Papa João Paulo II

João Paulo II
Santo da Igreja Católica
264° Papa da Igreja Católica
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Eleição 16 de outubro de 1978
Entronização 22 de outubro de 1978
Fim do pontificado 2 de abril de 2005 (26 anos)
Predecessor João Paulo I
Sucessor Bento XVI
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 1 de novembro de 1946
por Dom Adam Stefan Cardeal Sapieha
Nomeação episcopal 4 de julho de 1958
Ordenação episcopal 28 de setembro de 1958
por Dom Eugeniusz Baziak
Nomeado arcebispo 13 de janeiro de 1964
Cardinalato
Criação 26 de junho de 1967
por Papa Paulo VI
Ordem Cardeal-presbítero
Título São Cesário em Palatio
Brasão
Coat of arms of Karol Józef Wojtyła.svg
Papado
Brasão
Ioannes Paulus IICoAsimple.png
Lema Totus tuus
(Todo teu)
Consistório Consistórios de João Paulo II
Santificação
Beatificação 1 de maio de 2011
Basílica de São Pedro, Roma
por Papa Bento XVI
Canonização 27 de abril de 2014
Basílica de São Pedro, Roma
por Papa Francisco
Veneração por Igreja Católica
Festa litúrgica 22 de outubro
Padroeiro Co-patrono da Jornada Mundial da Juventude, dos jovens
Dados pessoais
Nascimento Wadowice, Pequena Polónia, Polônia
18 de maio de 1920
Morte Vaticano
2 de abril de 2005 (84 anos)
Nacionalidade polaco
Nome nascimento Karol Józef Wojtyła
Progenitores Mãe: Emilia Kaczorowska (1884-1929)
Pai: Karol Wojtyła (1879-1941)
Funções exercidas - Bispo-auxiliar de Cracóvia (1958-1964)
- Arcebispo de Cracóvia (1964-1978)
Assinatura {{{assinatura_alt}}}
Sepultura Basílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Lista de Papas

João Paulo II (em latim: Ioannes Paulus PP. II; em italiano: Giovanni Paolo II; em polonês/polaco: Jan Paweł II), nascido Karol Józef Wojtyła e, desde 2014, São João Paulo II (Wadowice, 18 de maio de 1920 — Vaticano, 2 de abril de 2005), foi o papa e chefe da Igreja Católica de 16 de outubro de 1978 até à data de sua morte. Teve o terceiro maior pontificado documentado da história, liderando por 26 anos, 5 meses e 17 dias, depois dos papas São Pedro, cujo pontificado durou cerca de 37 anos, e Pio IX, que liderou por 31 anos. Foi o único Papa eslavo e polaco até a sua morte, e o primeiro Papa não italiano desde o neerlandês Adriano VI, em 1522.[1]

João Paulo II foi aclamado como um dos líderes mais influentes do século XX.[2] Teve um papel fundamental para o fim do regime comunista na Polónia e talvez em toda a Europa,[3][4][5][6] bem como significante na melhora das relações da Igreja Católica com o judaísmo,[7] Islã,[8][9] Igreja Ortodoxa, religiões orientais e a Comunhão Anglicana.[10] Apesar de ter sido criticado[11] por sua oposição à contracepção e a ordenação de mulheres, bem como o apoio ao Concílio Vaticano II e sua reforma das missas,[12][13] também foi considerado um dos papas mais destacados dos tempos modernos.[1][14]

Foi um dos líderes que mais viajaram na história, tendo visitado 129 países durante o seu pontificado.[5] Sabia se expressar em italiano, francês, alemão, inglês, espanhol, português, ucraniano, russo, servo-croata, esperanto, grego clássico e latim, além do polaco, sua língua materna.[15] Como parte de sua ênfase especial na vocação universal à santidade, beatificou 1345 pessoas e canonizou 483 santos[16][17][18] quantidade maior que todos os seus predecessores juntos pelos cinco séculos passados.[19][20] Em 2 de abril de 2005, morreu devido à sua saúde débil e o agravamento da doença de Parkinson. Em 19 de dezembro de 2009, João Paulo II foi proclamado "Venerável" pelo seu sucessor papal, o Papa Bento XVI.[21] Foi proclamado Beato em 1 de maio de 2011, pelo Papa Bento XVI na Praça de São Pedro no Vaticano.[22] Em 27 de abril de 2014, numa cerimônia inédita presidida pelo Papa Francisco, e com a presença do Papa Emérito Bento XVI, foi declarado Santo juntamente com o Papa João XXIII; sua festa litúrgica celebra-se no dia 22 de outubro.[23]

Início de vida

Emilia e Karol Wojtyła, pais de São João Paulo II
Karol Wojtyła em sua primeira comunhão

Karol Józef Wojtyła ( pronunciação polaca ? · ficheiro) nasceu em Wadowice,[1][12] uma pequena localidade ao sul da Polónia, a 50 quilómetros de Cracóvia;[24] o mais novo dos três filhos de Karol Wojtyła, um polonês[25] e de Emilia Kaczorowska, que é descrita como tendo ascendência lituana[25] e, possivelmente, ucraniana.[26][27] Emília morreu em 13 de abril de 1929, aos 45 anos,[28] quando Karol tinha 8 anos de idade.[29] Sua irmã mais velha, Olga, já tinha morrido antes de seu nascimento, e ele ficou muito próximo de seu irmão Edmund, que era 14 anos mais velho e era chamado de Mundek. O seu trabalho como médico eventualmente o levaria à morte por escarlatina, o que deixou Karol muito abalado.[25][29]

Ainda garoto, Karol demonstrou interesse pelos esportes, geralmente jogando futebol na posição de goleiro.[30] Durante a sua adolescência, ele teve contato com a grande comunidade judaica de Wadowice e os jogos de futebol eram disputados entre os times de judeus e católicos, com Wojtyła muitas vezes jogando ao lado dos judeus.[25][30]

Em meados de 1938, Karol e seu pai deixaram Wadowice e se mudaram para Cracóvia, onde ele se matriculou na Universidade Jaguelônica. Enquanto ele se dedicava ao estudo de tópicos como filologia e diversas línguas na universidade, Karol também se prontificou como voluntário na biblioteca, além de ter sido obrigado a participar no alistamento obrigatório, servindo na chamada "Legião Acadêmica". Contudo, ele se recusou a atirar. Ele ainda participou de diversos grupos teatrais, atuando principalmente como dramaturgo.[31] Foi nesta época que o seu talento para as línguas floresceu e ele aprendeu 12 línguas diferentes, nove das quais ele usaria extensivamente no futuro como papa.[12]

Em 1939, as forças de ocupação da Alemanha Nazista fecharam a Universidade Jaguelônica após a invasão da Polônia no início da Segunda Guerra Mundial.[12] Todos os homens capazes foram obrigados a trabalhar e assim, de 1940 até 1944, Karol trabalhou em empregos tão diversos como mensageiro para um restaurante, operário numa mina de calcário e para a indústria química Solvay, levando-se em conta que a empresa produzia soda cáustica, particularmente importante no período da guerra, Wojtyła recebeu um documento de identidade que o poupou, tudo isso para evitar ser deportado para a Alemanha ou ao longo da frente oriental para realizar trabalhos forçados.[24][31]Yallop 2007, p. 21 Seu pai, um suboficial no Exército da Polônia, morreu de ataque cardíaco em 1941, deixando Karol como o último sobrevivente de seu grupo familiar imediato.[25][28][32] "Eu não estive presente na morte de minha mãe, nem na do meu irmão e nem na do meu pai", ele disse, refletindo sobre esta época de sua vida, quase quarenta anos depois, "Aos vinte, eu já tinha perdido todos os que amava".[32]

Após a morte de seu pai, ele começou a considerar seriamente a ideia do sacerdócio.[33] Em outubro de 1942, ele bateu às portas do palácio arcebispal de Cracóvia e pediu para estudar.[33] Logo em seguida ele começou a ter aulas no seminário clandestino comandado pelo arcebispo de Cracóvia, Adam Stefan Sapieha.[34]

Em 29 de fevereiro de 1944, Karol foi atropelado por um caminhão da Wehrmacht. O oficial alemão da Wehrmacht socorreu-o e o enviou para um hospital, onde Karol passou duas semanas se recuperando de uma concussão séria e um ferimento nos ombros. Para ele, o acidente e a sua sobrevivência foram a confirmação de sua vocação. Em 6 de agosto de 1944, o chamado "Domingo Negro",[35] a Gestapo juntou os homens de Cracóvia para evitar uma rebelião similar[35] à anterior, ocorrida em Varsóvia.[36][37] Karol escapou se escondendo no porão da casa de um tio na rua Tyniecka, número 10, enquanto as tropas alemãs vasculhavam os andares superiores.[33][36][37] Mais de oito mil homens e rapazes foram levados presos naquele dia, mas Karol conseguiu depois escapar para o palácio do arcebispo,[33][35][36] onde ele permaneceria até a retirada dos alemães.[25][33][36]

Na noite de 17 de janeiro de 1945, os alemães fugiram da cidade e os estudantes puderam retomar o então arruinado seminário. Karol e outros seminaristas ofereceram-se para limpar pilhas de imundices congeladas que se acumularam nas latrinas.[38] Karol também ajudou uma garota judia de 14 anos chamada Edith Zierer,[39] que tinha fugido de um campo de trabalho alemão em Częstochowa.[39] Edith havia desmaiado na plataforma de trens e Karol a carregou e ficou com ela durante toda a viagem até Cracóvia.[40] Ela afirma que Karol salvou-lhe a vida naquele dia.[40][41][42] A organização judaica B'nai B'rith afirma que Karol ajudou a proteger muitos outros judeus poloneses dos nazistas, além de ter priorizado a amizade com os judeus.[43]

Sacerdócio

Ao terminar os estudos no seminário de Cracóvia, Karol foi ordenado padre em 1 de novembro de 1946, Dia de Todos os Santos,[28] pelo seu protetor, o arcebispo de Cracóvia Adam Sapieha.[24][44][45] No dia seguinte, o padre Wojtyła celebrou sua primeira missa, na Catedral de Wawel.[46] Ele então foi estudar Teologia em Roma, na Pontifícia Universidade Santo Tomás de Aquino,[44][45] onde ele conseguiu a sua licenciatura e, posteriormente, o seu primeiro doutorado em Teologia,[12] com a tese A Doutrina da Fé segundo São João da Cruz.[47]

Retornou para a Polônia no verão de 1948 com sua primeira tarefa pastoral na vila de Niegowić, a 24 km de Cracóvia. Chegou à vila na época da colheita e a sua primeira ação foi se ajoelhar e beijar o chão.[48] Este gesto, que ele adaptou do santo francês Jean Marie Baptiste Vianney.[48] tornar-se-ia sua "marca registrada" durante o seu papado.[49]

Em março de 1949, Karol foi transferido para a paróquia de São Floriano, em Cracóvia. Ele lecionou Ética na Universidade Jaguelônica e, posteriormente, Universidade Católica de Lublin (hoje rebatizada em sua homenagem). Enquanto lecionava, juntou um grupo de aproximadamente 20 jovens à sua volta que passaram a se chamar de Rodzinka, a "pequena família". Eles se encontravam para rezar, para discutir filosofia e para ajudar os cegos e os doentes. O grupo eventualmente cresceria até ter aproximadamente 200 pessoas e suas atividades se expandiram para incluir viagens anuais para esquiar e para andar de caiaque.[17]

Em 1954 Karol Wojtyła obteve o seu segundo doutorado, em Filosofia,[50] com uma tese avaliando a viabilidade de uma ética católica baseada no sistema ético do fenomenologista Max Scheler. Porém, a intervenção das autoridades comunistas impediu que ele recebesse o grau até 1957.[45]

Durante este período, Wojtyła escreveu uma série de artigos no jornal católico de Cracóvia, Tygodnik Powszechny ("Semanal Universal"), que tratava com os assuntos importantes na época para a Igreja.[51] Ele se focou em criar uma obra literária original durante os primeiros doze anos do sacerdócio. A guerra, a vida sob o comunismo e suas responsabilidades pastorais foram inspiração para as suas peças e sua poesia. Karol publicou trabalhos se utilizando de dois pseudônimos - Andrzej Jawień e Stanisław Andrzej Gruda - para distinguir sua literatura de suas obras religiosas (que eram publicadas sob seu nome) e também para que elas fossem consideradas por seus próprios méritos.[31][51][52] Em 1960, Karol publicou o influente livro teológico Amor e Responsabilidade, uma defesa dos ensinamentos tradicionais da Igreja sobre o amor, moralidade sexual, casamento, ética sexual, entre outros assuntos, a partir de um ponto de vista filosófico, mas baseado na ensinamentos dos Evangelhos.[31][53]

Bispo e cardeal

Genealogia episcopal do Papa João Paulo II”

— * ... ?

Em 4 de julho de 1958,[45] enquanto Karol estava em férias, andando de caiaque nos lagos da região norte da Polônia, o papa Pio XII o elevou à posição de bispo-auxiliar de Cracóvia. Ele foi então convocado a Varsóvia para se encontrar com o primaz da Polônia, o cardeal Wyszyński, que o informou de sua nova função.[54][55] Ele concordou em servir como bispo auxiliar junto ao arcebispo Eugeniusz Baziak, sendo ordenado ao episcopado (como bispo titular de Ombi) em 28 de setembro de 1958. O arcebispo Baziak foi o principal consagrador. Os então bispos auxiliares Bolesław Kominek (futuro cardeal-arcebispo de Wroclaw) e Franciszek Jop (futuro bispo de Opole) foram os principais co-consagradores.[45] Com a idade de 38 anos, Karol se tornara o mais jovem bispo da Polônia. O arcebispo Bakiak viria a morrer em junho de 1962 e, em 16 de julho, Karol Wojtyła foi escolhido como vigário capitular (administrador temporário) da arquidiocese até que um novo arcebispo pudesse ser escolhido.[12][24]

Em outubro de 1962, Karol participou do Concílio Vaticano II (1962-1965),[1][12][24][45] no qual ele contribuiu com dois dos mais importantes e históricos resultados do concílio, o "Decreto sobre a Liberdade Religiosa" (em latim: Dignitatis Humanae) e a "Constituição Pastoral da Igreja no Mundo Moderno" (Gaudium et Spes).[45] Nesse concílio Karol já dava mostras de sua abertura para com o ecumenismo, pois recusava para a Igreja "o papel de monopolizadora da moral".[56]

Ele também participou de todas as reuniões do Sínodo dos Bispos.[12][24] Em 13 de janeiro de 1964, o papa Paulo VI o elevou a arcebispo da Cracóvia.[24] Em 26 de junho de 1967, Paulo VI anunciou a promoção do arcebispo Karol Wojtyła ao Colégio de Cardeais.[1][24][45] Wojtyła foi nomeado cardeal-padre do titulus de San Cesareo in Palatio.[57]

Em 1967, ele foi importante na formulação da encíclica Humanae Vitae, que trata das mesmas questões que impedem o aborto e o controle de natalidade por meios não naturais.[58] Até esse ano, 1967, Karol já tinha publicado mais de 300 ensaios em revistas e livros.[56] Em 1970, de acordo com uma testemunha contemporânea, o cardeal Wojtyła foi contra a distribuição de uma carta nas redondezas de Cracóvia afirmando que o episcopado polonês estava se preparando para comemorar os cinquenta anos da Guerra Soviético-Polonesa (naquela época a Polônia estava então sob jugo soviético).[59]

Um ano antes de ser eleito papa, Wojtyła abriu e consagrou a Igreja de Nossa Senhora Rainha da Polônia, em Nowa Huta, após mais de vinte anos de esforços contra o governo comunista polonês, que negou inúmeras vezes o pedido dos fiéis para a construção de uma igreja naquela região; inicialmente, Karol persistiu para ganhar licenças, mas que com o passar do tempo foram somando em pequenos ganhos, como a ampliação de uma capela improvisada, até que em 1977, Wojtyła consagrou a igreja. Esse templo se tornou um símbolo de luta contra o comunismo, tanto que em 1979, o governo proibiu o então papa de ir àquela igreja. Mas, quatro anos mais tarde, o papa foi até aquele lugar com mais de 300 mil apoiantes.[60]

Eleição para o papado

Ver artigo principal: Conclave de outubro de 1978
O recém-eleito Papa João Paulo II na varanda

Em agosto de 1978, após a morte do Papa Paulo VI, o Cardeal Wojtyła votou no conclave papal que elegeu Papa João Paulo I. João Paulo I morreu após somente 33 dias como Papa, precipitando assim um outro conclave.[24][45][61]

O segundo conclave de 1978 começou em 14 de outubro, 10 dias após o funeral do papa João Paulo I. Foi dividido entre dois fortes candidatos ao papado: Cardeal Giuseppe Siri, o conservador Arcebispo de Gênova, e o liberal Arcebispo de Florença, Cardeal Giovanni Benelli, um colaborador próximo de João Paulo I.[61]

Os defensores da Benelli estavam confiantes de que ele seria eleito, e no início da votação, Benelli estava com nove votos.[61] Entretanto, a magnitude da oposição a ambos significava que possivelmente nenhum deles receberia os votos necessários para ser eleito, e o Cardeal Franz König, Arcebispo de Viena, individualmente sugeriu a seus colegas eleitores um candidato de compromisso: o Cardeal polonês, Karol Józef Wojtyła, que aos 58 anos foi considerado jovem pelos padrões papais.[61] finalmente ganhou a eleição na oitava votação no segundo dia, de acordo com a imprensa italiana, com 99 votos dos 111 eleitores participantes. Em seguida, ele escolheu o nome de João Paulo II[45][61] em homenagem ao seu antecessor, e a tradicional fumaça branca informou a multidão reunida na Praça de São Pedro, que um papa havia sido escolhido.[62] Ele aceitou sua eleição com essas palavras: "Com obediência na fé em Cristo, meu Senhor, e com confiança na Mãe de Cristo e da Igreja, apesar das grandes dificuldades, eu aceito".[63][64] Quando o novo pontífice apareceu na varanda, ele quebrou a tradição, dizendo a multidão reunida:[63]

Queridos irmãos e irmãs, todos estamos ainda tristes com a morte do querido papa João Paulo I. E agora os eminentíssimos Cardeais chamaram um novo Bispo de Roma. Chamaram-no de um país distante... Distante, mas sempre muito próximo pela comunhão na fé e na tradição cristã. Tive medo ao receber esta nomeação, mas o fiz com espírito de obediência a Nosso Senhor e com a confiança total na sua Mãe, a Virgem Santíssima. Não sei se posso expressar-me bem na vossa... na nossa língua italiana. Se eu cometer um erro, por favor ‘Corrijam’ [sic] me...[4][63]

Wojtyła tornou-se o 264 º papa de acordo com a ordem cronológica lista dos Papas e o primeiro papa não italiano em 455 anos.[65] Com apenas 58 anos de idade, ele foi o mais jovem papa eleito desde Pio IX em 1846, que tinha 54 anos.[45] Assim como seu antecessor imediato, João Paulo II dispensou a tradicional coroação papal e, em vez disso, recebeu a investidura eclesiástica que simplificou a cerimônia de posse papal, em 23 de outubro de 1978. Durante a sua posse, quando os cardeais estavam a ajoelhar-se diante dele para tomar seus votos e beijar o Anel do Pescador, ele levantou-se quando o prelado polonês, Cardeal Stefan Wyszyński, ajoelhou-se, interrompeu-o e deu-lhe um abraço.[66]

Brasão e lema

Brasão pontifício de João Paulo II

O brasão de João Paulo II foi criado por Bruno Bernard Heim.[67] Wojtyła solicitou para Heim que seu brasão incluísse uma grande letra M, para significar sua devoção a Maria, Heim disse a ele que letras únicas não eram normalmente permitidas em desenhos heráldicos. O papa insistiu. Heim fez mais algumas pesquisas e encontrou uma tradição da heráldica polonesa que incorporava letras. O M foi incluído para satisfação do novo papa.[68]

