallucinations». Critical Care. 27 (1). 120 páginas. ISSN 1364-8535. PMC 10032023Acessível livremente. PMID 36945051 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1186/s13054-023-04393-xAcessível livremente 
  195. «'ChatGPT-generated reading list' sparks AI peer review debate». Times Higher Education (THE) (em inglês). 5 de abril de 2023. Consultado em 14 de junho de 2023. Arquivado do original em 23 de maio de 2023 
  196. «Library News & Updates – Lemieux Library at Seattle University». library.seattleu.edu (em inglês). Consultado em 14 de junho de 2023. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2024 
  197. «Chatting Our Way Into Creating a Polymorphic Malware». www.cyberark.com (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2023. Arquivado do original em 12 de maio de 2023 
  198. Mascellino, Alessandro (18 de janeiro de 2023). «ChatGPT Creates Polymorphic Malware». Infosecurity Magazine. Consultado em 12 de maio de 2023. Arquivado do original em 12 de maio de 2023 
  199. Violino, Bob (28 de novembro de 2023). «AI tools such as ChatGPT are generating a mammoth increase in malicious phishing emails». CNBC. Consultado em 5 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2023 
  200. Morrison, Ryan (8 de agosto de 2023). «ChatGPT wrong over half the time on software questions». Tech Monitor. New Statesman Media Group. Consultado em 5 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2023 
  201. Kabir, Samia; Udo-Imeh, David N. (10 de agosto de 2023). «Who Answers It Better? An In-Depth Analysis of ChatGPT and Stack Overflow Answers to Software Engineering Questions». arXiv:2308.02312v3Acessível livremente [cs.SE] 
  202. Pressman, Aaron (8 de novembro de 2023). «The AI boom is shaking up the tech industry and moving markets. But is it all a mirage?». The Boston Globe. Consultado em 5 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2023 
  203. Chen, Lingjiao; Zaharia, Matei (31 de outubro de 2023). «How is ChatGPT's behavior changing over time?». arXiv:2307.09009v3Acessível livremente [cs.CL] 
  204. Bilton, Nick (9 de dezembro de 2022). «ChatGPT Made Me Question What It Means to Be a Creative Human». Vanity Fair. Consultado em 20 de junho de 2023. Arquivado do original em 25 de março de 2023 
  205. Beres, Damon (27 de janeiro de 2023). «Death by a Thousand Personality Quizzes». The Atlantic. Consultado em 20 de junho de 2023. Arquivado do original em 21 de junho de 2023 
  206. Leonhardt, Megan (25 de março de 2023). «Some workers are worried that ChatGPT will replace their jobs. They might be right». Fortune. Consultado em 20 de junho de 2023. Arquivado do original em 19 de junho de 2023 
  207. Hern, Alex (4 de dezembro de 2022). «AI bot ChatGPT stuns academics with essay-writing skills and usability». The Guardian. Consultado em 5 de dezembro de 2022. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2023 
  208. Day, Terence (12 de abril de 2023). «A Preliminary Investigation of Fake Peer-Reviewed Citations and References Generated by ChatGPT». The Professional Geographer (em inglês). 75 (6): 1024–1027. Bibcode:2023ProfG..75.1024D. ISSN 0033-0124. doi:10.1080/00330124.2023.2190373Acessível livremente 
  209. Fox, Matthew (31 de janeiro de 2023). «C3ai has soared 86% year-to-date as investor frenzy for artificial intelligence builds amid ChatGPT success». Markets Insider (Business Insider) (em inglês). Consultado em 14 de abril de 2023. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2023 
  210. Diaz, Alicia; Smith, Gerry (26 de janeiro de 2023). «BuzzFeed Shares Surge 120% on Plans to Embrace OpenAI». Bloomberg.com (em inglês). Consultado em 22 de maio de 2023 
  211. Singh, Medha; Biswas, Ankika (6 de fevereiro de 2023). «AI stocks rally in latest Wall Street craze sparked by ChatGPT». Reuters (em inglês). Consultado em 14 de abril de 2023. Cópia arquivada em 29 de março de 2023 
  212. Saggu, Aman; Ante, Lennart (8 de maio de 2023). «The influence of ChatGPT on artificial intelligence-related crypto assets: Evidence from a synthetic control analysis». Finance Research Letters (em inglês). 55. 103993 páginas. ISSN 1544-6123. arXiv:2305.12739Acessível livremente. doi:10.1016/j.frl.2023.103993 