O brasão é descrito como contendo um escudo eclesiástico. Campo de azul, com uma cruz latina de jalde adestrada acompanhada de uma letra M do mesmo, no cantão sinistro da ponta.[69] O escudo está assente em tarja branca. O conjunto pousado sobre duas chaves decussadas, a primeira de jalde e a segunda de argente,[69] atadas por um cordão de goles, com os seus pingentes. Timbre: a tiara papal de argente com três coroas de jalde. Sob o escudo, um listel de blau com o mote: "TOTVS TVVS", em letras de jalde. Quando são postos suportes, estes são dois anjos de carnação, sustentando cada um, na mão livre, uma cruz trevolada tripla, de jalde.[69]

A interpretação do escudo obedece às regras heráldicas para os eclesiásticos. O campo de blau representa o firmamento celeste e ainda o manto de Nossa Senhora, sendo que este esmalte significa: justiça, serenidade, fortaleza, boa fama e nobreza. A cruz é o instrumento da salvação de todos os homens e representa Jesus Cristo e, sendo de jalde (ouro), simboliza: nobreza, autoridade, premência, generosidade, ardor e descortínio. A letra M representa a Virgem Maria,[70] que segundo a doutrina católica seria a principal intercessora do gênero humano, e esteve todo o tempo junto à cruz de seu Filho (João 19:25-27),[71] sendo de jalde (ouro), tem o significado já descrito deste metal. Os elementos externos do brasão expressam a jurisdição suprema do papa. As duas chaves decussadas, uma de jalde (ouro) e a outra de argente (prata)[69] são símbolos de poder espiritual e poder temporal. E são uma referência ao poder máximo do Sucessor de Pedro, relatado no Evangelho de São Mateus, que narra que Jesus Cristo disse a Pedro: "Dar-te-ei as chaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado no céu, e tudo o que desligares na terra, será desligado no céu" (Mateus 16:19). Por conseguinte, as chaves são o símbolo típico do poder dado por Cristo a São Pedro e aos seus sucessores.[72]

Quanto a tiara papal usada como timbre, no entanto não há certeza sobre o que as três coroas da Tiara tripla simbolizam, como é evidente, há uma multiplicidade de interpretações que têm sido propostas. Alguns a vinculam à autoridade tripla do papa como "Pastor Universal (tiara superior), Competência Eclesiástica Universal (tiara do centro) e o Poder Temporal (tiara inferior)".[73] No listel o lema "TOTVS TVVS", é uma expressão da imensa confiança do papa na Virgem Maria: "Sou todo teu, Maria", sendo que ele colocou toda a sua vida sacerdotal sob a proteção da Virgem.[70][74]

Pontificado

Diálogo inter-religioso

Encontro dos participantes no quarto Dia Mundial da Oração pela Paz em Assisi, em 27 de outubro de 2011. Esse encontro foi realizado pela primeira vez por João Paulo II em 1986

João Paulo II fez muitos gestos para aproximar a Igreja Católica Romana das outras igrejas cristãs e de outras religiões. Ele fez isso sem comprometer a doutrina católica romana. O papa viajou extensivamente e se encontrou com fiéis das mais diferentes crenças. Ele constantemente tentou encontrar afinidades, doutrinárias e dogmáticas. No Dia da Oração realizado em Assis em 27 de outubro de 1986, mais de 150 representantes de diferentes religiões e denominações cristãs passaram o dia em jejum e oração.[14] Posteriormente o Dia da Oração foi realizado em 1993, quando ocorria a Guerra da Bósnia.[75] Em janeiro de 2002, João Paulo II novamente se reuniu em Assis no Dia da Oração, com a presença de 200 líderes religiosos, das mais diversas religiões. O papa quis reforçar sua mensagem de paz após condenar o terrorismo[76] e os ataques de 11 de setembro, afirmando que a religião não deve ser um motivo de conflito no século XXI.[75]

O papa também escreveu a encíclica Ut Unum Sint, onde aborda a importância de haver um empenho ecumênico. Essa encíclica possui três capítulos, onde o primeiro trata dos princípios fundamentais do compromisso ecumênico católico. No segundo capítulo é destacado o fruto dos diálogos entre os cristãos e menciona os bons resultados obtidos com as Igrejas Orientais. No terceiro e último capítulo é refletido quais caminhos tomar para se conseguir alcançar esse objetivo ecumênico.[77]

Anglicanismo

O Papa João Paulo II tinha boas relações com a Igreja da Inglaterra, chamada por seu predecessor, Paulo VI, como "nossa amada Igreja Irmã". Há pontos em comum entre as duas igrejas, e por anos elas vêm tentando encontrar maneiras de serem mais unidas.[78] A entronização de Wojtyła contou com a presença do arcebispo da Igreja Anglicana, Donald Coggan, que foi o primeiro Arcebispo da Cantuária a estar presente em uma cerimônia desse tipo, desde a Reforma.[79] Ele discursou na Catedral de Cantuária durante a sua visita à Grã Bretanha,[80] e recebeu o Arcebispo de Cantuária de forma amistosa e cortês, em 1982.[80] Porém, ele se desapontou com decisão da Igreja da Inglaterra, de oferecer o sacramento das Ordens Sagradas às mulheres, e viu nisto um passo contra a reunião entre a Comunhão Anglicana e a Igreja Católica.[78]

Clifford Longley, um experiente comentarista religioso, escreveu no The Guardian que o Papa: "Não era intolerante com as outras religiões e credos, sempre disposto a visitar dignitários anglicanos ou ortodoxos".[78] João Paulo II fez históricos esforços ecumênicos com a Comunhão Anglicana, e apoiou o estabelecimento da Igreja Católica de Nossa Senhora da Expiação (Uso Anglicano), em cooperação com o Arcebispo Patrick Flores de San Antonio, Texas, nos Estados Unidos.[81]

Em 1980, João Paulo II emitiu uma Provisão Pastoral, permitindo que padres anglicanos convertidos casados, se tornassem sacerdotes católicos e que as antigas paróquias episcopais fossem aceitas na Igreja Católica. Ele permitiu a criação do uso anglicano no rito romano, que incorpora o Livro de Oração Comum anglicano, como resultado de uma proposta dos bispos para desenvolver termos para que ex-clérigos anglicanos e outros membros da Igreja Anglicana poderiam ser admitidos à comunhão plena na Igreja Católica, mantendo alguns elementos da sua liturgia, tradição e vida devocional.[81]

Quando João Paulo II visitou o Reino Unido, em 1982, ele fez a primeira visita papal desde a Reforma, ou seja, mais de 450 anos. Nessa visita o papa foi recebido por Isabel II do Reino Unido,[82] que é a Governadora Suprema da Igreja de Inglaterra.[83] Em 1980, a rainha já tinha feito uma visita ao Vaticano.[82]

Luteranismo

Em 15-19 de novembro de 1980, João Paulo II visitou a Alemanha Ocidental,[84] em sua primeira visita a um país com uma grande população luterana. Em Mogúncia, ele se encontrou com líderes luteranos e de outras denominações protestantes, além de outras denominações cristãs.[85]

Em 11 de dezembro de 1983, ele participou de um culto ecumênico na Igreja Evangélica Luterana em Roma.[86] A visita de João Paulo nessa igreja foi realizada no ano do 500° aniversário do nascimento de Martinho Lutero. Essa visita aconteceu por meio de um convite espontâneo no ano de 1982 por um membro do conselho da igreja luterana.[87] Nesse encontro João Paulo II exortou o Cardeal Johannes Willebrands para continuar o diálogo ecumênico em busca da restauração da unidade cristã e ofereceu uma oração especial e bênção para este trabalho.[88]

Em sua peregrinação apostólica à Noruega, Islândia, Finlândia, Dinamarca e Suécia entre 1 e 10 de junho de 1989,[89] João Paulo II se tornou o primeiro papa a visitar países majoritariamente luteranos. Além de celebrar missas com fiéis católicos, ele participou de serviços ecumênicos em lugares que haviam sido igrejas católicas antes da reforma luterana, no século XVI, como a Catedral de Nidaros, na Noruega, próximo da Igreja de Santo Olavo, em Thingvellir, na Islândia, a Catedral de Turku na Finlândia, a Catedral de Roskilde, na Dinamarca e a Catedral de Uppsala, na Suécia.[90]

Em 31 de outubro de 1999 (o 482º aniversário do Dia da Reforma, o dia em que Lutero pregou as 95 Teses), representantes do Vaticano e da Lutheran World Federation (LWF) assinaram a Declaração Conjunta Sobre a Doutrina da Justificação como um gesto de unidade. A assinatura foi fruto do diálogo teológico que vinha ocorrendo entre a LWF e o Vaticano desde 1965.[91] Cinco anos após a assinatura da declaração e ao receber os membros da Delegação Ecumênica da Finlândia o papa disse: "Nesta Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, desejo expressar minha gratidão pelo progresso ecumênico realizado entre católicos e luteranos nos cinco anos transcritos desde a assinatura da Declaração conjunta da doutrina da justificação".[92]

Judaísmo

Ver artigo principal: João Paulo II e o judaísmo

As relações entre o catolicismo e o judaísmo melhoraram durante o pontificado de João Paulo II.[93] Ele falou com frequência sobre a relação da Igreja com os judeus.[11]

Em 1979, João Paulo II tornou-se o primeiro papa a visitar o campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, onde muitos de seus compatriotas (majoritariamente judeus poloneses) haviam perecido durante a ocupação alemã da Polônia na Segunda Guerra Mundial. Em 1998, o papa publicou "Nós Lembramos: Uma Reflexão sobre a Shoah", que delineou seu pensamento sobre o Holocausto.[94] Ele se tornou o primeiro papa a fazer uma visita papal oficial a uma sinagoga, quando ele visitou a Grande Sinagoga de Roma em 13 de abril de 1986.[7][14]

Em 1994, João Paulo II estabeleceu relações diplomáticas formais entre a Santa Sé e o Estado de Israel, reconhecendo sua importância central na vida e fé judaicas.[7][95] Em honra a este evento, o papa João Paulo II patrocinou o "Concerto Papal para Comemoração do Holocausto". Este concerto, que foi concebido e conduzido pelo maestro norte-americano Gilbert Levine, contou com a presença de Elio Toaff, o Rabino principal de Roma, do presidente da Itália Oscar Luigi Scalfaro e de sobreviventes do Holocausto vindos do mundo inteiro.[96][97]

Em março de 2000, João Paulo II visitou o memorial de Yad Vashem, um monumento nacional israelense em honra às vítimas e heróis do Holocausto, e depois entrou para a história ao tocar um dos mais sagrados objetos de devoção do Judaísmo, o Muro das Lamentações,[93] seguindo o costume de colocar uma carta entre as frestas de seus tijolos, na qual ele pediu perdão pelas perseguições contra os judeus.[7][93][98][99] Em parte do seu discurso, ele disse: "Eu asseguro o povo judeu que a Igreja Católica... está profundamente entristecida pelo ódio, atos de perseguição e mostras de antissemitismo dirigidas contra os judeus pelos cristãos, a qualquer tempo, em qualquer lugar" e acrescentou que "não há palavras fortes o suficiente para deplorar a terrível tragédia do Holocausto".[7][93][98][99] O ministro israelense, rabino Michael Melchior, que foi o anfitrião do papa durante a visita, disse que estava "muito comovido" pelo gesto do papa.[93][98]

Em outubro de 2003, Liga Anti-Difamação emitiu um comunicado congratulando João Paulo II por seu vigésimo-quinto ano de papado.[95] Em janeiro de 2005, João Paulo II se tornou o primeiro papa a receber a benção sacerdotal de um rabino, quando Benjamin Blech, Barry Dov Schwartz e Jack Bemporad visitaram o pontífice no Sala Clementina do Palácio Apostólico.[100][101]

Imediatamente após a morte de João Paulo II, a ADL emitiu um comunicado afirmando que o papa João Paulo II havia revolucionado as relações entre católicos e judeus e que "mais mudanças para melhor haviam ocorrido em seus vinte e sete anos de papado do que nos quase 2000 anos anteriores".[102] Em outro comunicado, emitido pelo diretor do conselho para assuntos australianos, israelenses e judaicos de Israel, o dr. Colin Rubenstein, afirmou que "O papa será lembrado por sua inspiradora lembrança espiritual em prol da causa da liberdade e da humanidade. Ele conseguiu muito mais em termos de transformar as relações tanto com o povo judeu quanto com o Estado de Israel do que qualquer outra figura na história da Igreja Católica".[7]

Igreja Ortodoxa

Em maio de 1999, João Paulo II visitou a Romênia, a convite do patriarca Teoctist Arăpaşu, da Igreja Ortodoxa Romena. Foi a primeira vez que um papa visitou um país predominantemente ortodoxo desde o Grande Cisma em 1054.[103] Quando ele chegou, o patriarca e o presidente da Romênia, Emil Constantinescu, receberam o papa.[103] O patriarca depois afirmou: "O segundo milênio da história cristã começou com uma dolorosa chaga na unidade da Igreja; o fim deste milênio assiste agora a um real compromisso de restaurar a unidade cristã".[103]

João Paulo II visitou outro país fortemente ortodoxo na região, a Ucrânia, entre 23 e 27 de junho de 2001, a convite do presidente da Ucrânia e dos bispos da Igreja Católica Grega da Ucrânica.[104] O papa falou aos líderes do "Concílio Geral das Igrejas e Organizações Religiosas Ucraniano", rogando por "um diálogo aberto, tolerante e honesto".[104] Por volta de 200 mil pessoas compareceram às cerimônias litúrgicas celebradas pelo papa em Kiev e a liturgia em Lviv juntou quase um milhão e meio de fiéis.[104] João Paulo II afirmou que terminar com o Grande Cisma era um dos seus mais queridos desejos.[104] Por muitos anos, João Paulo II tentou facilitar o diálogo e a unidade, afirmando em 1988, na carta apostólica Euntes in Mundum, que "Imitando o meu Predecessor Pio XII, de venerável memória, o qual houve por bem celebrar solenemente o 950° aniversário do Baptismo da Rus', desejo, com esta Carta, exprimir louvor e gratidão a Deus inefável, Pai, Filho e Espírito Santo, por ter chamado à graça os filhos e as filhas de muitos povos e nações, que acolheram a herança cristã do Batismo administrado em Kiev".[105]

Durante as suas viagens de 2001, João Paulo II se tornou o primeiro papa a visitar a Grécia em 1291 anos.[106][107] Em Atenas, o papa se encontrou com Cristódulo de Atenas, o arcebispo líder da Igreja Ortodoxa Grega. Após um encontro privado de 30 minutos, os dois falaram ao público. Cristódulo leu uma lista de "13 ofensas" da Igreja Católica contra a Igreja Ortodoxa desde o Grande Cisma, incluindo o saque de Constantinopla pelos cruzados (1204), e reclamou pela falta de um pedido de desculpas da Igreja Católica Romana, afirmando "Até agora, não se conhecia um único pedido de perdão" pelos "cruzados maníacos do século XIII".[106]

O papa respondeu dizendo "Pelas vezes, passadas e presentes, quando filhos e filhas da Igreja Católica pecaram, por ação ou omissão, contra nossos irmãos e irmãs ortodoxos, que o Senhor nos conceda o perdão", ao que Cristódulo imediatamente aplaudiu. João Paulo II disse que o saque de Constantinopla era a causa de um "profundo pesar" para os católicos. Posteriormente, João Paulo e Cristódulo se encontraram no lugar onde São Paulo um dia pregara para os cristão atenienses. Ali, eles emitiram um "comunicado conjunto", dizendo "Faremos tudo o que estiver em nosso poder para que as raízes cristãs da Europa e a sua alma cristã seja preservada.(...) Nós condenamos todos os recursos à violência, ao proselitismo e ao fanatismo em nome da religião". Os dois líderes então rezaram o Pai Nosso juntos, quebrando um antigo tabu ortodoxo contra rezar juntamente com católicos.[106]

O papa sempre afirmou, por todo o seu pontificado, que um dos seus grandes sonhos era visitar a Rússia, mas isso jamais ocorreu. Ele tentou resolver os problemas que surgiram durante a história entre a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa Russa, como quando ele determinou a devolução à Igreja Ortodoxa Russa do ícone de "Nossa Senhora de Cazã", a "Teótoco" e sempre Virgem Maria. No dia 28 de agosto de 2004, a "Solenidade da gloriosíssima Dormição da Teótoco", delegação representativa da Igreja Católica, chefiada pelo cardeal Walter Kasper, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, entregou o ícone, depois de um solene ofício na Catedral da Dormição, no Kremlim, em Moscovo, em que participaram numerosos fiéis.[108][109][110] No mesmo ano, o papa devolveu as relíquias de dois primeiros santos cristãos a Bartolomeu I, patriarca de Constantinopla. Também em 2004, o Vaticano e a Igreja Ortodoxa Russa concordaram em criar um grupo de trabalho conjunto para tentar melhorar as relações.[14]

Budismo

Ainda na época em que Wojtyła era arcebispo de Cracóvia, Wojtyła realizou missas especiais para rezar pela luta não violenta do povo tibetano pela liberdade na China.[111] O décimo-quarto Dalai Lama, Tenzin Gyatso, visitou o papa João Paulo II oito vezes, mais do que qualquer outro dignitário. Ambos compartilhavam visões similares e compreendiam o sofrimento do outro, ambos vindos de países afetados pelo comunismo e sendo grandes líderes de grandes religiões.[112][113]

Um dos encontros mais importantes com o Dalai Lama aconteceu na cidade italiana de Assis, em 1986, juntamente com outros líderes religiosos de diferentes denominações religiosas, como o rabino-chefe de Roma, bispos ortodoxos, monges budistas, líderes muçulmanos, índios americanos, que se encontraram para rezar pela paz no mundo.[114] Como Arcebispo de Cracóvia, já sendo uma figura famosa antes do 14 º Dalai Lama, Wojtyła realizou missas especiais para rezar pela luta não violenta do povo tibetano pela liberdade da China Maoísta.[111] Tenzin Gyatso, o 14 º Dalai Lama, visitou o Papa João Paulo II, oito vezes mais do que qualquer outro chefe de estado. O Papa e o Dalai Lama apresentam muitos pontos de vista semelhantes e possuem inimigos semelhantes, ambos vieram de nações atingidas pelo comunismo e ambos serviram como chefes de grandes organizações religiosas.[112][113] Durante sua visita em 1995 ao Sri Lanka, um país onde a maioria da população segue o Budismo Theravada, o Papa João Paulo II expressou sua admiração pela religião budista:

Em particular, eu expresso minha mais alta consideração para com os seguidores do budismo, a religião que é majoritária no Sri Lanka, com a seus ... quatro grandes valores de... bondade, compaixão, alegria altruísta e equanimidade; com suas dez virtudes transcendentais e as alegrias de Sangha, expressas tão bem nas Theragathas. Desejo ardentemente que a minha visita sirva para reforçar a boa vontade entre nós, e que venha a tranquilizar todos do desejos da Igreja Católica para o diálogo inter-religioso e colaboração na construção de um mundo mais justo e fraterno. Para todos que eu estender a mão da amizade, recordando as palavras esplêndidas do Dhammapada: 'Melhor do que mil palavras inúteis é uma única palavra que dá paz' ..."[115]

Quando João Paulo II morreu em 2005, Gyatso enviou uma mensagem de condolências, dizia que o papa era uma pessoa que ele tinha alta consideração e continua dizendo que tem "profundo apreço pela missão do Papa em trazer a paz ao mundo". Gyatso também declarou do incentivo que recebeu do Papa onde na mensagem ele disse: "Desde o início da nossa amizade, ele me revelou confidencialmente que ele tinha uma compreensão clara do problema tibetano por causa de sua própria experiência do comunismo na Polônia. Isso me deu grande incentivo pessoal".[112]

Islã

João Paulo II foi o primeiro papa a entrar e rezar em uma mesquita, visitou o túmulo de São João Batista em Damasco, na Mesquita dos Omíadas.

O papa João Paulo II fez consideráveis esforços para melhorar as relações entre o catolicismo e o islamismo.[116] Suas ações foram reconhecidas como importantes na abertura ao diálogo ecumênico entre as duas religiões.[117]

Em 6 de maio de 2001, o papa João Paulo II se tornou o primeiro papa católico da história a entrar e rezar numa mesquita. Respeitosamente removendo os seus sapatos, ele entrou na Mesquita dos Omíadas, uma antiga igreja cristã bizantina dedicada a São João Batista (que, acredita-se, está enterrado lá), em Damasco, na Síria, e ali deu um discurso que incluiu a seguinte afirmação: "Por todas as vezes que os cristãos e os muçulmanos se ofenderam entre si, precisamos buscar o perdão do Todo Poderoso e oferecer uns aos outros o perdão".[8][9] Ele beijou o Corão nesta mesma viagem,[118][119][120] um ato que o tornou popular entre os muçulmanos, mas que perturbou muitos católicos.[118][119] O papa também praticou o jejum ao último dia do Ramadã.[117]

Posteriormente o Patriarca Caldeu da Igreja Católica Caldeia Rafael I Bidawid que estava no momento em que o papa beijou o Corão disse em uma entrevista que: "No final da audiência, o Papa fez uma reverência para o livro sagrado dos muçulmanos, o Corão, que lhe foi apresentado pela delegação, e ele beijou-a como um sinal de respeito. A foto desse gesto foi mostrado repetidamente na televisão iraquiana e demonstra que o Papa não é apenas consciente do sofrimento do povo iraquiano, ele também tem um grande respeito pelo Islã".[119]

Em 2004, João Paulo II patrocinou o "Concerto Papal pela Reconciliação", que reuniu líderes do Islã com líderes da comunidade judaica e da Igreja Católica no Palácio Apostólico, no Vaticano, para um concerto do Coro Filarmônico de Cracóvia, da Polônia, do Coro Filarmônico de Londres, do Reino Unido, da Orquestra Sinfônica de Pittsburgh, dos Estados Unidos, e do Coro Polifônico Estatal de Ancara, da Turquia. John Harbison, um dos compositores mais importantes da América, foi contratado para escrever a obra "Abraão", baseado no texto de Gênesis que foi usada para abrir o concerto. O evento foi concebido e dirigido por Sir Gilbert Levine, OSGM, e foi transmitido para o mundo inteiro.[121][122][123][124]

João Paulo II supervisionou a publicação do Catecismo da Igreja Católica onde faz uma provisão especial para os muçulmanos; onde está escrito, "O plano de salvação também inclui aqueles que reconhecem o Criador, o que inclui os muçulmanos; estes professam ter a fé de Abraão, e junto conosco, eles adoram a um Deus misericordioso, juiz dos homens no último dia".[125]

Outras religiões

O papa e Sri Chinmoy, líder espiritual de origem indiana

Quanto ao hinduísmo, em 1980 e em 1985, o papa fez um pronunciamento para as comunidades hindus no Quênia, onde ele relembrou a declaração "Nostra aetate" do Concílio Vaticano II, que "manifesta a atitude fraterna de toda a Igreja católica com as religiões não cristãs".[126][127] João Paulo II fez duas visitas a Índia, um país predominantemente hindu,[128] sendo a primeira vez em 1986, nessa viagem conheceu líderes dessa religião,[129] nessa viagem também conheceu Madre Teresa de Calcutá, fundadora da congregação Missionárias da Caridade, sendo que o papa ajudou a alimentar os pobres e moribundos.[130] Na mesma viagem o papa também se reuniu com líderes da Igreja Ortodoxa Siríaca Malankara.[131] Em 1995, o papa realizou um encontro inter-religioso com líderes hindus e muçulmanos do Sri Lanka, com o intuito de manter "o diálogo e da cooperação com os membros de outras religiões".[132] Na viagem segunda viagem a Índia, em 1999, o papa deixou uma coroa de flores para o líder pacifista hindu Mahatma Gandhi.[133]

Em 1985, o papa visitou o Togo, onde 60 por cento da população defende crenças animistas. Para homenagear o papa, os líderes religiosos animistas o conheceram em um santuário católico mariano na floresta, esses foram cumprimentado pelo pontífice. João Paulo II passou a chamar a atenção para a necessidade de tolerância religiosa, elogiou o animismo e enfatizou elementos comuns entre animismo e cristianismo.[134]

Em 1995, o Papa João Paulo II realizou uma reunião com 21 jainistas, uma denominação que se separou da corrente principal do hinduísmo, esse encontro foi organizado pelo Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-Religioso. Ele elogiou Mahatma Gandhi por sua "fé inabalável em Deus", assegurou os jainistas que a Igreja Católica continuará a dialogar com essa religião e falou da necessidade comum para ajudar os pobres. A reunião recebido muita atenção no estado de Gujarate, onde vivem muitos jainistas.[135]

João Paulo II teve boas relações com a Igreja Apostólica Armênia. Em 1996, ele aproximou a Igreja Católica e com a Igreja Armênia após entrar em consenso com arcebispo armênio Karekin II sobre a natureza de Cristo.[136] Durante uma audiência em 2000, João Paulo II e Karekin II, até então chefe da Igreja Apostólica Armênia, emitiram uma declaração conjunta condenando o genocídio armênio. Enquanto isso, o papa deu a Karekin II as relíquias de São Gregório, o primeiro chefe da Igreja Apostólica Armênia que tinham sido mantidos em Nápoles, Itália, há 500 anos.[137] Em setembro de 2001, João Paulo II fez uma peregrinação de três dias à Armênia para participar de uma celebração ecumênica com Karekin II no recém-consagrada Catedral de São Gregório, o Iluminador, em Ierevan. Os dois líderes da Igreja assinaram uma declaração recordando as vítimas do genocídio armênio.[138]

Diplomacia

Conflito entre Chile e Argentina

Ver artigo principal: Conflito de Beagle
Presidentes Cristina Fernández e Michelle Bachelet com o Papa Bento XVI, em 2009 comemorando os 30 anos da mediação papal

A mediação pontifícia de João Paulo II no final de 1978, dois meses depois do início de seu pontificado, permitiu que Chile e Argentina chegassem a um acordo no conflito sobre os seus limites territoriais na região austral (Canal de Beagle), a disputa era pelo domínios das Ilhas Picton, Lennox e Nueva.[139] As várias negociações e tratados bilaterais, especificamente, sobre o Canal de Beagle e região, não conseguiram solucionar a pendência de soberania. A região é estratégica, além de constituir ponto estratégico de controle da navegação entre o oceano Atlântico e o oceano Pacífico.[140]

O conflito chegou a um nível extremo de tensão no início de dezembro de 1978, durante os governos militares de Pinochet (Chile) e Videla (Argentina), na iminência de uma guerra entre os dois países, chegando ao ponto de que argentinos já estavam colocando em curso uma ação militar chamada "Operação Soberana", para ocupar as ilhas e o Chile continental se necessário. As forças militares estavam em marcha na noite do 21 de dezembro de 1978. O 4º Batalhão de Infantaria da Marinha devia desembarcar nas ilhas às quatro da madrugada do 22 de dezembro. No entanto, foi abortada algumas horas antes, quando a Junta Militar argentina resolveu aceitar a mediação papal.[141]

Para evitar a solução do litígio pela guerra, as partes resolveram recorrer à Mediação da Santa Sé, através do Papa João Paulo II. Nesse sentido, a chamada Acta de Puerto Montt, assinada entre a Argentina e o Chile, em 20 de fevereiro de 1978, elegia unanimemente o Papa como mediador da disputa em apreço.[140] O Papa interveio com a modalidade pacífica internacional de controvérsias, em primeiro lugar, pelos Bons Ofícios, e em segundo lugar, pela Mediação.[140]

Em 22 de dezembro de 1978 o Papa comunicou oficialmente que enviaria um representante pessoal, o cardeal italiano Antonio Samorè, para mediar as negociações entre os dois governos.[142] Com a mediação formal de João Paulo II através de seu representante, os dois países assinaram em 8 de janeiro de 1979, os Acordos de Montevidéu, no Palácio Taranco, naquela cidade uruguaia.[139]

O Cardeal Samorè, articulador das negociações, não chegaria a ver o desfecho pelo qual se dedicou, pois viria a falecer em 3 de fevereiro de 1983.[143] O desfecho final para o fim do conflito ocorreu em 29 de novembro de 1984, com a assinatura do Tratado de Paz e Amizade diante do papa, na Capela Paulina (Vaticano). No dia seguinte, João Paulo II discursou na Santa Sé para as delegações da Argentina e do Chile.[144]

Quase trinta anos depois, em dezembro de 2008, foi iniciada a construção, na cidade de Monte Aymond, fronteira entre Argentina e Chile, de um monumento em homenagem a João Paulo II e sua dedicação pela paz e integração das nações. Naquela ocasião, o então Papa Bento XVI enviou uma mensagem alusiva à homenagem, às presidentes do Chile, Michelle Bachelet, e da Argentina, Cristina Kirchner.[139] Segundo a presidente Bachelet, a mediação do Papa representou também o início de uma "etapa histórica na relação e cooperação entre os dois países".[139]

Durante o período destas negociações, ocorreu também o conflito conhecido como Guerra das Malvinas, entre Argentina e Grã-Bretanha, entre abril e junho de 1982. Este conflito também teve a intervenção de João Paulo II, que realizou viagens apostólicas à Grã-Bretanha, em maio e à Argentina, em junho, buscando acordos de paz. Em carta dirigida aos fiéis chilenos, por ocasião de um encontro com bispos daquele país durante sua viagem apostólica à Argentina, o Papa deixa claro que naquele momento gostaria de estar junto aos fiéis, mas está impossibilitado diante de seus compromissos em ambos os conflitos.[145]

Relações com Cuba

Durante a sua visita a Cuba, em Janeiro de 1998, que marcou o fim de 39 anos de relações tensas entre a Igreja Católica e o regime de Fidel Castro, condenou o embargo econômico dos Estados Unidos ao país, além de que antes de sua visita, em 1997, foi instituído o Natal, em Cuba, declarado a partir de então feriado nacional, isso aconteceu como resultado da visita papal que iria acontecer no mês seguinte. Nessa visita o Papa ressaltou a importância do respeito aos direitos humanos, a liberdade de expressão, do direito de participar de um debate público de forma igualitária, da liberdade religiosa, também, fez uma solicitação de que fossem libertados os presos políticos, ação que foi colocada em curso quando foram libertados mais de duzentos presos políticos, no mês seguinte a visita do Papa.[146]

A visita do papa serviu para amenizar as relações entre o Vaticano e Cuba, pois anteriormente Fidel Castro já havia sido excomungado pelo papa João XXIII por suas ações em relação ao catolicismo, em que pode-se citar o fechamento de escolas religiosas, expulsão de sacerdotes. Após a visita papa, Fidel, além da instituição do Natal também suspendeu a proibição de procissões públicas e foi autorizada a entrada de sacerdotes e religiosos ao país.[147] João Paulo II é reconhecido como aquele que conseguiu acabar com quase meio século de tensão entre a Igreja Católica e o regime cubano.[148]

Em 2003, por intermédio do cardeal Angelo Sodano, enviou uma carta a Fidel Castro criticando "as duras penas impostas a numerosos cidadãos cubanos e, também as condenações à pena capital", na mesma carta é dito que o papa pediu clemência para os condenados.[149]

Em 2014, Cuba autorizou a construção de templos católicos após mais de 55 anos de proibição da construção de novas igreja católicas.[150] João Paulo II foi homenageado com uma igreja que foi construída em Cuba e que carrega o seu nome.[148]

Papel no colapso das ditaduras

Chile
João Paulo II durante sua viagem ao Chile em 1987

Alguns observadores da história chilena acreditam que a visita de seis dias do Papa ao Chile, entre 1 e 6 de abril de 1987,[151] período em que ele visitou Santiago, Viña del Mar, Valparaíso, Temuco, Punta Arenas, Puerto Montt e Antofagasta, foi uma das razões que levaram o então ditador Augusto Pinochet (1915-2006) a convocar as eleições no país em 1988.[152]

Antes da peregrinação de João Paulo II pela América Latina, em entrevista com jornalistas durante o voo, ele classificou o regime de Pinochet como "ditatorial". Nas palavras do New York Times, o Papa "usou uma linguagem excepcionalmente forte" para criticar Pinochet e afirmou aos jornalistas que a Igreja no Chile não deveria apenas orar, mas lutar ativamente para a restauração da democracia no país.[153]

Após ter cumprido uma visita apostólica oficial por cerca de 24 horas no Uruguai, o Papa chegou ao Chile no dia 1 de abril, no Aeroporto Internacional de Santiago, onde ocorreu a cerimônia de boas vindas, com a presença de Pinochet e diversas autoridades civis, militares e eclesiásticas:

Minha mensagem é dirigida igualmente a todos os chilenos, é uma mensagem pascal. Portanto, é uma mensagem de vida: a vida em Cristo, presente na Sua Igreja, também na Igreja do Chile, para promover no mundo a vitória do bem sobre o mal, do amor sobre o ódio, da unidade sobre a rivalidade, da generosidade sobre o egoísmo, da paz sobre a violência, da convivência sobre a luta, da justiça sobre a injustiça, da verdade sobre a mentira: em uma palavra, a vitória do perdão, da misericórdia e da reconciliação".[154]

Durante sua visita, após diversos encontros particulares com Pinochet, com violentas manifestações dos chilenos por liberdade e justiça, o Papa pediu aos bispos católicos chilenos que apoiassem os movimentos por eleições livres no país. Discursando em uma conferência para 31 bispos católicos, no segundo dia da visita, o pontífice declarou que todas as pessoas, em qualquer lugar, têm o direito de participar da vida política e eleger seus líderes. Ele admitiu que eram animadoras algumas iniciativas recentes por parte do governo, como a legalização de alguns partidos políticos e o cadastramento eleitoral.[155]

De acordo com o biógrafo do Papa, o escritor George Weigel, João Paulo II manteve um encontro com Pinochet durante o qual abordou o tema sobre o retorno da democracia. João Paulo II teria incitado Pinochet a aceitar uma abertura democrática do regime.[156] Em 2007, o cardeal Stanisław Dziwisz, secretário do Papa, confirmou que, durante sua visita a Pinochet, João Paulo II pediu que ele renunciasse e entregasse o poder as autoridades civis.[152] De acordo com o Monsenhor Sławomir Oder, postulador da beatificação de João Paulo II, as palavras do Papa tiveram um profundo impacto no ditador chileno. João Paulo II confidenciou a um amigo: "Recebi uma carta de Pinochet na qual ele me dizia que, como um católico, tinha ouvido minhas palavras, as aceitado e decidido iniciar o processo de transição de poder no seus país".[157]

Nesse período da visita, João Paulo II apoiou o Vicariato da Solidariedade, uma entidade da igreja a favor da democracia e contra o sistema ditatorial de Pinochet. João Paulo II visitou o escritório do Vicariato da Solidariedade, conversou com os funcionários e os convidou a continuar seu trabalho, enfatizando que “o Evangelho convida sempre ao respeito pelos direitos humanos".[158]

João Paulo II discursando aos acadêmicos da Pontifícia Universidade Católica do Chile.

No Chile, o Papa deu sinais públicos de apoio à oposição democrática anti-Pinochet do Chile. Por exemplo, ele abraçou e beijou Carmen Gloria Quintana, uma jovem estudante queimada viva pela polícia chilena.[159] Em uma missa que ele celebrou cerca de um milhão de pessoas estiveram presentes e houve protestos pró-democracia e também confronto com a polícia, que dispararam tiros, usaram canhões d'água e gás lacrimogênio para reprimir os manifestantes. Depois da missa ele se reuniu com os principais líderes de direita e da oposição do Chile. Ele exortou-os a rejeitar a violência e disse que eles deveriam se unir e trabalhar juntos.[159]

A oposição elogiou João Paulo II por denunciar Pinochet como um "ditador". Muitos membros da oposição do Chile foram perseguidos por declarações muito mais suaves. O Bispo Carlos Camus, um dos críticos mais duros da ditadura de Pinochet dentro da Igreja chilena, elogiou a postura de João Paulo II durante a visita papal: "Estou bastante emocionado, porque o nosso pastor nos apoia totalmente, nunca mais ninguém vai poder dizer que estamos interferindo na política, quando defendemos a dignidade humana". Ele acrescentou: "Nenhum país visitado pelo Papa foi o mesmo depois de sua partida. A visita do Papa é uma missão, um catecismo social extraordinário e sua estada aqui será um divisor de águas na história do Chile". O jornal The New York Times relatou na época que a visita papal "teve um impacto político de longo alcance em um país polarizado pela regra de 13 anos dura do general Augusto Pinochet". O papa também apoiou a Igreja Católica local e organizações filiadas, que sofreram o ataque do governo no passado por adotarem a ideologia pró-democrática.[160]

Devido à posição contrária de João Paulo II ao regime do ditador chileno, uma das exigências do Papa no encontro com Pinochet, foi de que os dois não aparecessem juntos publicamente, o que poderia ser entendido como apoio do pontífice ao ditador. Porém em um dado momento da visita ao Palácio Presidencial o Papa foi surpreendido ao ser solicitado que aguardasse próximo a uma cortina, que, de súbito, se abriu e Wojtyła apareceu numa sacada aberta, com vista para uma praça lotada. Na época o episódio foi amplamente abordado pela opinião pública que até então desconhecia o artifício utilizado pelo governante chileno e injustamente acusou o Papa de compactuar com o regime ditatorial.[161]

No que foi interpretado como um esforço para combater o dano das declarações do papa, o governo convocou milhares de apoiantes de Pinochet e funcionários do governo para a Praça da Constituição, um evento que originalmente não possuía programação oficial. Depois disso, a rede de televisão do governo, que transmitiu o comício, descreveu reunião do General Pinochet com o Papa como "muito cordial". Também foi dito que os dois concordaram que "a mensagem de concórdia deve prevalecer sobre as forças do ódio". Essa caracterização foi consistente com a ênfase dada pelo governo sobre o papel do papa como "um mensageiro da paz". A igreja e a oposição, por outro lado, descrevem o papa como "um mensageiro de vida", sublinhando assim a sua mensagem de direitos humanos.[160]

Haiti

O Papa João Paulo II visitou o Haiti em 9 de março de 1983. Na época o país caribenho era governado por Jean-Claude "Baby Doc" Duvalier. Durante a sua peregrinação ao Haiti, O Papa João Paulo II criticou a pobreza do país em uma homilia, dirigindo-se diretamente a Baby Doc e sua esposa, Michèle Bennett na frente de uma grande multidão de haitianos: "O seu país é belo, rico em recursos humanos, mas os cristãos não podem ignorar a injustiça, a desigualdade excessiva, a degradação da qualidade de vida, a miséria, a fome, o medo sofrido pela maioria das pessoas".[162]

João Paulo II falou em francês e, ocasionalmente, em crioulo, e na homilia salientou os direitos humanos básicos que a maioria dos haitianos não tinham: "a oportunidade de comer o suficiente, de atendido quando doente, para encontrar moradia, para estudar, para superar o analfabetismo, para encontrar trabalho que valha a pena e que pague devidamente; tudo o que proporciona uma vida verdadeiramente humana para homens e mulheres, para jovens e idosos." Após peregrinação de João Paulo II, a oposição haitiana a Duvalier frequentemente reproduzia e citava a mensagem do Papa. Pouco antes de deixar o Haiti, João Paulo II pediu mudança social no Haiti, dizendo: "Levantai as vossas cabeças, sejam conscientes de sua dignidade de homens criados à imagem de Deus..."[163]

O papa também pediu mais liberdade para a Igreja Católica para realizar as mudanças sociais. As declarações foram feitas em uma missa no aeroporto com a presença de dezenas de milhares de haitianos e os líderes do governo, nesse pronunciamento o papa foi interrompido pelo gritos das pessoas entusiasmadas por seus discursos condenando a desigualdade excessiva, miséria, a fome e o medo sofrido por muitas pessoas no Haiti. Embora tenha salientado a necessidade de mudança social e respeito pelos direitos humanos em todos os países que visitou, o papa parecia fazer sua mensagem mais explícita no Haiti.[164]

A visita de João Paulo II inspirou protestos em massa contra a ditadura Duvalier. Em resposta à visita do papa, 860 padres católicos e trabalhadores da Igreja assinaram uma declaração comprometendo a Igreja para trabalhar em favor dos pobres.[165] Em 1986, Duvalier foi expulso do poder em uma revolta.[166]