  213. Hajric, Vildana; Shen, Muyao (9 de fevereiro de 2023). «ChatGPT Mania Spurs Crypto Fans' Stampede to 'Faddish' AI Tokens». Bloomberg.com (em inglês). Consultado em 14 de abril de 2023. Arquivado do original em 9 de fevereiro de 2023 
  214. Cooban, Anna (5 de maio de 2023). «ChatGPT can pick stocks better than your fund manager». CNN. Consultado em 5 de maio de 2023. Arquivado do original em 22 de maio de 2023 
  215. Zuckerman, Gregory (12 de abril de 2023). «AI Can Write a Song, but It Can't Beat the Market». The Wall Street Journal. News Corp. Consultado em 30 de maio de 2023. Arquivado do original em 30 de maio de 2023 
  216. Leswing, Kif (19 de dezembro de 2023). «GPT and other AI models can't analyze an SEC filing, researchers find». CNBC. Consultado em 19 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2023 
  217. «Patronus AI Launches Industry-first LLM Benchmark for Finance to Address Hallucinations» (Nota de imprensa). PR Newswire. 16 de novembro de 2023. Consultado em 19 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2023 
  218. The Lancet Digital Health (3 de março de 2023). «ChatGPT: friend or foe?». The Lancet Digital Health (em inglês). 5 (3): e102. PMID 36754723. doi:10.1016/S2589-7500(23)00023-7Acessível livremente 
  219. Asch, David A. (4 de abril de 2023). «An Interview with ChatGPT About Health Care». NEJM Catalyst Innovations in Care Delivery. doi:10.1056/CAT.23.0043 (inativo 31 de janeiro de 2024). Consultado em 29 de junho de 2023. Cópia arquivada em 29 de junho de 2023 
  220. a b DePeau-Wilson, Michael (19 de janeiro de 2023). «AI Passes U.S. Medical Licensing Exam». MedPage Today. Consultado em 2 de maio de 2023. Arquivado do original em 9 de abril de 2023 
  221. Kung, Tiffany H.; Cheatham, Morgan; Medenilla, Arielle; Sillos, Czarina; Leon, Lorie De; Elepaño, Camille; Madriaga, Maria; Aggabao, Rimel; Diaz-Candido, Giezel (9 de fevereiro de 2023). «Performance of ChatGPT on USMLE: Potential for AI-assisted medical education using large language models». PLOS Digital Health (em inglês). 2 (2): e0000198. ISSN 2767-3170. PMC 9931230Acessível livremente. PMID 36812645. doi:10.1371/journal.pdig.0000198Acessível livremente 
  222. «Expert reaction to study on ChatGPT almost passing the US Medical Licensing Exam». Science Media Centre. 9 de fevereiro de 2023. Consultado em 2 de maio de 2023. Arquivado do original em 24 de abril de 2023 
  223. Gilson, Aidan; Safranek, Conrad W.; Huang, Thomas; Socrates, Vimig; Chi, Ling; Taylor, Richard Andrew; Chartash, David (8 de fevereiro de 2023). «How Does ChatGPT Perform on the United States Medical Licensing Examination? The Implications of Large Language Models for Medical Education and Knowledge Assessment». JMIR Medical Education (em inglês). 9 (1): e45312. PMC 9947764Acessível livremente. PMID 36753318. doi:10.2196/45312Acessível livremente 
  224. Brueck, Hilary. «The newest version of ChatGPT passed the US medical licensing exam with flying colors — and diagnosed a 1 in 100,000 condition in seconds». Business Insider (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2024 
  225. Pressman, Aaron (8 de novembro de 2023). «The AI boom is shaking up the tech industry and moving markets. But is it all a mirage?». The Boston Globe. Consultado em 5 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2023 
  226. Chen, Lingjiao; Zaharia, Matei (31 de outubro de 2023). «How is ChatGPT's behavior changing over time?». arXiv:2307.09009v3Acessível livremente [cs.CL] 
  227. Abdel-Messih, Mary Sabry; Boulos, Maged N. Kamel (8 de março de 2023). «ChatGPT in Clinical Toxicology». JMIR Medical Education (em inglês). 9 (1): e46876. PMC 10034604Acessível livremente. PMID 36867743. doi:10.2196/46876Acessível livremente 
  228. Haver, Hana L; Ambinder, Emily B; Bahl, Manisha; Oluyemi, Eniola T; Jeudy, Jean; Yi, Paul H (4 de abril de 2023). «Appropriateness of Breast Cancer Prevention and Screening Recommendations Provided by ChatGPT». Radiology (em inglês). 307 (4). 230424 páginas. ISSN 0033-8419. PMID 37014239 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1148/radiol.230424. Consultado em 5 de maio de 2023. Cópia arquivada em 5 de maio de 2023 