Paraguai

O Papa João Paulo II visitou o Paraguai em maio de 1988.[167] Desde que o General Stroessner tomara o poder naquele país sul-americano através de um golpe de Estado em 1954, os bispos do Paraguai criticavam cada vez o regime de abusos dos direitos humanos, eleições manipuladas, e "economia feudal" do país.[168] Era inegável o conflito entre igreja e o governo.[169]

A visita do papa ao país foi um marco na história da ditadura no país. O governo de Stroessner temia uma revolta social incentivada pelas palavras de apoio do papa. Até mesmo a presença do Papa estava em dúvida, porque Stroessner havia suspendido a reunião com o evento chamado "Construtores da Sociedade". O Papa enviou uma mensagem ao governo de Stroessner, que sem nenhuma reunião com os "construtores" ele não visitaria o Paraguai. O governo preferiu atender o pedido do papa.[170]

Durante a sua reunião privada com Stroessner, João Paulo II disse ao ditador: "A política tem uma dimensão ética fundamental, porque, antes de tudo é um serviço ao homem. A Igreja pode e deve lembrar aos homens — e, em especial, àqueles que governam — dos seus deveres éticos para o bem de toda a sociedade. A Igreja não pode ser isolada dentro de seus templos, assim como a consciência dos homens não pode ser isolada de Deus".[168] Mais tarde, durante uma missa, o Papa João Paulo II criticou o regime que empobrece os camponeses e desempregados, afirmando que o governo deve dar às pessoas um maior acesso à terra. Embora Stroessner tivesse tentado impedir, o Papa João Paulo II se encontrou com líderes da oposição.[168]

Papel na queda do comunismo

O presidente Ronald Reagan e sua esposa Nancy se encontram com o Papa, em 1982

Para o papa, o comunismo era uma tirania que derrubava a liberdade humana no qual as pessoas eram vistas como meros recursos a serem usados como o Estado entendesse.[14] A primeira metade do seu pontificado ficou marcada pela luta contra o comunismo na Polônia e restantes países da Europa de Leste e do mundo. Muitos poloneses consideram que o marco inicial da derrocada comunista foi o discurso de João Paulo II em 2 de Junho de 1979, quando falou a meio milhão de compatriotas em Varsóvia e destacou o trabalho do Solidariedade. "Sem o discurso de Wojtyła, o cenário teria sido diferente. O Solidariedade e o povo não teriam se sentido fortes e unidos para levar a luta adiante", acredita o escritor e jornalista Mieczylaw Czuma. "Foi o papa que nos disse para não ter medo". Dez anos depois, as eleições de 4 de Junho de 1989 foram uma "revolução sem sangue" e encorajaram outros países do bloco comunista a se liberar de Moscovo. A data tornou-se simbólica da fim do socialismo real. O movimento sindical Solidariedade, liderado por Lech Walesa, obteve a vitória nas primeiras eleições parcialmente livres de todo o bloco comunista.[171]

João Paulo II foi creditado como sendo fundamental para derrubar o comunismo no Centro e Leste europeus,[2][5][6][11] mesmo antes de ser papa, Wojtyła já tinha uma posição inflexível contra o regime comunista.[172] Por ser a inspiração espiritual por trás de sua queda, e um catalisador para "uma revolução pacífica" na Polônia. Lech Wałęsa, o fundador do movimento sindical Solidariedade, creditou a João Paulo II a coragem dos poloneses de se levantarem.[11] De acordo com Wałęsa, "Antes de seu pontificado, o mundo estava dividido em blocos. Ninguém sabia como se livrar do comunismo". Wałęsa afirma que o papa encorajou os poloneses a mudarem a situação.[173]

Uma das primeira coisas que Wojtyła fez ao ser eleito papa foi mandar uma mensagem aos poloneses: "quero muito estar com vocês no 900º aniversário do martírio de São Estanislau". São Estanislau é o padroeiro da Polônia e o aniversário de 900 anos de sua morte foi em 1979. Foi a primeira vez que um papa entrou em um país do bloco comunista. O dirigente soviético Leonid Brejnev ligou para a Polônia e ordenou que a visita fosse recusada. Ms os dirigentes do país deixaram que o papa fizesse a viagem, que durou oito dias. O papa foi recebido pelo refrão "queremos Deus" e o papa, gritava: "vocês precisam ser fortes com a força que vem da fé" e "não é preciso ter medo, as fronteiras têm de ser abertas". Calcula-se que, naquela semana, um de cada três poloneses viu o papa pessoalmente.[114]

João Paulo II na Alemanha Ocidental em 1980

A Igreja Católica apoiou o movimento Solidariedade e, em janeiro de 1981, Wałęsa foi cordialmente recebido pelo Papa João Paulo II no Vaticano. O próprio Wałęsa sempre considerou o catolicismo como sua fonte de força e inspiração.[174] Em 1983, na segunda viagem do papa para a Polônia, foi concedida uma audiência do papa com Wałęsa, nas Montanhas Tatra. Como resultado da reunião Wałęsa diminuiu sua atividade política para aliviar a situação interna na Polônia. Em agosto de 1983, a lei marcial que proibia o Solidariedade foi retirada e no mesmo ano Wałęsa recebeu o Nobel da Paz.[175]

Segundo o ex-diretor da CIA e ex-embaixador dos EUA, general Vernon Walters, João Paulo II forneceu informações valiosas ao governo Reagan sobre a resistência polonesa. Um dos objetivos comuns do Vaticano e do governo norte-americano na época, era também desautorizar a Teologia da Libertação e desestabilizar o governo da Nicarágua sandinista.[176]

A correspondência entre o ex-presidente Reagan e o Papa revelou um contínuo esforço para assegurar o apoio do Vaticano às políticas norte-americanas. Talvez o mais surpreendente, os documentos mostraram que, por volta de 1984, o Papa em um determinado momento não acreditava que o governo comunista polonês pudesse ser mudado.[177] Richard Allen da Agência de Segurança Nacional que a aliança entre os Estados Unidos e o Vaticano era "uma das maiores alianças secretas de todos os tempos". A partir de 1981, o papa recebeu elementos da CIA no Vaticano pelo menos 15 vezes. Nesses encontros, João Paulo II recebia informações sobre estratégias dos Estados Unidos no mundo inteiro e passavam informações do serviço secreto, inclusive fotos de satélite da Polônia. Já o papa dava notícias de Wałęsa e do Solidariedade e transmitia dados coletados pela extensa rede de bispos e padres da Igreja Católica, que Allen comentaria que o serviço de inteligência do Vaticano como sendo de "primeira classe".[114]

No dia 4 de junho de 1989, houve eleições para o senado na Polônia e pela primeira vez os poloneses tinham a chance de votar depois de quase meio século de ditadura comunista. O resultado das urnas foi que das 262 cadeiras do senado, 261 ficaram para o partido de oposição, o Solidariedade. O governo comunista cairia dois meses depois. Era o fim do comunismo na Polônia. "A culpa é da Igreja", disse o ditador derrotado, general Wojciech Jaruzelski. O primeiro ato do líder do Solidariedade, Lech Wałęsa, foi ir para Roma, para agradecer a João Paulo II.[114]

Em dezembro de 1989, João Paulo II reuniu-se com o líder soviético Mikhail Gorbachev no Vaticano e cada um expressou o seu respeito e admiração para com o outro. No encontro o papa condenou o comunismo e criticou alguns pontos do capitalismo, pediu para o líder soviético que trabalhasse para uma maior integração da Europa e o fim da Guerra Fria.[6] Gorbachev certa vez disse "O colapso da Cortina de Ferro teria sido impossível sem João Paulo II".[2][4] No funeral de João Paulo II, Mikhail Gorbachev disse: "A devoção do Papa aos seus seguidores é um exemplo notável para todos nós".[6]

O presidente russo Vladimir Putin se encontra com o Papa João Paulo II

Em fevereiro de 2004, o Papa João Paulo II foi indicado para o Prêmio Nobel da Paz pelo seu trabalho na oposição ao comunismo, ajudando a remodelar o mundo.[178]

O ex-presidente norte-americano George W. Bush presenteou o Papa com a Medalha Presidencial da Liberdade, a maior honraria civil dos EUA, durante uma cerimônia no Vaticano, em 4 de junho de 2004. O presidente leu a citação que acompanhou a medalha, que reconhecia o "filho desta Polônia" cujo "apoio aos princípios de paz e liberdade inspirou milhões e ajudou a derrubar o comunismo e a tirania".[179][180] Depois de receber o prêmio, João Paulo II disse: "Que o desejo de liberdade, de paz e de um mundo mais humano simbolizados por esta medalha, inspire homens e mulheres de boa vontade em todo tempo e lugar".[181]

Em relação à política mundial, pouco antes de sua morte, a BBC disse, referindo-se a uma frase de Mikhail Gorbachev: "O Papa — disse Gorbachev a sua esposa Raisa— é a autoridade moral mais importante do mundo e é eslavo". O entendimento entre as duas personalidades sem dúvida facilitou o caminho para a democracia no bloco oriental.[182]

Nas palavras do General Wojciech Jaruzelski, último líder na Polônia comunista, a visita de João Paulo II à Polônia em 1979, foi o "detonador" das mudanças.[183] Por ocasião de sua morte, o Presidente do Parlamento Europeu, o socialista Josep Borrell, que assistiu ao funeral na Santa Sé. Ele destacou que João Paulo II deixou um legado para o mundo com base nos valores da paz, amor e liberdade. Borrell sublinhou a importância da contribuição do Papa João Paulo II para a reunificação da Europa. Ele sublinhou o papel desempenhado pelo Papa na Polônia e na Europa Central e Oriental levando à queda do Muro de Berlim e lembrou da frase do Papa de que "a Europa deve respirar com os seus dois pulmões". O Presidente do Parlamento Europeu descreveu o Papa João Paulo II como "um grande homem e um grande europeu".[184] O chanceler alemão, Gerhard Schröder, declarou que o Papa tinha "influenciado a integração pacífica da Europa em muitos aspectos. Por seus esforços e sua personalidade impressionante, mudou o nosso mundo".[185]

Ele também enfatizou seu compromisso com os direitos humanos: "Seu compromisso como Pontífice não era apenas difundir o Evangelho, mas transformar o papado romano no porta-voz dos direitos humanos" —de acordo com um artigo da CNN, citando Marco Politi, autor do livro Sua Santidade.[11]

Visitas papais

João Paulo II no Yankee Stadium, Nova Iorque, em outubro de 1979

Durante o seu pontificado, o papa João Paulo II viajou para 129 países,[5] contabilizando mais de 1 700 000 quilômetros viajados, percorridos de avião, carro, navio e ferry boat.[186] Ele consistentemente atraía grandes multidões em suas viagens, algumas contando entre as maiores já reunidas na história, como a do Jornada Mundial da Juventude de 1995, em Manila, nas Filipinas, que reuniu cerca de cinco milhões de pessoas, considerada uma das maiores reuniões de católicos já ocorrida.[187] Estima-se que em seu pontificado quatrocentos milhões de pessoas o viram em Roma ou durante suas viagens e se reuniu com 738 chefes de Estado, entre eles 246 primeiros-ministros recebidos em audiência.[186] Suas primeiras visitas oficiais foram para as Bahamas, República Dominicana, México e para a Polônia em 1979.[188][189] Enquanto algumas de suas viagens (como a feita aos Estados Unidos e à Terra Santa) foram para lugares previamente visitados por Paulo VI, João Paulo II se tornou o primeiro papa a visitar a Casa Branca em outubro de 1979, onde foi recebido pelo presidente Jimmy Carter.[190] Viajou para lugares que nenhum outro papa havia visitado antes, como o México, em janeiro de 1979,[191] e a Irlanda, no mesmo ano.[192] Foi ainda o primeiro papa a visitar o Reino Unido em 1982, onde se encontrou com a rainha Isabel II, Governadora Suprema da Igreja de Inglaterra.[80]

Em 2000, foi o primeiro papa moderno a visitar o Egito, um país de maioria muçulmana, se encontrando com Muhammad Sayyid Tantawy, com o papa copta, Shenouda III, e o patriarca grego ortodoxo de Alexandria.[193][194] Em março de 2000, ao visitar Jerusalém, se tornou o primeiro papa da história a visitar e rezar no Muro das Lamentações.[93][98] João Paulo II foi o primeiro papa católico a visitar e rezar numa mesquita islâmica, em Damasco, na Síria, em 2001. Visitou a Mesquita dos Omíadas, uma antiga igreja cristã onde se acredita estar enterrado São João Batista, onde fez um discurso pedindo aos cristãos, muçulmanos e judeus que trabalhassem juntos.[8][9] Em setembro de 2001, dez dias depois dos ataques de 11 de setembro, viajou ao Cazaquistão, onde foi recebido por uma audiência majoritariamente muçulmana, e para a Armênia, para participar da celebração dos 1700 anos de cristianismo na nação.[195]

Documentos Pontifícios

O Papa no Brasil, em 1997, já com a saúde fraca

Ao todo são 14 encíclicas escritas por João Paulo II ao longo do seu pontificado.[196] Das 14 encíclicas, 13 são cartas encíclicas e uma, a "Slavorum Apostoli", de 1985, é uma epístola encíclica.[197] Também escreveu 11 constituições apostólicas,[197] 31 motu proprios, 45 cartas apostólicas,[198] 2 bulas pontifícias.[199] Com relação as exortações apostólicas, uma das páginas do website do Vaticano apresenta que o papa escreveu 14 exortações apostólicas,[198] mas na página em que é possível acessar individualmente cada conteúdo constam 15 desses documentos.[200]

Consistórios

Ver artigo principal: Consistórios de João Paulo II

João Paulo II criou 231 cardeais em 9 consistórios.[201] O papa nomeou alguns cardeais in pectore, que é uma categoria de cardeais que objetiva zelar da segurança dos religiosos que nela se inclui. Segundo o Código de Direito Canónico, enquanto o nome do ordenado permanecer oculto o indivíduo não terá os direitos ou os deveres que os cardeais possuem. O primeiro cardeal in pectore nomeado por Wojtyła foi Ignatius Kung Pin-mei, nomeado no primeiro consistório, em 1979, seu nome só foi revelado em 1991. No consistório de 1998, foram nomeados Marian Jaworski e Jānis Pujāts, seus nomes foram revelado no consistório seguinte, que ocorreu em 2001. Por fim, no último consistório de João Paulo II, em 2003, houve uma nomeação in pectore, mas o nome dele jamais foi revelado, portanto, não chegou a ser assumir como cardeal no papado de Wojtyła.[202]

Posições políticas e sociais

João Paulo II em visita ao Parlamento Polonês a 11 de Junho de 1999

João Paulo II foi considerado um conservador em doutrina e questões relacionadas com a reprodução e a ordenação de mulheres.[203] Uma série de 129 palestras dadas por João Paulo durante as audiências às quartas-feiras em Roma, entre setembro de 1979 e novembro de 1984, foram mais tarde compiladas e publicadas em uma única obra, intitulada Teologia do Corpo, uma longa meditação sobre a sexualidade humana. O Papa condenou o aborto,[204] a eutanásia e praticamente todos os usos da pena de morte,[205] chamando isso de "cultura da morte". Ele fez campanha para a anulação da dívida mundial[206] e também fez esforço pela justiça social.[11][203]

O papa João Paulo II foi um adversário ferrenho do apartheid na África do Sul. Em 1985, enquanto visitava os Países Baixos, ele discursou condenando o apartheid no Tribunal Internacional de Justiça, dizendo que nenhum sistema de segregação seria aceitável.[207] Em setembro de 1988, Wojtyła fez uma peregrinação a dez países sul-africanos, incluindo aqueles que fazem fronteira com a África do Sul, enquanto demonstrativamente evitou a África do Sul.[208] Depois da morte de João Paulo II, tanto Nelson Mandela como o arcebispo Desmond Tutu elogiaram o papa por ter defendido os direitos humanos e condenado a injustiça econômica.[209]

A Jornada Mundial da Juventude é um evento temático popular da fé católica internacional voltado para jovens, esse evento foi iniciado pelo Papa João Paulo II.

João Paulo II tinha uma relação especial com a juventude católica e é conhecido por alguns como O Papa para a juventude. João Paulo II mostrou um carinho especial para os jovens desde seus primeiros dias do sacerdócio.[210][211] O papa era a favor de programas especiais para crianças deficientes.[211] Criou a Jornada Mundial da Juventude em 1984 com a intenção de aproximar os jovens católicos de todas as partes do mundo a se reunirem para celebrar a fé.[24][210][211] Em 8 de agosto de 1995, João Paulo II denunciou o uso de crianças como soldados em conflitos, que essas crianças são seduzidas por promessas de comida e escolaridade, mas que acabam passando fome, maus-tratos, abusos e são incentivadas a matar. O papa também denunciou que as crianças são usadas para limpar campos-minados.[212]

Em 22 de outubro de 1996, em um discurso para a seção plenária na Pontifícia Academia das Ciências, no Vaticano, o Papa João Paulo II disse da evolução que "esta teoria tem sido progressivamente aceita pelos pesquisadores, após uma série de descobertas em vários campos do conhecimento. A convergência, nem pensada, nem fabricada, dos resultados do trabalho que foi conduzido de forma independente é em si um argumento significativo em favor dessa teoria".[213][214][215] Embora geralmente aceitando a teoria da evolução, João Paulo II fez uma grande exceção – a alma humana. "Se o corpo humano tem sua origem na vida material que pré-existe, a alma espiritual é imediatamente criada por Deus".[214][215] Quando João Paulo II citou essa frase ele fez menção para a encíclica Humani Generis do papa Pio XII, que foi a primeira encíclica a tocar no assunto aceitando a teoria de Darwin.[216] O papa acreditava que que a teoria da evolução é praticamente um consenso entre os cientistas.[217] O papa também criou, em 1982, a Pontifício Conselho para a Cultura, que tem como objetivo "o diálogo da Igreja com as culturas do nosso tempo",[218] essa instituição já realizou congressos internacionais contando com a presença de cientistas de renome para dialogar com filósofos e teólogos.[217]

João Paulo II foi o primeiro líder mundial a descrever como genocídio o massacre de tutsis por hutus no país de maioria católica de Ruanda, que começou em 1990 e atingiu seu auge em 1994. Ele apelou para um cessar-fogo e condenou os massacres em 10 de Abril e 15 de maio de 1990.[219] em 1995, durante sua terceira visita ao Quênia, antes de uma audiência, João Paulo II pediu o fim da violência em Ruanda e Burundi, pedindo perdão e a reconciliação como uma solução para o genocídio.[220]

Em 2003, tornou-se um proeminente crítico da Invasão do Iraque em 2003 liderada pelos EUA.[11] Ele mandou o ex-Pró-Núncio Apostólico para os Estados Unidos Cardeal Pío Laghi para conversar com o presidente americano George W. Bush para expressar a oposição à guerra. João Paulo II disse que cabe para as Nações Unidas resolver os conflitos internacionais por meio da diplomacia e que uma agressão unilateral é um crime contra a paz e uma violação do direito internacional.[221]

O papa João Paulo II, durante visita ao Brasil em 1981

João Paulo II criticou fortemente a aproximação da Igreja com o marxismo nos países em desenvolvimento, e em especial a Teologia da Libertação.[222] Em 1984 e 1986, através do Cardeal Ratzinger, líder da Congregação para a Doutrina da Fé, João Paulo II oficialmente condenou vários aspectos da Teologia da libertação, especialmente proeminente na América do Sul. A tentativa de Óscar Romero, durante a visita de João Paulo II à Europa, de obter uma condenação para o regime de El Salvador, denunciado por violações dos direitos humanos e por sustentar o Esquadrão da Morte, foi um fracasso. Em sua viagem para Manágua, Nicarágua em 1983, João Paulo II duramente condenou o que ele apelidou de "Igreja popular"[223] (i.e. "comunidades eclesiais de base" (CEBs) apoiado pelo CELAM), e tendências do clero nicaraguense, para apoiar a esquerda Sandinista, lembrando o clero das suas funções de obediência para com a Santa Sé.[223] Durante essa visita Ernesto Cardenal, um padre e ministro no governo sandinista, ajoelhou-se para beijar a mão do Papa, João Paulo II levantou-o, lhe apontou o dedo, e disse: "Você deve endireitar a sua posição com a Igreja".[224] Sua posição contra a Teologia da Libertação fez que o frei Leonardo Boff que defendia a Teologia deixasse de exercer suas funções de padre na Igreja, segundo Boff sobre o papa: "Este papa me perseguiu por anos. Não vou falar mais nada sobre ele enquanto ele estiver vivo".[114]

O Papa reafirmou que os ensinamentos existentes da Igreja em relação aos transexuais, como a Congregação para a Doutrina da Fé, que ele supervisionou, deixando claro que os transexuais não poderiam servir em posições da Igreja.[11][203] Enquanto que tomou uma posição tradicional sobre a sexualidade, defendendo a oposição moral da Igreja em relação ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, o Papa afirmou que as pessoas com inclinações homossexuais possuem a mesma dignidade e direitos como todos os outros. Em seu último livro, Memória e Identidade, ele se referiu às "pressões" sobre o Parlamento Europeu para permitir o "'casamento' homossexual".[11]

Tentativas de assassinato

O local exato do atentando foi marcado no chão da Praça de São Pedro. Em uma rocha, estão o brasão de armas de João Paulo II e a data do atentado, em numerais romanos

Quando entrou na Praça de São Pedro para discursar para uma audiência em 13 de maio de 1981, João Paulo II foi baleado e gravemente ferido por Mehmet Ali Ağca,[5][12][225] um perito atirador turco que era membro do grupo militante fascista Lobos Cinzentos.[226] O assassino usou uma pistola semi-automática 9 mm Browning, [227] atingindo-o no abdômen e perfurando seu cólon e intestino delgado várias vezes.[4] Após os disparos o papa foi levado ao Palácio Apostólico para um primeiro diagnóstico. Uma vez medido o pulso e aferida a sua pressão ficou evidente que estava em perigo. Apesar de a bala não ter atingido nem a aorta abdominal nem a artéria mesentérica, o papa perdera quase três quartos de sangue, passando a sofrer um choque hemorrágico. João Paulo II foi levado às pressas para a Policlínica Gemelli. No caminho para o hospital, ele perdeu a consciência. Ele passou por cinco horas de cirurgia para tratar sua perda maciça de sangue e feridas abdominais. Os cirurgiões realizaram uma colostomia, reencaminhando temporariamente a parte superior do intestino grosso.[228][229][230] Antes da operação o papa chegou a receber a unção dos enfermos de seu secretário.[231] O Papa afirmou que Nossa Senhora de Fátima ajudou a mantê-lo vivo durante todo o seu calvário.[5][225][232]

Eu poderia esquecer que o evento (Tentativa de assassinato de Ali Agca) na Praça de São Pedro teve lugar no dia e na hora em que a primeira aparição da Mãe de Cristo aos pastorinhos estava sendo lembrada por 60 anos em Fátima, Portugal? Mas em tudo o que aconteceu comigo naquele mesmo dia, senti que a proteção extraordinária maternal e cuidadosa, acabou por ser mais forte do que a bala mortal.[233]

Em 2 de março de 2006 uma comissão parlamentar italiana, a Comissão Mitrokhin, criada por Silvio Berlusconi e dirigida pelo senador da Forza Italia, Paolo Guzzanti, concluiu que a União Soviética estava por trás do atentado contra a vida de João Paulo II, em retaliação ao apoio dado pelo Papa à organização Solidariedade, o movimento católico de trabalhadores pró-democracia.[226] Segundo o documento, Moscou ficou alarmado porque "a Polônia era a principal base militar do Pacto de Varsóvia". João Paulo II teve um papel fundamental em eventos que acabariam levando à queda do Muro de Berlim, em 1989, e ao colapso do comunismo.[234] O relatório italiano declarou que certamente os departamentos de segurança da Bulgária Comunista foram utilizados para evitar que fosse descoberto o papel da União Soviética. O relatório afirmou que a Inteligência militar soviética (Glavnoje Razvedyvatel'noje Upravlenije)—e não a KGB—foi responsável. O porta-voz do Serviço de inteligência das Relações Exteriores da Rússia, Boris Labusov, chamou a acusação de absurda.[234] Embora o Papa tivesse declarado, durante uma visita em maio de 2002, para a Bulgária, que não acreditava que aquele país estivesse envolvido com a tentativa de assassinato, seu secretário, Cardeal Stanisław Dziwisz, alegou em seu livro A Life with Karol, que o Papa estava particularmente convencido que a ex-União Soviética estava por trás da tentativa de assassinato.[226][235] Bulgária e Rússia contestaram as conclusões da comissão italiana, apontando que o Papa negou a conexão búlgara.[234]

Agca passou 19 anos em prisões italianas, sendo depois extraditado para a Turquia, onde foi condenado a prisão perpétua pelo assalto a um banco na década de 1970 e pelo assassinato de um jornalista em 1979, pena depois comutada para dez anos de prisão.[236] Dois dias depois do Natal em 1983, João Paulo II visitou a prisão onde seu pretenso assassino estava sendo mantido. Os dois conversaram privadamente por 20 minutos.[5][225]

Internado de urgência na Policlínica Gemelli, o papa foi submetido a uma delicada cirurgia de mais de cinco horas, com extirpação de 55 centímetros de intestino.[237][238] A 20 de junho, 17 dias depois de ter alta, é internado novamente na mesma clínica de Roma para ser tratado a uma infecção de citomegalovírus, ao qual contraiu na operação anterior, por meio de uma transfusão de sangue infectado.[228]

Coincidentemente, os tiros disparados contra o Papa foram feitos no dia 13 de maio. Nesta data, em 1917, Nossa Senhora de Fátima teria feito a sua primeira aparição aos três pastorinhos. O Pontífice sempre afirmou que a Virgem Maria teria "desviado as balas" e salvo a sua vida nesse dia. Um ano depois, a 13 de Maio de 1982 e já recuperado, João Paulo II visita pela primeira vez o Santuário de Nossa Senhora de Fátima para agradecer à Virgem o ter salvo. O Santo Padre ofereceu uma das balas que o atingiu ao Santuário. Essa bala foi posteriormente colocada na coroa da Virgem, onde permanece até hoje.[239]

A segunda tentativa de assassinato ocorreu em 12 de maio de 1982, apenas um dia antes do aniversário da primeira tentativa contra sua vida, em Fátima, Portugal quando um homem tentou esfaquear João Paulo II com uma baioneta.[240][241][242] Ele foi parado por guardas de segurança, embora o Cardeal Stanisław Dziwisz mais tarde afirmou que João Paulo II tinha sido ferido durante a tentativa, mas conseguiu esconder uma ferida não fatal.[240][241][242] A pessoa que atacou o Papa, o ex-padre tradicionalista espanhol chamado Juan María Fernández y Krohn,[240] se opôs às mudanças causadas pelo Concílio Vaticano II, chamando o Papa de agente comunista de Moscou e de marxista do Bloco do Leste.[243] Fernández y Krohn posteriormente deixou o sacerdócio Católico Romano e cumpriu três anos de uma pena de seis anos.[241][242][243] O 'ex-padre' teve tratamento de doente mental e, em seguida foi expulso de Portugal, depois disso trabalhou como advogado na Bélgica.[243] Ele foi preso novamente em julho de 2000 após escalar sobre a barricada de segurança no Palácio Real de Bruxelas, acusando o rei Juan Carlos de ter assassinado seu irmão mais novo, Alfonso, em 1956.[241][242][244]

O Papa João Paulo II foi um dos alvos da Al-Qaeda, que financiou a operação Bojinka, durante uma visita as Filipinas em 1995. Outro objetivo do plano também era explodir 12 aviões e matar milhares de cidadãos dos Estados Unidos. Os idealizadores da operação foram Khalid Sheikh Mohammed e Ramzi Yousef, que já haviam participados de outros ataques terroristas, como o Atentado de 1993 ao World Trade Center e os Ataques de 11 de setembro de 2001. O primeiro plano era matar o Papa João Paulo II quando visitou as Filipinas, durante as celebrações da Jornada Mundial da Juventude de 1995. Em 15 de janeiro de 1995, um homem-bomba iria vestir-se como um sacerdote, enquanto João Paulo II passasse na carreata. O assassino planejava chegar perto do Papa e detonar a bomba. O assassinato planejado do Papa tinha a intenção de desviar a atenção da próxima fase da operação. Entretanto, um incêndio acidental chamou a atenção da polícia, e eles foram presos quase uma semana antes da visita do Papa.[245][246]

Saúde

Ver artigo principal: Saúde de João Paulo II
O Papa doente no papamóvel em 22 de setembro de 2004

Na década de 40, antes do papado, ele sofreu dois acidentes, fraturou o crânio em um acidente e os ombros enquanto carregava um carrinho carregado de pedra, que o deixou com um ombro mais alto que o outro.[247] Quando se tornou Papa em 1978, João Paulo II ainda era um ávido esportista. Aos 58 anos era extremamente saudável e ativo, fazia jogging nos Jardins do Vaticano, exercícios com pesos, natação, e caminhadas nas montanhas. Ele gostava de futebol. A mídia fazia comparações com a figura forte e saudável de João Paulo II com a saúde precária de João Paulo I e Paulo VI, a imponência de João XXIII e as reclamações constantes de Pio XII. O único Papa moderno que tinha uma boa aptidão física tinha sido o Papa Pio XI (1922–1939) que era um ávido alpinista.[248]

João Paulo II recuperou-se totalmente da primeira tentativa de assassinato, e ostentou uma ótima condição física ao longo da década de 1980.[249] Em 15 de julho de 1992, retirou um tumor benigno e 15 centímetros do intestino.[247] Em novembro de 1993, ele escorregou em um pedaço de carpete recém-instalado e caiu vários degraus, quebrando o ombro direito. Quatro meses mais tarde, ele caiu em sua banheira, quebrando seu fêmur, resultando em uma visita a Policlínica Gemelli para uma substituição do quadril.[249] Ele raramente andou em público após isso, e começou a ter a fala arrastada e dificuldade em ouvir. Suspeitava-se que o pontífice estivesse com a doença de Parkinson, embora tenha sido revelado apenas em 2001 pelo cirurgião ortopédico italiano, Dr. Gianfranco Fineschi.[250][251] A administração do Vaticano finalmente confirmou a doença de Parkinson que em 2003, depois de mantê-la em segredo por 12 anos.[252]

O Dr. Gianfranco Fineschi tinha uma clara preocupação com a saúde do papa, ainda mais após o ano de 2000, ano em que a Igreja Católica comemorou o Grande Jubileu de 2000, quando a agenda do papa estava lotada de atividades e Fineschi disse que: "Fico muito preocupado cada vez que o Papa viaja, ou cada vez que se sente cansado durante uma cerimônia oficial. Eu deveria recomendar-lhe descanso, mas seria inútil. As operações às quais foi submetido e o mal de Parkinson têm feito com que ele sofra muito".[253]

Em fevereiro de 2005, o pontífice foi novamente levado para a Policlínica Gemelli com inflamação e espasmos da laringe, resultado da gripe.[254] Ele teve de voltar por causa da dificuldade em respirar. Foi realizada uma traqueostomia, que melhorou a respiração do Papa, mas limitou sua capacidade de falar, para sua frustração. O Vaticano confirmou que ele estava perto da morte em março de 2005, poucos dias antes de morrer.[255] Nessa época chegou a correr boatos da renúncia do papa.[247]

Últimos dias, morte e funeral

Funeral de João Paulo II na Basílica de São Pedro
Funeral de João Paulo II. Presidido pelo futuro Bento XVI, em Roma

Já com a doença de Parkinson muito avançada, no dia 30 de março de 2005, surgiu à janela do seu escritório para tranquilizar os católicos, e já era muito evidente o seu estado extremamente debilitado. No último Domingo de Páscoa, o Papa ainda abençoou os fiéis, mas pela primeira vez no seu pontificado não conseguiu pronunciar a tradicional Urbi et Orbi.[256]

Em 31 de março de 2005, após uma infecção do trato urinário, o Papa João Paulo II entrou em choque séptico, uma forma generalizada de infecção com febre muito alta e baixa pressão arterial, mas não foi levado para o hospital. Em vez disso, foi-lhe oferecido um acompanhamento por uma equipe de médicos na sua residência privada. Acreditou-se que isso era uma indicação para que as pessoas próximas do Papa acreditassem que ele estava se aproximando da morte.[257][258] Mais tarde naquele dia, fontes do Vaticano anunciaram que João Paulo II havia recebido a unção dos enfermos por seu amigo e secretário Stanisław Dziwisz.[259][260]

No sábado, 2 de abril de 2005, em torno das 15h30min no CEST, João Paulo II falou em polaco suas palavras finais, "pozwólcie mi odejść do domu Ojca", ("Deixe-me partir para a casa do Pai"), para seus assessores, e entrou em coma, cerca de quatro horas depois.[261][262] Ele morreu em seu apartamento privado, às 21:37 CEST[262][263] (19:37 UTC) de um choque séptico e de um colapso cardiovascular circulatório irreversível, 46 dias antes de completar 85 anos. João Paulo não tinha família por perto na época que quando ele morreu, e seus sentimentos são refletidos como ele escreveu em 2000, no final de sua última vontade e testamento:[264][265]

Enquanto o fim de minha vida se aproxima, volto com minha memória ao começo, aos meus pais, ao meu irmão, à minha irmã (eu nunca a conheci porque ela morreu antes de meu nascimento), à paróquia de Wadowice, onde fui batizado, à cidade que amo, aos meus colegas, amigos da escola primária, escola secundária e da universidade, até a época da ocupação, quando era um operário, e então na paróquia de Niegowic, depois em São Floriano em Cracóvia, do ministério pastoral acadêmico, ao círculo de... a todos os círculos... de Cracóvia e a Roma... às pessoas que foram confiadas a mim de uma forma especial pelo Senhor.[264]

O Testamento do Papa João Paulo II publicado em 7 de abril[266] revelou que o pontífice ficaria contente de ser enterrado na Polônia, mas deixou a decisão final para o Colégio dos Cardeais, que preferiram enterrá-lo debaixo da Basílica de São Pedro, honrando o pedido do pontífice a ser colocado "em terra nua". Uma missa de réquiem em 8 de abril teve um número recorde de chefes de Estado presentes em um funeral.[267][268][269] Foi o maior encontro único de chefes de Estado na história, superando os funerais de Winston Churchill (1965) e Josip Broz Tito (1980). Quatro reis, cinco rainhas, pelo menos 70 presidentes e primeiros-ministros, e mais de 14 líderes de outras religiões participaram juntamente com os fiéis.[268] É provável que tenha sido a maior peregrinação do Cristianismo, com números estimados em mais de quatro milhões enlutados em Roma.[267][269] Entre 250 000 e 300 000 pessoas assistiram ao evento de dentro dos muros do Vaticano.[270]
O equilíbrio de sua vida do ponto de vista religioso e pessoal, delineou o então Cardeal Ratzinger, futuro papa Bento XVI, no funeral de João Paulo II: "«Segue-me» (João 21:19), disse o Senhor ressuscitado para Pedro, como sua última palavra a este discípulo escolhido para apascentar o seu rebanho. 'Segue-me', esta palavra de Cristo pode ser considerada a chave para compreender a mensagem que vem da vida do nosso saudoso e amado papa João Paulo II".[271] Desde o dia 2 de maio de 2011, seu corpo repousa na Capela de São Sebastião no Vaticano.[272][273]

Beatificação

Ver artigo principal: Beatificação de João Paulo II
1,5 milhão de pessoas na Praça de São Pedro na cerimônia de beatificação de João Paulo II em 1 de maio de 2011 na Cidade do Vaticano.[274][275]

Inspirado por chamadas de "Santo Subito!" ("Santo Imediatamente!") das multidões se reuniram durante o funeral,[19][267][276] Papa Bento XVI iniciou o processo de beatificação de seu antecessor, ignorando a restrição normal que cinco anos devem se passar após a morte de uma pessoa antes do processo de beatificação poder começar.[20][276][277]

Em uma audiência com o Papa Bento XVI, Camillo Ruini, Vigário Geral da Diocese de Roma e o responsável pela promoção da causa de canonização de qualquer pessoa que morre dentro daquela diocese, citou "circunstâncias excepcionais" e sugeriu que o período de espera poderia ser dispensado.[24][267][277][278] Esta decisão foi anunciada em 13 de Maio de 2005, a Festa de Nossa Senhora de Fátima[279] e o 24 º aniversário do atentado a João Paulo II na Praça de São Pedro.[280]

Em 28 de maio de 2006, Bento XVI rezou uma missa na Polônia, para um público estimado em 900 000 pessoas. Durante a homilia, encorajou orações para a canonização precoce de João Paulo II e declarou que esperava que a canonização fosse acontecer "em um futuro próximo".[281][282]

O seu processo de beatificação foi aberto em 28 de Junho do mesmo ano. No dia 19 de dezembro de 2009 o Papa Bento XVI proclamou-o "Venerável", ao promulgar o decreto que reconhece as virtudes heroicas do Servo de Deus João Paulo II, um importante passo dentro do processo de beatificação que fica aguardando a existência de um milagre realizado pela intercessão do papa polaco.[283]

Foi relatado que a Irmã Marie-Simon-Pierre vivenciou uma "cura completa e duradoura depois que membros de sua comunidade rezaram pela intercessão do Papa João Paulo II".[284][285] Em maio de 2008, Irmã Marie-Simon-Pierre, então com 46 anos,[19][276] voltou a trabalhar novamente em um hospital maternidade que é regido pela ordem religiosa à qual ela pertence.[286]

No quarto aniversário da morte do Papa João Paulo, 2 de abril de 2009, o Cardeal Dziwisz disse aos repórteres que um suposto milagre havia ocorrido recentemente no túmulo do antigo Papa na Basílica de São Pedro. Um garoto polonês de nove anos de idade de Gdańsk, que sofria de câncer de rim e era completamente incapaz de andar, tinha ido visitar o túmulo de seus pais. Ao sair da Basílica de São Pedro, o menino disse-lhes: "Eu quero andar", e começou a andar normalmente.[287]

Em 16 de novembro de 2009, um júri de revisores da Congregação para as Causas dos Santos votou em unanimidade que o Papa João Paulo II havia vivido uma vida de virtude.[288] Em 19 de dezembro de 2009, Bento XVI assinou o primeiro de dois decretos necessários à beatificação e proclamou João Paulo II "Venerável", no reconhecimento de que viveu heroicamente uma vida virtuosa. A segunda votação e o segundo decreto assinado reconhece a autenticidade de seu primeiro milagre (o caso da Irmã Marie Simon-Pierre, a freira francesa que foi curada da doença de Parkinson). Uma vez que o segundo decreto é assinado, o positio (o relatório sobre a causa, com a documentação sobre sua vida e seus escritos e com informações sobre a causa) é considerado como sendo completo. Ele poderia então ser beatificado.[288]

Túmulo que conteve os restos mortais de João Paulo II, até o dia 29 de abril de 2011

No dia 14 de janeiro de 2011, o Papa Bento XVI aprovou o decreto sobre um milagre atribuído ao Papa Wojtyła, permitindo a sua beatificação[289] que aconteceu em Roma no dia 1 de maio de 2011,[289] o Domingo da Divina Misericórdia.[290] Desde de Junho de 2005 até Abril de 2007, foi realizado inquérito diocesano principal romano em diversas dioceses sobre a vida, as virtudes e a fama de santidade e de milagres. Em vista da beatificação, a postulação da causa apresentou ao exame da Congregação para as Causas dos Santos a cura do Mal de Parkinson da Irmã Marie Simon Pierre Normand,[281] religiosa do Institut des Petites Sœurs des Maternités Catholiques, foi relatado que ela vivenciou uma "cura completa e duradoura depois que membros de sua comunidade rezaram pela intercessão do Papa João Paulo II".[19][267][276][284][285] Os peritos se manifestaram a favor da inexplicabilidade científica da cura e a Congregação para as Causas dos Santos emitiu uma sentença considerando milagrosa a cura da religiosa francesa, a seguir à intercessão de João Paulo II.[291]