  229. Kotz, Deborah (4 de abril de 2023). «UM School of Medicine Study Finds ChatGPT Helpful for Breast Cancer Screening Advice, With Certain Caveats». University of Maryland School of Medicine. Consultado em 5 de maio de 2023. Arquivado do original em 5 de maio de 2023 
  230. Ayers, John W.; Poliak, Adam; Dredze, Mark; Leas, Eric C.; Zhu, Zechariah; Kelley, Jessica B.; Faix, Dennis J.; Goodman, Aaron M.; Longhurst, Christopher A. (28 de abril de 2023). «Comparing Physician and Artificial Intelligence Chatbot Responses to Patient Questions Posted to a Public Social Media Forum». JAMA Internal Medicine (em inglês). 183 (6): 589–596. ISSN 2168-6106. PMC 10148230Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 37115527 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1001/jamainternmed.2023.1838. Consultado em 2 de maio de 2023. Cópia arquivada em 30 de abril de 2023 
  231. Fox, Andrea (4 de maio de 2023). «Does ChatGPT really outshine doctors? Or just on social media?». Healthcare IT News. HIMSS Media. Consultado em 5 de maio de 2023. Arquivado do original em 4 de maio de 2023 
  232. «The doctor is out, but it's OK. ChatGPT can answer your questions». Hub. Johns Hopkins University. 28 de abril de 2023. Consultado em 5 de maio de 2023. Arquivado do original em 5 de maio de 2023 
  233. Ono, Mika (28 de abril de 2023). «Study Finds ChatGPT Outperforms Physicians in High-Quality, Empathetic Answers to Patient Questions». UC San Diego Today. Consultado em 28 de abril de 2023. Arquivado do original em 28 de abril de 2023 
  234. «ChatGPT Beats Doctors in Compassion and Quality of Advice to Patients». Neuroscience News. 28 de abril de 2023. Consultado em 2 de maio de 2023. Arquivado do original em 3 de maio de 2023 
  235. Howard, Alex; Hope, William; Gerada, Alessandro (abril de 2023). «ChatGPT and antimicrobial advice: the end of the consulting infection doctor?». The Lancet Infectious Diseases. 23 (4): 405–406. ISSN 1473-3099. PMID 36822213. doi:10.1016/s1473-3099(23)00113-5. Consultado em 2 de maio de 2023. Cópia arquivada em 25 de março de 2023 
  236. «Is There a Role for ChatGPT in Healthcare?». Physician's Weekly. 27 de abril de 2023. Consultado em 5 de maio de 2023. Arquivado do original em 5 de maio de 2023 
  237. Drake, Kimberly (6 de abril de 2023). «Rely on a Doctor, Not ChatGPT, for Medical Advice». HealthNews. Consultado em 5 de maio de 2023. Arquivado do original em 5 de maio de 2023 
  238. Gravel, Jocelyn; D’Amours-Gravel, Madeleine; Osmanlliu, Esli (1 de setembro de 2023). «Learning to Fake It: Limited Responses and Fabricated References Provided by ChatGPT for Medical Questions». Mayo Clinic Proceedings: Digital Health (em inglês). 1 (3): 226–234. ISSN 2949-7612. doi:10.1016/j.mcpdig.2023.05.004Acessível livremente 
  239. Hughes, Stephen (27 de abril de 2023). «How good is ChatGPT at diagnosing disease? A doctor puts it through its paces». The Conversation. Consultado em 5 de maio de 2023. Arquivado do original em 4 de maio de 2023 
  240. Patnaik, Sourav S.; Hoffmann, Ulrike (7 de novembro de 2023). «Quantitative evaluation of ChatGPT versus Bard responses to anaesthesia-related queries». British Journal of Anaesthesia. 132 (1): S0007–0912(23)00550–0. ISSN 1471-6771. PMID 37945414 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1016/j.bja.2023.09.030. Consultado em 28 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2024 
  241. Constantino, Annika Kim (5 de dezembro de 2023). «Free ChatGPT may incorrectly answer drug questions, study says». CNBC. Consultado em 5 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2023 
  242. «Study Finds ChatGPT Provides Inaccurate Responses to Drug Questions» (Nota de imprensa). PR Newswire. 5 de dezembro de 2023. Consultado em 5 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2023 
  243. Barile, Joseph; Margolis, Alex; Cason, Grace; Kim, Rachel; Kalash, Saia; Tchaconas, Alexis; Milanaik, Ruth (2 de janeiro de 2024). «Diagnostic Accuracy of a Large Language Model in Pediatric Case Studies». JAMA Pediatrics. 178 (3): 313–315. ISSN 2168-6203. PMC 10762631Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 38165685 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1001/jamapediatrics.2023.5750. Consultado em 18 de fevereiro de 2024. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2024 