Seis anos após seu falecimento, no dia 1° de maio de 2011, às 10h37 (horário de Roma), sua beatificação foi proclamada pelo Papa Bento XVI. Ele, acolhendo o pedido do vigário de Roma, Agostino Vallini, leu a fórmula latina que incluiu o papa polaco entre os beatos. Seu processo de beatificação foi o mais rápido dos últimos 700 anos, sendo o processo de canonização mais rápido até hoje o de Santo António de Lisboa que foi canonizado apenas 11 meses após sua morte. A celebração de seu dia foi o dia 22 de outubro, aniversário de sua eleição ao pontificado.[22]

A cerimônia foi acompanhada na Praça de São Pedro por mais de um milhão de pessoas, vindas de todos os continentes, com aplausos e cantos religiosos. Bento XVI celebrou a cerimônia - com paramentos que pertenceram a seu antecessor - acompanhado por cardeais presentes em Roma, como Stanisław Dziwisz e por Mieczysław Mokrzycki, ex-primeiro e segundo secretário particular de João Paulo II.[292]

Bento XVI recebeu uma relíquia contendo o sangue de João Paulo, que lhe foi entregue por Marie Simon Pierre Normand. O milagre com que foi tocada a religiosa foi um dos fatores decisivos para a beatificação de João Paulo II. Bento XVI também declarou que o processo de beatificação foi acelerado devido à grande veneração popular por Woijtila.[293]

Canonização

São João Paulo II (Papa)
Estátua de João Paulo II no Aqueduto de São Sebastião, Coimbra
Papa
Veneração por Igreja Católica
Beatificação 1 de maio de 2011, Cidade do Vaticano por Papa Bento XVI
Canonização 27 de abril de 2014, Basílica de São Pedro, Roma por Papa Francisco
Festa litúrgica 22 de outubro
Padroeiro Co-patrono da Jornada Mundial da Juventude, dos jovens
Gloriole.svg Portal dos Santos

Em abril de 2013, uma comissão de médicos consultada pela Congregação para as Causas dos Santos aprovou o segundo milagre atribuído ao beato João Paulo II, necessário no processo de canonização: a cura de uma mulher na noite de sua beatificação, em maio de 2011. No primeiro momento não eram conhecidos mais detalhes desta cura e o processo, segundo o jornal italiano La Stampa, que estava sendo realizado em segredo. Esse é o segundo milagre, o primeiro tornou-o beato, mas para tornar alguém santo o Vaticano precisa reconhecer dois milagres. Faltava então o aval dos teólogos e a autorização do Papa Francisco.[294]

Em 2 de julho de 2013, a comissão de cardeais e bispos da Congregação aprovaram a atribuição do segundo milagre ao beato João Paulo II.[295] No mesmo mês a Igreja Católica na Costa Rica apresentou Floribeth Mora como sendo a mulher que foi curada de um aneurisma cerebral por um milagre atribuído ao papa João Paulo II. O milagre aconteceu em maio de 2011, quando após Floribeth ter acordado e ter visto uma revista com uma notícia sobre a beatificação de João Paulo II, ela ouviu uma voz que disse "Levanta-te, não tenhas medo" e a partir daí ela se sentiu curada.[296]

A cerimonia de canonização deu-se dia 27 de Abril de 2014, dia em que foi comemorada a festa da Divina Misericórdia, estabelecida por João Paulo II. Neste mesmo dia, também foi canonizado o Papa João XXIII, numa cerimônia conjunta celebrada pelo Papa Francisco e concelebrada pelo Papa Emérito Bento XVI.[297]

Reconhecimento póstumo

Ver artigo principal: Homenagens a João Paulo II

Desde a morte de João Paulo II, um número de clérigos do Vaticano, bem como leigos de todo o mundo,[267] começaram a se referir ao Papa como "João Paulo II o Grande".[4][298] De acordo com Stephen Weeke da NBC, por causa da "a amplitude, a profundidade e o impacto de um papado tão grande e de uma vida visivelmente santa provavelmente verão esse homem na história como "São João Paulo, o Grande",[267][299] tornando-se popular, assim como é o caso de grandes líderes da história (por exemplo, Alexandre III da Macedônia ficou popularmente conhecido como Alexandre o Grande). Os três Papas que hoje são conhecidos como "Grande", são São Leão, o Grande, cujo pontificado se estendeu de 440 – 461, responsável por impedir que Átila, o Huno tomasse e incendiasse Roma; São Gregório, o Grande, 590 – 604, do qual deriva o termo Canto Gregoriano; e São Nicolau, o Grande 858–867.[300][301]

Seu sucessor, Papa Bento XVI, referiu-se a ele como "O grande Papa João Paulo II" em seu primeiro endereço na loggia da Igreja de São Pedro,[302] e o Cardeal Angelo Sodano também se referiu a ele como "o Grande" em sua homilia escrita e publicada da Missa de Exéquias.[303]

Desde sua homilia no funeral do Papa João Paulo, o Papa Bento XVI continuou a se referir a João Paulo II como "o Grande". Durante a XX Jornada Mundial da Juventude na Alemanha, em 2005, Bento XVI, falando em polonês, língua materna de seu antecessor, disse: "Como o Grande Papa João Paulo II diria: deixem a chama da fé viva em suas vidas e em seu povo." Em maio de 2006, Bento XVI visitou a Polônia. Durante a visita, ele repetidamente fez referências ao pontífice chamou de "Grande João Paulo" e "Meu grande predecessor".[304]

Vários locais foram nomeados para homenagear o papa, como a Península Ioannes Paulus II na Antártica.[305] Na Polônia um aeroporto foi renomeado para Aeroporto Internacional São João Paulo II de Cracóvia-Balice.[306] Em Ponta Delgada, em Açores, há o Aeroporto João Paulo II que é uma homenagem a passagem do papa, na data de 11 de maio de 1991.[307] Em Curitiba há o Bosque Papa João Paulo II em homenagem ao papa e a imigração polonesa no Brasil.[308] Na Polônia a Universidade Católica de Lublin foi renomeada para Universidade Católica João Paulo II de Lublin.[309]

Críticas

Em 1988, quando o Papa João Paulo II foi fazer um discurso ao Parlamento Europeu, o então líder do Partido Unionista Democrático e membro da Igreja Presbiteriana Livre de Ulster, Ian Paisley, gritou: "eu o denuncio como o anticristo!"[310] e levantou uma bandeira vermelha onde estava escrito "Papa João Paulo II ANTICRISTO". Os eurodeputados expulsaram-no da câmara. O Papa continuou com seu discurso após Paisley ter sido expulso.[311]

Sua defesa de visões conservadoras sobre questões ligadas à sexualidade, à eutanásia e ao papel da mulher na sociedade. A revista Time comentou que seu próprio comportamento por ocasião de sua agonia contradisse sua pregação sobre o prolongamento artificial da vida.[312][313] Muitos ativistas dos direitos dos gays e outros criticaram-no por manter intacta a oposição da Igreja com respeito ao comportamento homossexual e ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.[203] Sua condenação do uso de preservativos mesmo para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, como a AIDS, e como contracepção em famílias pobres e já numerosas.[13][314] A reafirmação de doutrinas tradicionais contra a ordenação de mulheres, a contracepção, a Teologia da Libertação, o homossexualidade e casamento homossexual, eutanásia, e o aborto em todos os casos.[12][14][315]

Também encontrou objeções sobre suas frequentes viagens, que teriam deixado a estrutura administrativa da Igreja desamparada em várias crises importantes, além de serem causa de alta despesa para os locais visitados, embora muitas vezes grande parte das despesas foram pagas por empresas patrocinadoras.[316] Teólogos dissidentes protestaram contra o processo de sua beatificação, baseados no argumento de que suas declarações e atitudes sobre vários pontos eram contrárias aos requisitos formais.[317]

Extremistas hindus alegaram que as instituições e programas benemerentes da Igreja espalhados pelo mundo eram uma fachada para buscar a conversão de populações não católicas.[318]

Foi acusado ainda de acobertar o envolvimento do Vaticano em escândalos financeiros que ligavam o Banco do Vaticano com o Banco Ambrosiano a grupos de crime organizado como a máfia e a Cosa nostra, a loja maçônica Propaganda Due e de proteger sistematicamente o principal articulador dessas ligações, o arcebispo Paul Marcinkus, que saiu livre de acusações.[319][320][321][322] Marcinkus é descrito como controverso,[323] inclusive é relacionado o seu envolvimento nas teorias da conspiração envolvendo a morte do Papa João Paulo I, pois havia o temor que o antecessor de Wojtyła iria torna público os documentos que seriam provas de que o Vaticano estava envolvido numa fraude financeira. Nesse sentido, teoriza-se que João Paulo II não teria se envolvido mais por temer a sua própria vida.[322] Após o escândalo, foram anunciadas novas normas de transparência, entre elas o desaparecimento de contas numeradas, condições mais rígidas para abrir uma conta individual, o fim das relações com bancos off-shore ou a obrigação de apontar as operações suspeitas à Autoridade de Informação Financeira. O banco está sob a supervisão de uma comissão de cardeais.[323]

Abuso sexual de menores por membros da Igreja Católica

Sua posição nos escândalos sexuais envolvendo clérigos, pois 1978 a abril de 2002, o papa havia evitado qualquer referência pública à epidemia global de abuso sexual por seus padres e membros das ordens católicas, além de alguns comentários oblíquos. Ele falara em março de 2002 de "uma sombra sombria de suspeita" lançada sobre os sacerdotes "por alguns de nossos irmãos que traíram a graça da ordenação" e sucumbiu às "formas mais deploráveis do mistério do mal que opera no mundo".[324][325] Segundo especialistas, João Paulo II tinha conhecimento que sacerdotes abusavam sexualmente de crianças, fatos que foram acobertados pelo Vaticano.[326] No entanto, os que defendem João Paulo II afirmam que, embora seus auxiliares possivelmente soubessem dos casos, não os levavam ao pontífice, que achava que as acusações fariam parte de um complô contra a igreja, como as que as autoridades comunistas da Polônia faziam durante a Guerra Fria.[327] Em 2001, o sumo pontífice fez um pedido de desculpas aos danos causados as vítimas de abuso sexual por parte de alguns religiosos na Oceania, segundo o religioso "O abuso sexual dentro da Igreja é uma contradição profunda do ensino e do testemunho de Jesus Cristo".[328]

Em abril de 2002, João Paulo II, apesar de estar debilitado pela doença de Parkinson, convocou todos os cardeais americanos ao Vaticano para discutir possíveis soluções para a questão do abuso sexual na Igreja Católica nos Estados Unidos. Ele pediu que eles "investigassem diligentemente as acusações". João Paulo II sugeriu que os bispos americanos sejam mais abertos e transparentes ao lidar com tais escândalos e enfatizou o papel do treinamento no seminário para prevenir desvios sexuais entre os futuros padres. No que o New York Times chamou de "linguagem extraordinariamente direta".[329] De acordo com o jornalista Jason Berry, em matéria ao The Nation os escândalos de abusos sexuais são a maior crise interna da história católica moderna. O teólogo Richard McBrien, então professor da Universidade de Notre Dame afirmou que os escândalos são a maior crise da Igreja Católica desde a Reforma do século 16.[330]

Críticas foram feitas na forma como o papa agiu em relação Marcial Maciel, o fundador dos Legionários de Cristo, que cometia abusos sexuais contra os noviços, nesse caso o papa foi acusado de ignorar os casos de Maciel.[330] Embora, o então porta-voz Joaquín Navarro-Valls tenha dito que o processo no caso das alegações de pedofilia contra o padre Maciel foi iniciado durante o papado de João Paulo II, mas só foi concluído em 2006, no papado de Bento XVI,[331] o Vaticano ordenou que Maciel deixasse de exercer o ministério. Dois filhos adultos de Maciel também se apresentaram, alegando incesto. Em uma ação sem precedentes na história da igreja moderna, Bento XVI ordenou uma investigação de toda a ordem religiosa. Desde então, o Vaticano assumiu o controle da Legião em uma espécie de concordata. O autor George Weigel que entrevistou João Paulo II várias vezes sugere que o papa tinha informações "inadequadas" e que o religioso era "mal servido por associados e subordinados que deveriam ter sido mais alertas para as implicações do culto da personalidade [de Maciel]".[330]

Pedidos de desculpas

João Paulo II pediu desculpas aos judeus, Galileo, mulheres, vítimas da Inquisição, muçulmanos mortos pelos Cruzados, e quase todos que sofreram nas mãos da Igreja Católica ao longo dos anos.[11][332] Mesmo antes de se tornar o Papa, ele era um editor proeminente e apoiador de iniciativas como a Carta de Reconciliação dos Bispos Poloneses para os Bispos Alemães [en] de 1965. Como Papa, ele fez oficialmente desculpas públicas para mais de 100 destes delitos.[333]

O papa pediu desculpas, inclusive, pelo papel da Igreja Católica em muitos eventos históricos como o processo legal sobre o cientista e filósofo italiano Galileo Galilei, ele próprio um católico devoto, em torno de 1633. Onde disse "Galileu, fiél e sincero, mostrou-se mais perspicaz do que seus adversários teólogos".[267][333][334][335] Wojtyła também citou os povos nativos das Américas, ao qual, pediu desculpas pelos "desatinos" dos missionários, como também, com o envolvimento de católicos com a escravidão africana, além do papel da Hierarquia da Igreja nas execuções na fogueira a as guerras religiosas que se seguiu à Reforma Protestante. Também foram pedido desculpas com relação a inatividade e o silêncio de muitos católicos durante o Holocausto.[333] Em 2000, em uma viagem a Israel, ele pediu publicamente o perdão pelos pecados dos católicos romanos ao longo dos tempos, incluindo os erros infligidos a judeus, mulheres e minorias. Em 2001, o papa pediu desculpas pelas "vergonhosas injustiças cometidas contra os povos indígenas" na Austrália, Nova Zelândia e nas ilhas do Pacífico Sul, por uma série de delitos, incluindo abuso sexual. Também pediu desculpas à China pelos erros dos missionários na época colonial.[328]

Também pediu desculpas aos cristãos ortodoxos.[333] um exemplo de desculpas para com os ortodoxos ocorreu em 2001, em que João Paulo II se encontrou com Cristódulo de Atenas, líder da Igreja Ortodoxa Grega, em Atenas. Na ocasião Cristódulo leu uma lista de "13 ofensas" da Igreja Católica contra a Igreja Ortodoxa desde o Grande Cisma, incluindo o saque de Constantinopla pelos cruzados (1204), e reclamou pela falta de um pedido de desculpas da Igreja Católica Romana. O papa se desculpou, ao que Cristódulo imediatamente aplaudiu.[106]

O papa também pediu desculpas com relação as injustiças cometidas contra as mulheres, a violação dos direitos das mulheres e para com a difamação histórica das mulheres (10 de julho de 1995, em uma carta para "todas as mulheres").[336] Sobre as mulheres, admitiu que "não poucos" membros do clero foram culpados de discriminação, e disse, "pelo que ofereço sinceras escusas".[333]