  244. Mole, Beth (3 de janeiro de 2024). «ChatGPT bombs test on diagnosing kids' medical cases with 83% error rate». Ars Technica (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2024. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2024 
  245. a b «Bill S.31». malegislature.gov. Consultado em 7 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2023 
  246. a b Annear, Steve (24 de janeiro de 2023). «Two elected officials drafted legislation to regulate artificial intelligence technology — with some help from ChatGPT». The Boston Globe (em inglês). Consultado em 7 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2023 
  247. a b c Garrity, Kelly; Kashinsky, Lisa (13 de julho de 2023). «ChatGPT enters the legislative chat». POLITICO (em inglês). Consultado em 7 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2023 
  248. a b Quach, Katyanna (2 de dezembro de 2023). «Local council in Brazil passes ChatGPT-written proposal». The Register. Consultado em 7 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2023 
  249. «Pakistani judge uses ChatGPT to make court decision». Gulf News. 13 de abril de 2023. Consultado em 20 de abril de 2023. Arquivado do original em 20 de abril de 2023 
  250. «AI revolution is here': Pakistani court takes help from ChatGPT to grant bail in rape case». Pakistan Observer. 11 de abril de 2023. Consultado em 20 de abril de 2023. Arquivado do original em 20 de abril de 2023 
  251. Brodkin, Jon (23 de junho de 2023). «Lawyers have real bad day in court after citing fake cases made up by ChatGPT». Ars Technica (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 26 de janeiro de 2024 
  252. Goswami, Rohan (30 de maio de 2023). «ChatGPT cited 'bogus' cases for a New York federal court filing. The attorneys involved may face sanctions.». CNBC. Consultado em 30 de maio de 2023. Arquivado do original em 30 de maio de 2023 
  253. Neumeister, Larry (8 de junho de 2023). «Lawyers blame ChatGPT for tricking them into citing bogus case law». Associated Press. Consultado em 8 de novembro de 2023. Arquivado do original em 8 de novembro de 2023 
  254. «Mata v. Avianca, Inc.». Casetext. Consultado em 13 de fevereiro de 2024. Arquivado do original em 13 de fevereiro de 2024 
  255. «'Use with caution': How ChatGPT landed this US lawyer and his firm in hot water». ABC News (em inglês). 24 de junho de 2023. Consultado em 9 de novembro de 2023. Arquivado do original em 9 de novembro de 2023 
  256. Jeantet, Diane; Savarese, Mauricio; LeBlanc, Steve; O'Brien, Matt (30 de novembro de 2023). «Brazilian city enacts an ordinance that was secretly written by ChatGPT». AP News (em inglês). Associated Press. Consultado em 7 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2023 
  257. a b Paúl, María Luisa (4 de dezembro de 2023). «A Brazilian city passed a law about water meters. ChatGPT wrote it.». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 7 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2023 
  258. «Lei escrita por inteligência artificial é aprovada por vereadores em Porto Alegre; 'precedente perigoso', diz presidente da Câmara». G1. 29 de novembro de 2023. Consultado em 7 de dezembro de 2023. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2023 
  259. Quach, Katyanna (2 de dezembro de 2023). «Local council in Brazil passes ChatGPT-written proposal». The Register. Consultado em 7 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2023 
  260. Jeantet, Diane; Savarese, Mauricio; LeBlanc, Steve; O'Brien, Matt (30 de novembro de 2023). «Brazilian city enacts an ordinance that was secretly written by ChatGPT». AP News (em inglês). Associated Press. Consultado em 7 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2023 

Ligações externas

Media relacionados com ChatGPT no Wikimedia Commons

Videos:

Em formação

O artigo ChatGPT na Wikipedia portuguesa ocupou os seguintes lugares na classificação local de popularidade:

O conteúdo apresentado do artigo da Wikipedia foi extraído em 2024-07-15 com base em https://pt.wikipedia.org/?curid=7021469