Ver também

Referências

  1. a b c d e Wilde, Robert. «Pope John Paul II 1920 - 2005». About.com (em inglês). Consultado em 13 de abril de 2014. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2008 
  2. a b c «Pope stared down Communism in homeland - and won». Religion News Service (em inglês). CBC News. Abril de 2005. Consultado em 6 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 6 de abril de 2005 
  3. «Church Mourns Pope's Death, Celebrates Legacy». npr.org (em inglês). Consultado em 12 de junho de 2015. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2013 
  4. a b c d e Bottum, Joseph (18 de abril de 2005). «John Paul the Great». Weekly Standard (em inglês). pp. 1–2. Consultado em 6 de julho de 2009. Arquivado do original em 9 de abril de 2005 
  5. a b c d e f g Maxwell-Stuart 2006, p. 234
  6. a b c d «Gorbachev: Pope was 'example to all of us'» (em inglês). CNN. 4 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 6 de abril de 2005 
  7. a b c d e f «AIJAC expresses sorrow at Pope's passing» (em inglês). Australia/Israel & Jewish Affairs Council. 4 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 15 de maio de 2018 
  8. a b c Plett, Barbara (7 de Maio de 2001). «Mosque visit crowns Pope's tour» (em inglês). BBC News. Consultado em 1 de outubro de 2002. Arquivado do original em 1 de outubro de 2002 
  9. a b c «Meeting with the Muslim leaders - Omayyad Great Mosque, Damascus» (em inglês). The Catholic Community Forum and Liturgical Publications of St. Louis, Inc. Consultado em 3 de março de 2013. Arquivado do original em 3 de agosto de 2001 
  10. «Anglican tributes to Pope John Paul II». Anglican Communion Office. Anglican Consultative Council. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 12 de agosto de 2014 
  11. a b c d e f g h i j «John Paul II: A strong moral vision». CNN. 11 de Fevereiro de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2006 
  12. a b c d e f g h i j «John Paul II Biography (1920–2005)». A&E Television Networks. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2013 
  13. a b Deutsche Welle (24 de abril de 2006). «Catholic Church to Ease Ban on Condom Use». Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2014 
  14. a b c d e f BBC. «Religion & Ethics - John Paul II». Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2014 
  15. «Pope John Paul II». The Robinson Library. 20 de outubro de 2008. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2007 
  16. «'Fábrica de santos' mantém ritmo de João Paulo 2º». BBC Brasil. 4 de maio de 2007. Consultado em 29 de julho de 2020. Cópia arquivada em 29 de julho de 2020 
  17. a b «Pope John Paul II: A Light for the World». Conselho de Bispos Católicos dos Estados Unidos. 2003. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 13 de outubro de 2006 
  18. Daniel J. Wakin (12 de Abril de 2005). «Cardinals Lobby for Swift Sainthood of John Paul II». The New York Times. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 15 de junho de 2014 
  19. a b c d Moore, Malcolm (22 de maio de 2008). «Pope John Paul II on course to become Saint in record time». Daily Telegraph. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2011 
  20. a b Hollingshead, Iain (1 de abril de 2006). «Whatever happened to ... canonising John Paul II?». The Guardian. Londres. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 23 de abril de 2008 
  21. «Benedict's Pope: Should Pius XII Become a Saint? - TIME». Time. Consultado em 22 de junho de 2014. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  22. a b «Giovanni Paolo II Beato, l'annuncio di Benedetto XVI». Corriere della Sera. Consultado em 1 de maio de 2011. Cópia arquivada em 4 de maio de 2011 
  23. «João Paulo II é canonizado no Vaticano». G1. 27 de abril de 2014. Consultado em 27 de abril de 2014. Cópia arquivada em 30 de abril de 2014 
  24. a b c d e f g h i j k «His Holiness John Paul II : Short Biography». Sala de Imprensa da Santa Sé. 30 de junho de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  25. a b c d e f «Pope John Paul II 1920–2005». CNN. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  26. «Roman Woronowycz Kyiv Press Bureau; Pope John Paul II has Ukrainian blood on his mother's side». ewtn.com. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2012 
  27. «St. Michael Ukrainian Catholic Church in Grand Rapids; Pope John Paul II had relatives on his mother's side of the family who were Ukrainian Catholics of the Byzantine Rite». Klee.us. Cópia arquivada em 17 de maio de 2013 
  28. a b c «Karol Wojtyła (Pope John Paul II) Timeline». Christian Broadcasting Network. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  29. a b Stourton, p. 11
  30. a b Stourton 2006, p. 25
  31. a b c d Kuhiwczak, Piotr (1 de janeiro de 2007). «A literary Pope». Polish Radio. Consultado em 1 de maio de 2011. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2014 
  32. a b Stourton 2006, p. 60
  33. a b c d e Stourton 2006, p. 63
  34. «His Holiness John Paul II - Short Biography». Consultado em 30 de julho de 2020. Cópia arquivada em 23 de maio de 2020 
  35. a b c Weigel 2001, p. 71
  36. a b c d Davies 2004, p. 253–254
  37. a b Weigel 2001, p. 71–21
  38. Weigel 2001, p. 75
  39. a b «Profile of Edith Zierier (1946)». Voices of the Holocaust. 2000 Paul V. Galvin Library, Illinois Institute of Technology. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 19 de abril de 2008 
  40. a b Cohen, Roger (2011). «John Paul II met with Edith Zierer». dialog.org. Consultado em 16 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  41. «CNN Live event transcript». CNN. 8 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  42. Roberts, Geneviève (3 de abril de 2005). «The death of Pope John Paul II: 'He saved my life – with tea, bread'». The Independent. Consultado em 17 de junho de 2007. Arquivado do original em 15 de dezembro de 2007 
  43. «B'nai B'rith Leaders Meet With Pope Benedict XVI - B'nai B'rith International - The Global Voice of the Jewish Community». Bnaibrith.org. Consultado em 25 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 19 de maio de 2011 
  44. a b Stourton 2006, p. 71
  45. a b c d e f g h i j k «His Holiness John Paul II, Biography, Pre-Pontificate». Santa Sé. Consultado em 1 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 14 de março de 2014 
  46. «The Cathedral of John Paul II – The Wawel Royal Cathedral of St Stanislaus B. M. and St Wenceslaus M.». katedra-wawelska.pl. Consultado em 5 de junho de 2015. Cópia arquivada em 22 de maio de 2016 
  47. «A Doutrina da Fé segundo São João da Cruz» (PDF). Documentacatholicaomnia.eu. Consultado em 25 de setembro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 25 de setembro de 2013 
  48. a b Maxwell-Stuart 2006, p. 233
  49. «Revista Época Edição 333 01/10/2004». Epoca.globo.com. Consultado em 9 de março de 2012. Arquivado do original em 27 de agosto de 2006 
  50. Stourton 2006, p. 97
  51. a b «John Paul II to Publish First Poetic Work as Pope». ZENIT Innovative Media, Inc. 7 de janeiro de 2003. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  52. «God, the Pope and Michelangelo». CatholiCity.com. 22 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2011 
  53. Wojtyła 1982, p. 9-10-11
  54. Wojtyła 2004 «Rise, Let Us Be on Our Way - Pope John Paul II - Google Livros». Consultado em 9 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2020 
  55. Stourton 2006, p. 103
  56. a b «O papa do leste - Arquivo VEJA». veja.abril.com.br. Consultado em 24 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2011 
  57. «Cardinal Deaconry S. Cesareo in Palatio». Giga Catholic Information. Cópia arquivada em 16 de julho de 2014 
  58. «Humanae Vitae». 25 de julho de 1968. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  59. Graczyk 2011, p. 204
  60. «To Poles, Church Is Wojtyla's Legacy». 4 de abril de 2005. Consultado em 5 de junho de 2015. Cópia arquivada em 23 de julho de 2020 
  61. a b c d e «A "Foreign" Pope». Time magazine. 30 de outubro de 1978. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2007 
  62. «A "Foreign" Pope». Time magazine. 30 de outubro de 1978. p. 1. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2007 
  63. a b c Stourton 2006, p. 171
  64. «New Pope Announced». BBC News. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 17 de abril de 2005 
  65. «1978 Year in Review: The Election of Pope John Paul II». Upi.com. Consultado em 8 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 28 de março de 2009 
  66. «Events in the Pontificate of John Paul II». 30 de junho de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 17 de maio de 2014 
  67. Heim 1979, p. 148-149
  68. «The Most Rev Bruno Heim - The Independent». The Independent (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2020. Cópia arquivada em 23 de julho de 2020 
  69. a b c d «ELEMENTI DI ARALDICA - L'ARALDICA ECCLESIASTICA - LO STEMMA DI PAPA GIOVANNI PAOLO II - ORNAMENTI ESTERIORI». Iagi.info (em italiano). Consultado em 9 de março de 2012. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2008 
  70. a b «Stemma di Sua Santità Giovanni Paolo II». Vatican.va (em italiano). Consultado em 9 de março de 2012. Cópia arquivada em 3 de abril de 2014 
  71. «Catolicismo e Cristianismo: O Papel da Virgem Maria». Estudosdabiblia.net. Consultado em 9 de março de 2012. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  72. «Power of the Keys». Catholic Encyclopedia; New Advent. Consultado em 7 de maio de 2010. Cópia arquivada em 11 de abril de 2014 
  73. «Papal Tiara». Tu Es Petrus. Consultado em 2 de fevereiro de 2010. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2013 
  74. «Cultural Catholic - Pope John Paul II». Culturalcatholic.com (em inglês). Consultado em 9 de março de 2012. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2013 
  75. a b «BBC News - EUROPE - Pope leads world prayer day». BBC News. 24 de janeiro de 2002. Consultado em 7 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 17 de julho de 2014 
  76. «Audiência, 11 de setembro de 2002». Vatican.va. Consultado em 8 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  77. Santos 1997, p. 13-14
  78. a b c Kirby, Alex (8 de abril de 2005). «John Paul II and the Anglicans». BBC News. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  79. Hickman, Baden (19 de maio de 2000). «Lord Coggan of Canterbury - World news - The Guardian». The Guardian. Consultado em 24 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 9 de maio de 2014 
  80. a b c «28 May 1982: Pope John Paul II becomes first pontiff to visit Britain». Pope John Paul II.org.uk - Celebrating the Pope's visit to Britain in 1982. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 24 de setembro de 2009 
  81. a b «An Introduction to the Parish Our Lady of the Atonement Catholic Church». Our Lady of the Atonement. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 4 de fevereiro de 2009 
  82. a b «FACTBOX- Queen's 60 year reign - by numbers - Reuters». Reuters. Consultado em 24 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 7 de junho de 2012 
  83. «How we are organised». Igreja da Escócia. Consultado em 18 de junho de 2014. Cópia arquivada em 24 de julho de 2014 
  84. «Travels - Federal Republic of Germany 1980 - John Paul II - The Holy Father - The Holy See». Vatican.va. Consultado em 3 de junho de 2011. Cópia arquivada em 17 de maio de 2014 
  85. «Pope John Paul II Biography - Childhood, Life Achievements & Timeline». thefamouspeople.com. Consultado em 12 de julho de 2014. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2013 
  86. «Ökumenisches Treffen mit der evangelisch-lutherischen Gemeinde von Rom». Vatican.va. Consultado em 3 de junho de 2011. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  87. «POPE, CITING HOPE FOR UNITY, TAKES PART IN LUTHERAN RITE - NYTimes.com». nytimes.com. Consultado em 12 de julho de 2014. Cópia arquivada em 24 de maio de 2015 
  88. «POPE PRAISES LUTHER IN AN APPEAL FOR UNITY ON PROTEST ANNIVERSARY - NYTimes.com». nytimes.com. Consultado em 12 de junho de 2014. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2015 
  89. «Apostolic pilgrimage to Norway, Iceland, Finland, Denmark and Sweden 1–10 June 1989». Vatican.va. Consultado em 1 de maio de 2011. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  90. «vatican.va». Viagem Apostólica à Noruega, Islândia, Finlândia, Dinamarca e Suécia. Consultado em 5 de março de 2012. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  91. «Lutheran-Roman Catholic» (em inglês). Luteran World. Consultado em 30 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 2 de julho de 2002 
  92. «João Paulo II constata o progresso ecumênico entre católicos e luteranos - ZENIT - O mundo visto de Roma». zenit.org. Consultado em 12 de julho de 2014. Cópia arquivada em 14 de julho de 2014 
  93. a b c d e f Klenicki, Rabbi Leon (13 de abril de 2006). «Pope John Paul II's Visit to Jordan, Israel and the Palestinian Authority: A Pilgrimage of Prayer, Hope and Reconciliation» (PDF). Anti-Defamation League. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original (PDF) em 29 de setembro de 2013 
  94. Cassidy, Cardinal Edward Idris (16 de março de 1998). «We Remember: 'A Reflection on The Shoah'». Vatican archives. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 26 de junho de 2014 
  95. a b «Pope John Paul II: 'In His Own Words'». Anti-Defamation League. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 2 de novembro de 2012 
  96. «Papal Concert to Commemorate the Holocaust Synopsis». 2009 Fandango. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 18 de dezembro de 2008 
  97. «Reflections at the Concert at the Vatican Commemorating the Holocaust». adl.org. 2011. Consultado em 22 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 30 de outubro de 2012 
  98. a b c d «2000: Pope prays for Holocaust forgiveness». BBC News. 26 de março de 2000. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  99. a b «A Blessing to One Another: Pope John Paul II and the Jewish People». 2007,2009 A Blessing to One Another. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 21 de outubro de 2007 
  100. «Largest Gathering of Jewish Leaders to Ever Meet With a Sitting Pope». PTWF. 2004–2009 Pave the Way Foundation, Inc. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 8 de abril de 2009 
  101. «LE 18 janvier 2005 à Rome : des rabbins bénissent Jean-Paul II». Consultado em 29 de julho de 2020. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2009 
  102. Jacobson, Kenneth (2 de abril de 2005). «Pope John Paul II: 'An Appreciation: A Visionary Remembered'». Anti-Defamation League. Consultado em 22 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 28 de novembro de 2006 
  103. a b c Brunwasser, Matthew (2 de agosto de 2007). «Patriarch Teoctist, 92, Romanian Who Held Out Hand to John Paul II, Dies». The New York Times. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2012 
  104. a b c d «Visit of Pope John Paul II to Ukraine». The Institute of Religion and Society, 17 Sventsitskoho Street, Lviv. Consultado em 1 de maio de 2011. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  105. «Euntes in mundum (Regionis Rus' Kioviensis - 25 de janeiro de 1988) - João Paulo II». vatican.va. Consultado em 19 de maio de 2020. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2019 
  106. a b c d «Macedonian Press Agency: News in English, 2001-05-04b». The Macedonian Press Agency (Hellenic Resources Network). 4 de maio de 2001. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  107. Stephanopoulos, Nikki (28 de janeiro de 2008). «Archbishop Christodoulos of Athens». Associated Press. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 5 de março de 2008 
  108. «Saudação do cardeal Kasper» (em inglês). Santa Sé. Consultado em 30 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  109. «Agradecimento de Alexis II, Patriarca de Moscovo» (em inglês). Santa Sé. Consultado em 30 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  110. «Carta ao Patriarca de Moscovo» (em inglês). Santa Sé. Consultado em 30 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  111. a b Levi & Allison 1999, p. 165
  112. a b c «Dalai Lama mourns John Paul II, "a true spiritual practitioner"». 2005–2009 AsiaNews C.F. 4 de março de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 28 de maio de 2007 
  113. a b Victor L. Simpson. «Pope John Paul II Meets With Dalai Lama». Associated Press (em inglês). WWRN. Consultado em 9 de julho de 2014. Arquivado do original em 14 de outubro de 2007 
  114. a b c d e «O Papa e a História - Superinteressante». Revista Super Interessante. 4 de março de 2005. Consultado em 6 de julho de 2014. Cópia arquivada em 29 de março de 2013 
  115. Brunett; Mons. Alex. «Text of Bishop Brunett's Greetings». Gabinete de Relações com a Mídia da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos. Consultado em 7 de julho de 2014. Arquivado do original em 16 de abril de 2013 
  116. Wojtyła 1994, p. 93–94
  117. a b «Os caminhos de Wojtyla, o Papa que veio do Leste - dn - DN». Diário de Notícias. Consultado em 24 de agosto de 2014. Arquivado do original em 26 de agosto de 2014 
  118. a b «Why some conservative Catholics want to stop Pope John Paul II being made a saint – Telegraph Blogs». telegraph.co.uk. 18 de agosto de 2009. Consultado em 8 de julho de 2014. Arquivado do original em 25 de agosto de 2009 
  119. a b c Akin, Jimmy (6 de abril de 2006). «John Paul II kisses the Qur'an». JimmyAkin.org. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 7 de abril de 2013 
  120. «Cold Lake Islamic Society – News & updates». coldlakeislamicsociety.ca. Consultado em 27 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2009 
  121. «WQED Pittsburgh: Media-Only Press Room: Papal Concert». 1999–2009 WQED Multimedia. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 17 de junho de 2007 
  122. «Orchestra to make Vatican history». BBC News. 9 de novembro de 2003. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2012 
  123. «Papal Concert of Reconciliation». London Philharmonic Choir. 11 de janeiro de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2014 
  124. Pitz, Marylynne; Andrew Druckenbrod (8 de novembro de 2003). «Pittsburgh Symphony to perform for Pope». Post-Gazette Publishing Co., Inc. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2014 
  125. «Catechism of the Catholic Church». Vatican archives. Libreria Editrice Vaticana. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 1 de julho de 2014 
  126. «To the Islamic and Hindu communities in Kenya, John Paul II, 18 August 1985». Consultado em 17 de maio de 2015. Cópia arquivada em 18 de maio de 2015 
  127. «Aos expoentes da comunidade Hindu, Nairobi, Quênia (7 de maio de 1980)». Consultado em 17 de maio de 2015. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2015 
  128. Heehs 2002, pp. 2–5.
  129. «POPE JOHN PAUL II GETTING-1986 INDIA-HINDU OM BEING PAINTED ON HIS FOREHEAD - CNN». CNN. 21 de agosto de 2009. Consultado em 17 de maio de 2015. Arquivado do original em 17 de maio de 2015 
  130. «BBC ON THIS DAY - 3 - 1986: Pope and Mother Teresa feed the sick». BBC. Consultado em 17 de maio de 2015. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2017 
  131. «The Hindu : Kerala News : In the land of the blessed ones». The Hindu. Consultado em 17 de maio de 2015. Cópia arquivada em 17 de maio de 2015 
  132. «Pope John Paul II 21 January 1995 Address to Hindu and Muslim leaders». Consultado em 17 de maio de 2015. Cópia arquivada em 24 de julho de 2020 
  133. «John Paul II's special love for India - Asia News». Consultado em 17 de maio de 2015. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2017 
  134. «POPE VISITS PALACE IN TOGO, THEN A WOMAN'S MUD HUT - NYTimes.com». Consultado em 4 de junho de 2015. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2019 
  135. «Pope impresses jain team with personal warmth encourages more dialogue». Consultado em 4 de junho de 2015. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2019 
  136. «Pope to Make First Visit to Armenia - latimes». Consultado em 4 de junho de 2015. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2020 
  137. «Pope John Paul II recognises Armenian Genocide». Consultado em 4 de junho de 2015. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2014 
  138. Weigel 2010, p. 283
  139. a b c d «Bento 16 envia mensagem ao Chile e Argentina para lembrar crise do Canal Beagle». Folha de São Paulo Mundo. 6 de dezembro de 2008. Consultado em 14 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 7 de março de 2016 
  140. a b c «Mediação da Santa Sé sobre o canal de Beagle: 30 anos - Opinião - Gazeta do Povo». Gazeta do Povo. 4 de dezembro de 2008. Consultado em 27 de julho de 2014. Arquivado do original em 19 de outubro de 2014 
  141. «Conflito do Beaglee entre Chile e Argentina completa 37 anos». notimerica.com. 2 de maio de 2008. Consultado em 1 de agosto de 2014. Arquivado do original em 1 de novembro de 2014 
  142. «Discurso do Papa João Paulo II durante a audiência a cardeais - 22 de dezembro de 1978». Santa Sé. Consultado em 14 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  143. «Exéquias do Cardeal Antonio Samorè - Homilia do Papa João Paulo II». Santa Sé. 5 de fevereiro de 1983. Consultado em 14 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  144. «Discurso del Santo Padre Juan Pablo II a las delegacione de Argentina y Chile traz la firma del Tratado de Paz e Amistad - 30 de noviembre de 1984» (em espanhol). Santa Sé. Consultado em 14 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  145. «Carta do Papa João Paulo II aos fiéis do Chile». Santa Sé. 12 de junho de 1982. Consultado em 14 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  146. Inter-American Commission on Human Right 1999, p. 1429
  147. «Há 58 anos, Fidel Castro era excomungado pelo papa João XXIII». Aventuras na História. Consultado em 16 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2020 
  148. a b «João Paulo II será homenageado em Cuba e dará nome a uma igreja». G1. Consultado em 16 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2015 
  149. «Carta a Fidel Castro». Vatican.va. Consultado em 25 de abril de 2014. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  150. «Cuba autoriza construção de primeira igreja católica em 55 anos». G1. Consultado em 16 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 29 de julho de 2019 
  151. «Disturbios en el Parque O'Higgins y recorrido por regiones: Así fue la visita del Papa Juan Pablo II a Chile (Parte II)» (em espanhol). EMOL. Consultado em 29 de julho de 2020. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2018 
  152. a b Munoz 2008, p. 183
  153. «Pope, on Latin Trip, Attacks Pinochet Regime» (em inglês). The New York Times. Consultado em 3 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  154. «Ceremonia de bienvenida a Chile» (em espanhol). Website do Vaticano. Consultado em 3 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 18 de julho de 2014 
  155. «Pope tells Chile's bishops to press for free elections» (em inglês). The Washington Post. Consultado em 3 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 23 de julho de 2020 
  156. Weigel 2001, p. 183
  157. Oder 2010, p. 107–108
  158. Timmerman 1987, p. 114
  159. a b «Papal Mass In Chile Erupts In Violence» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 31 de julho de 2013. Cópia arquivada em 9 de julho de 2014 
  160. a b «Pinochet foes cheered by the pope´s presence» (em inglês). The New York Times. Consultado em 29 de julho de 2013. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2014 
  161. «Como Pinochet enganou João Paulo II». Zenit. Consultado em 31 de julho de 2013. Arquivado do original em 25 de abril de 2014 
  162. Orizio 2003, p. 131
  163. Ferguson 1987, p. 75-77
  164. «POPE IN HAITI, ASSAILS INEQUALITY, HUNGER AND FEAR - NYTimes.com». The New York Times. Consultado em 9 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2017 
  165. Bond et al. 1997, p. 227
  166. «François Duvalier -The New York Times». The New York Times. Consultado em 22 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 28 de fevereiro de 2015 
  167. «Ceremonia de Bienvenida» (em espanhol). Santa Sé. 16 de maio de 1988. Consultado em 7 de junho de 2015. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2014 
  168. a b c Willey 1992, p. 227
  169. «A 25 años del golpe: Cronología de la dictadura de Alfredo Stroessner – POLÍTICA PARAGUAY». politicapy.com. Consultado em 10 de agosto de 2014. Arquivado do original em 13 de agosto de 2014 
  170. «Debacle de la dictadura: La venida del Papa - Especiales - ABC Color». abc.com.py. Consultado em 10 de agosto de 2014. Arquivado do original em 4 de julho de 2014 
  171. Gianni Carta. "O ano em que a cortina caiu", Carta Capital, número 549, 10 de Junho de 2009.
  172. «BBC ON THIS DAY - 23 - 1983: Pope meets banned union leader Walesa». bbc.co.uk. Consultado em 16 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2014 
  173. «Pope John Paul II and Communism». Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 16 de julho de 2007 
  174. «Lech Walesa - Biographical». nobelprize.org. Consultado em 16 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 9 de julho de 2014 
  175. «Lech Walesa dictionary definition - Lech Walesa defined». yourdictionary.com. Consultado em 16 de agosto de 2014. Arquivado do original em 19 de agosto de 2014 
  176. Dermi Azevedo. «Um dos futuros santos da Igreja, João Paulo II colaborou com a CIA». Carta Maior. Consultado em 18 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2013 
  177. Mark Riebling. «Mark Riebling, "Reagan's Pope: The Cold War Alliance of Ronald Reagan and Pope John Paul II." ',National Review'». Article.nationalreview.com. Consultado em 12 de setembro de 2010. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2013 
  178. «Bush, Pope, jailed Israeli among 2004 Nobel Peace Prize nominees». USA Today World. 13 de fevereiro de 2004. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2013 
  179. «Presidential Medal of Freedom Recipients». senate.gov. Consultado em 16 de agosto de 2014. Arquivado do original em 24 de dezembro de 2013 
  180. «CONCURRENT RESOLUTIONS—NOV. 19, 2003 117 STAT. 2959» (PDF). gpo.gov. Consultado em 16 de agosto de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 11 de fevereiro de 2010 
  181. «Remarks on Presenting the Presidential Medal of Freedom to Pope JohnPaul II at the Vatican City State» (PDF). gpo.gov. Consultado em 16 de agosto de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 2 de junho de 2010 
  182. BBC Mundo (28 de março de 2005). «Karol Wojtyla, el Papa polaco» (em espanhol). Consultado em 27 de abril de 2011. Cópia arquivada em 26 de abril de 2014 
  183. Cal Thomas. «Pope strengthened Church, weakened communism». jewishworldreview.com. Consultado em 16 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 3 de julho de 2014 
  184. «Daily Notebook - 11-04-2005». europarl.europa.eu. 11 de abril de 2005. Consultado em 16 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  185. «John Paul II Remembered for Commitment to Freedom». deutsche-aussenpolitik.de. 4 de abril de 2005. Consultado em 16 de agosto de 2014. Arquivado do original em 19 de agosto de 2014 
  186. a b «O Pontificado de João Paulo II em números - Terra - João Paulo II». terra.com.br. Consultado em 31 de agosto de 2014. Arquivado do original em 9 de abril de 2005 
  187. «The Philippines, 1995: Pope dreams of "the Third Millennium of Asia"». AsiaNews. 4 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2012 
  188. The Associated Press (2011). «Pope John Paul II Timeline -- CBN.com Spiritual Life». Cbn.com. Consultado em 28 de junho de 2011. Cópia arquivada em 10 de julho de 2014 
  189. «1979: Millions cheer as the Pope comes home - "On This Day, 2 June 1979,"». BBC News. 2 de junho de 1979. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  190. «President Jimmy Carter - Pope John Paul II's Visit to the White House, 1979». archives.gov. Consultado em 31 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2012 
  191. Thompson, Ginger (30 de julho de 2002). «Pope to Visit a Mexico Divided Over His Teachings». The New York Times. Consultado em 31 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  192. «Irish remember 1979 Papal visit». BBC News. 2 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  193. «Pope pleads for harmony between faiths». BBC News. 24 de fevereiro de 2000. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  194. «Reception of His Holiness Catholicos Karekin II». The Christian Coptic Orthodox Church Of Egypt. 27 de outubro de 2000. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 14 de abril de 2012 
  195. Henneberger, Melinda (21 de setembro de 2001). «Pope to Leave for Kazakhstan and Armenia This Weekend». The New York Times. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  196. Spinello 2012, p. XV - XVI
  197. a b «Papa produziu diversos documentos, entre eles 14 encíclicas - 02/04/2005 - UOL Últimas Notícias». Consultado em 20 de maio de 2020. Cópia arquivada em 20 de maio de 2020 
  198. a b «Statistics on the Pontificate of John Paul II». Consultado em 20 de maio de 2020. Cópia arquivada em 9 de julho de 2014 
  199. «Bulas - João Paulo II». Consultado em 20 de maio de 2020. Cópia arquivada em 20 de maio de 2020 
  200. «Esortazioni Apostoliche - Giovanni Paolo II». Consultado em 20 de maio de 2020. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2020 
  201. «João Paulo 2º: os cem anos do primeiro 'papa pop'». Consultado em 6 de junho de 2015. Cópia arquivada em 18 de maio de 2020 
  202. «João Paulo II não revelou nome do cardeal "in pectore" - 06/04/2005 - UOL Últimas Notícias». Consultado em 21 de maio de 2020. Cópia arquivada em 21 de maio de 2020 
  203. a b c d Küng, Hans (26 de março de 2005). «The Pope's Contradictions». Der Spiegel. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2013 
  204. «Pope John Paul II Visits the U.S., 1977 Year in Review.». Upi.com. Consultado em 29 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2013 
  205. «"John Paul II-The Millennial Pope" Synopsis "Pope John Paul II-The Millennial Pope"». Frontline. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2013 
  206. Fonchamnyo 2009, p. 1
  207. «Pope Attacks Apartheid in Speech at U.N. Court». Los Angeles Times. 13 de maio de 1985. Consultado em 6 de junho de 2015. Cópia arquivada em 2 de maio de 2019 
  208. «Pope's South Africa Visit Honors 2 Vows». NYTimes.com. 17 de setembro de 1995. Consultado em 6 de junho de 2015. Cópia arquivada em 2 de junho de 2013 
  209. «Mandela 'deeply inspired' by Pope». southafrica.info. 5 de abril de 2005. Consultado em 6 de junho de 2015. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2017 
  210. a b Bonacci, Mary Beth (5 de maio de 2005). «The Pope of the Youth». Crisis Magazine. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 25 de abril de 2014 
  211. a b c Bauman, Michelle (2 de abril de 2006). «John Paul II: Pope of the Youth». Catholic News Agency. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 12 de abril de 2007 
  212. Bakalar 2013, p. YOUTH
  213. Linder, Doug (13 de abril de 2004). «The Vatican's View of Evolution: The Story of Two Popes». University Missouri-Kansas City School of Law. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 3 de janeiro de 2014 
  214. a b «Magisterium Is Concerned with Question of Evolution For It Involves Conception of Man». National Centre for Science Education. 24 de outubro de 1996. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 7 de julho de 2014 
  215. a b Tagliabue, John (25 de outubro de 1996). «Pope Bolsters Church Support for Evolution». The New York Times. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 4 de junho de 2012 
  216. «Há 15 anos, João Paulo II dava um grande OK à evolução - Tubo de Ensaio». gazetadopovo.com.br. 24 de outubro de 2013. Consultado em 4 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 12 de junho de 2017 
  217. a b «'A Igreja católica nunca condenou Darwin ou seus escritos' - Ciência - Estadão». estadao.com.br. 16 de março de 2009. Consultado em 4 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 25 de março de 2017 
  218. «Instituição do Pontifício Conselho para a Cultura, 20 de maio de 1982, Papa João Paulo II». vatican.va. Consultado em 4 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2013 
  219. Dariusz Rosiak (21 de julho de 2013). «Arcybiskup i maczety» (em polonês). Tygodnik Powszechny. Consultado em 6 de junho de 2015. Cópia arquivada em 24 de julho de 2020 
  220. Donatella Lorch (20 de setembro de 1995). «Pope Calls for End to Killings in Rwanda». The New York Times. Consultado em 6 de junho de 2015. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2009 
  221. «Statement of Card. Pio Laghi, Special Envoy of John Paul II to President George Bush». Consultado em 24 de julho de 2020. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2020 
  222. «Centesimus annus - Ioannes Paulus PP. II - Carta Encíclica (1991.05.01)». Vatican.va. Consultado em 8 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 7 de abril de 2014 
  223. a b Garvin, Glenn (18 de julho de 1999). «Hostility to the U.S. a costly mistake». The Miami Herald. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2014 
  224. «Religion: Berating Marxism's False Hopes». Time. 10 de setembro de 1984. Consultado em 27 de julho de 2011. Arquivado do original em 15 de agosto de 2007 
  225. a b c «13 May 1981 Conference of Bishop Stanisław Dziwisz For Honorary Doctorate». CatholicCulture.org. 13 de maio de 2001. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 6 de março de 2019 
  226. a b c «Líderes soviéticos encomendaram assassinato de João Paulo II». Gazeta do Povo. Consultado em 13 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2020 
  227. «1981 Year in Review: Pope John Paul II Assassination Attempt». Upi.com. Consultado em 8 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2009 
  228. a b «Hoje na História: 1981 - Papa João Paulo II sofre atentado na praça São Pedro, em Roma». Consultado em 13 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2020 
  229. «Intervenções cirúrgicas do papa João Paulo II». UOL. 24 de fevereiro de 2005. Consultado em 13 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2020 
  230. «Pope John Paul II is shot in 1981». New York Daily News. 12 de maio de 2015. Consultado em 13 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2018 
  231. Monastero delle Carmelitane Scalze di Matino 2005, p. 6
  232. «The Message of Fátima». vatican.va. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2014 
  233. Wojtyła 2005, p. 184
  234. a b c «João Paulo 2º: URSS mandou matar papa, diz CPI italiana». Folha de S.Paulo. 3 de março de 2006. Consultado em 13 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2020 
  235. «Late Pope 'thought of retiring'». BBC News. 22 de janeiro de 2007. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  236. «Atentado contra João Paulo II decidido por Brejnev - Agência Ecclesia». Consultado em 8 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 7 de abril de 2014 
  237. «Bala e anel de ouro foram as maiores prendas». Correio da Manhã. Consultado em 13 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2018 
  238. «Saudação antes de deixar o Hospital Agostino Gemelli de Roma (14 de agosto de 1981) - João Paulo II». vatican.va. Consultado em 13 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2019 
  239. «Atentado contra o Papa». terra.com.br. Consultado em 9 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  240. a b c «Pope John Paul 'wounded' in 1982». BBC News. 16 de outubro de 2008. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2008 
  241. a b c d «John Paul was wounded in 1982 stabbing, aide reveals». Reuters - News Release. Reuters. 15 de outubro de 2008. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2014 
  242. a b c d «Pope John Paul injured in 1982 knife attack, says aide». 1982–2009 CBC News. 16 de outubro de 2008. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  243. a b c Hebblethwaite 1995, p. 95
  244. «'Belager' koning Albert komt er goedkoop vanaf». Gazet van Antwerpen. 10 (agosto de 2000). 10 de agosto de 2000. p. 11. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 18 de julho de 2007 
  245. McDermott, Terry (1 de setembro de 2002). «The Plot». Los Angeles Times. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 12 de abril de 2003 
  246. «F.B.I. Arrests Man in Far East, Charged in Plot to Bomb Planes». The New York Times. 13 de dezembro de 1995. Consultado em 18 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 16 de junho de 2018 
  247. a b c «A fragilidade do papa eos boatos de renúncia». veja.abril.com.br. Consultado em 25 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 30 de maio de 2009 
  248. «Cardinal Ratti New Pope as Pius XI, Full Article» (PDF). The New York Times. 7 de fevereiro de 1922. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 22 de junho de 2018 
  249. a b Stourton 2006, p. 250
  250. «Pope has Parkinson's disease – surgeon». BBC News. 3 de janeiro de 2001. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2007 
  251. Judd, Terri (4 de janeiro de 2001). «Doctor admits the Pope has Parkinson's disease». The Independent. Londres. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 1 de outubro de 2009 
  252. Pisa, Nick (18 de março de 2006). «Vatican hid Pope's Parkinson's disease diagnosis for 12 years». Daily Telegraph. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2012 
  253. «Médico da equipe papal confirma que João Paulo II sofre de mal de Parkinson». terra.com.br. Consultado em 25 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 8 de abril de 2005 
  254. «'Cured' Pope returns to Vatican». BBC. 10 de fevereiro de 2005. Consultado em 13 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2020 
  255. «John Paul II near death: Vatican». CBC Radio Canada. 2 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2006 
  256. «João Paulo II celebrará pessoalmente cerimônias da Semana Santa e Páscoa - 15/01/2005 - UOL». 15 de janeiro de 2005. Consultado em 14 de abril de 2012. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  257. «Frail Pope suffers heart failure». BBC News. 1 de abril de 2005. Consultado em 11 de junho de 2006. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2013 
  258. «Papa João Paulo 2º morre aos 84 anos no Vaticano - 02/04/2005». UOL. 2 de abril de 2005. Consultado em 12 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2012 
  259. «Folha Online - Mundo - Papa recebeu "unção dos enfermos", diz imprensa italiana - 31/03/2005». folha.uol.com.br. 31 de março de 2005. Consultado em 7 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2005 
  260. «The Final Days of Pope John Paul II». ewtn.com. Consultado em 7 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 14 de março de 2013 
  261. «Pozwólcie mi odejść do Domu Ojca - Malach Głogów». malach.org. Março de 2006. Consultado em 7 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 24 de maio de 2011 
  262. a b «John Paul's last words revealed». BBC News. 18 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 9 de abril de 2013 
  263. Navarro-Valls, Joaquin (2005). «Il Santo Padre è deceduto questa sera alle ore 21.37 nel Suo appartamento privato» (PDF). www.vatican.va (em italiano). Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada (PDF) em 14 de abril de 2020 
  264. a b Stourton 2006, p. 320
  265. «Diário do Minho». Diariodominho.pt. Consultado em 14 de abril de 2012. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2015 
  266. «Text of Pope John Paul II's Last Will : NPR». npr.org. Consultado em 7 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 21 de junho de 2014 
  267. a b c d e f g h Weeke, Stephen (31 de março de 2006). «Perhaps 'Saint John Paul the Great?'». msnbc World News. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2014 
  268. a b «"Pope John Paul II buried in Vatican crypt-Millions around the world watch funeral"». CNN. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 13 de junho de 2008 
  269. a b «The Independent: "Millions mourn Pope at history's largest funeral"». London: 2005,2009 Independent News and Media Limited. 8 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2008 
  270. Holmes, Stephanie (9 de abril de 2005). «City of Rome celebrates 'miracle'». BBC News. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 20 de maio de 2014 
  271. «Homilía en la Misa de exequias, Plaza de San Pedro». Vatican.va. Consultado em 8 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 6 de abril de 2014 
  272. «Caixão de João Paulo II é transferido para capela de São Sebastião». estadao.com.br. Consultado em 25 de abril de 2014. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  273. «Saint John Paul II (1920-2005) – Memorial Find a Grave». 3 de abril de 2005. Consultado em 12 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 5 de junho de 2011 
  274. Nicole Winfield e Vanessa Gera. «Pope Beatifies John Paul II Before 1.5 Million Faithful». CNS News. Consultado em 17 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2014 
  275. «Pope John Paul II beatified in front 1.5 million». The Telegraph. 1 de maio de 2011. Consultado em 17 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 8 de junho de 2014 
  276. a b c d Hooper, John (29 de março de 2007). «Mystery nun the key to Pope John Paul II's case for Sainthood». Guardian News and Media Limited. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 14 de abril de 2014 
  277. a b «John Paul II on fast track for canonisation – Framingham, MA – The MetroWest Daily News». GateHouse Media, Inc. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 14 de junho de 2011 
  278. «John Paul II's Cause for Beatification Opens in Vatican City». ZENIT. 28 de junho de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2014 
  279. «Devotos comemoram Festa de Nossa Senhora de Fátima nesta terça-feira (13) - Prefeitura Municipal de Guarujá». guaruja.sp.gov.br. 13 de maio de 2014. Consultado em 7 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 8 de dezembro de 2014 
  280. «CNN.com - John Paul on sainthood fast track - May 13, 2005». cnn.com. 14 de maio de 2005. Consultado em 7 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2014 
  281. a b Vicariato di Roma:A nun tells her story…. 2009
  282. «900,000 gather for Mass with Pope Benedict». International Herald Tribune. 28 de maio de 2006. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  283. «Papa proclama veneráveis João Paulo II e Pio XII - Geral - Estadão». 20 de dezembro de 2009. Consultado em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 8 de junho de 2013 
  284. a b «Vatican may have found Pope John Paul's 'miracle'». 2007 ABC (Australia). 31 de janeiro de 2006. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 29 de janeiro de 2009 
  285. a b «Nun Who Claims Cure by John Paul II Emerges to Make Her Case». The New York Times. 30 de março de 2007. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 12 de março de 2012 
  286. Willan, Philip. «No more shortcuts on Pope John Paul's road to Sainthood». Sunday Herald. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2011 
  287. «Wheelchair-boy 'miraculously walks again' at memorial visit to tomb of Pope John Paul II». The Daily Mail. UK. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2012 
  288. a b «Pope John Paul II's Sainthood on Fast Track – The World Newser». blogs.abcnews.com. Consultado em 18 de novembro de 2009. Arquivado do original em 21 de novembro de 2009 
  289. a b «John Paul II is one step from sainthood – but holding out for a miracle». 14 de janeiro de 2011. Consultado em 14 de junho de 2015. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2012 
  290. «Pope paves way to beatification of John Paul II». bbc.news.co.uk. 14 de janeiro de 2011. Consultado em 14 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2014 
  291. L'Osservatore Romano, n. 3, 15 de Janeiro de 2011, ed. sem. português
  292. «João Paulo 2º é proclamado beato por Bento XVI em Roma». Folha de S. Paulo. Consultado em 1 de maio de 2011. Cópia arquivada em 4 de maio de 2011 
  293. «João Paulo II é beatificado diante de milhares de fiéis em cerimónia no Vaticano». O Globo. Consultado em 1 de maio de 2011. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2013 
  294. Expresso XL. «Vaticano reconhece milagre a João Paulo II». 23/4/2013. Consultado em 2 de julho de 2013. Cópia arquivada em 25 de abril de 2013 
  295. Exame Religião. «Comissão do Vaticano credita mais um milagre a João Paulo II». 2 de julho de 2013. Consultado em 2 de julho de 2013 
  296. «Floribeth Mora, a costarriquenha que recebeu um milagre de João Paulo II - Terra Brasil». Terra Networks. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  297. «Bento XVI e Francisco celebrarão juntos missa de canonização». terra.com.br. 26 de abril de 2014. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 21 de julho de 2017 
  298. Noonan 2005, p. 199
  299. Noonan, Peggy (2 de agosto de 2002). «John Paul the Great: What the 12 million know—and I found out too». The Wall Street Journal. 2002, 2009 Dow Jones & Company. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 13 de novembro de 2002 
  300. Saunders, Fr. William. «John Paul the Great». CatholicEducation.org. 2005 Arlington Catholic Herald. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 9 de fevereiro de 2014 
  301. «Saint Nicholas I». Encyclopædia Britannica. Consultado em 14 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2015 
  302. «Text: Benedict XVI's first speech». 2005 BBC. 19 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  303. «Eucharistic Concelebration for the Repose of the Soul of Pope John Paul II: Homily of Card. Angelo Sodano». The Holy See. 3 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 7 de abril de 2005 
  304. «Pastoral Visit by Pope Benedict XVI to Poland 2006: Address by the Holy Father». Libreria Editrice Vaticana. 25 de maio de 2006. Consultado em 1 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 17 de maio de 2014 
  305. «SCAR Composite Gazetteer». Consultado em 1 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 18 de abril de 2015 
  306. «John Paul II International Airport, Krakow - Airport Technology». Consultado em 14 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2015 
  307. «Ponta Delgada > O Aeroporto > Conheça o Aeroporto > Conheça o Aeroporto». Consultado em 1 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 9 de setembro de 2014 
  308. «Bosque Papa João Paulo II». Prefeitura de Curitiba. Consultado em 14 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2020 
  309. «Universidade Católica de Lublin». Consultado em 14 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2019 
  310. «Ian Paisley and politics of peace». Los Angeles Times. 24 de março de 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2014 
  311. «HEADLINERS; Papal Audience». New York Times. 16 de outubro de 1988. Consultado em 5 de maio de 2010. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2008 
  312. Taylor, Aisha (4 de Abril de 2005). «Young Catholic Feminists Compare Legacy of MLK and John Paul II». 2008 Women's Ordination Conference. Consultado em 10 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 6 de abril de 2011 
  313. Israely, Jeff (21 de Setembro de 2007). «'Was John Paul II Euthanized?'». Time. Consultado em 12 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 4 de outubro de 2007 
  314. Williams, Daniel (23 de Janeiro de 2005). «Pope Rejects Condoms As a Counter to AIDS». Washington Post. Consultado em 12 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 26 de julho de 2008 
  315. Yallop 2007, p. 429, 494, 502-503
  316. Yallop 2007, p. 283, 304, 305
  317. «Dissident theologians participate in the canonisation process of Pope John Paul II». Catholic News Agency. 6 de dezembro de 2005. Consultado em 11 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 14 de junho de 2015 
  318. Carvalho, Nirmala (8 de Dezembro de 2005). «Hindu extremists against grants to missionaries, it's only money to convert they say». AsiaNews. Consultado em 12 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 13 de novembro de 2005 
  319. Yallop 2007, p. 585
  320. Cowell, Alan (10 de Junho de 1993). «Andreotti at Crux of Murder Inquiry». The New York Times. Consultado em 23 de março de 2008. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2012 
  321. «U.S. prelate not indicted in Italy bank scandal». The New York Times. 30 de Abril de 1989. Consultado em 23 de março de 2008. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2012 
  322. a b «Mafioso diz em livro de memórias que assassinou o Papa João Paulo I». Observador. 30 de outubro de 2019. Consultado em 19 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2019 
  323. a b «Banco do Vaticano, o templo financeiro da Santa Sé». G1. 15 de fevereiro de 2013. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  324. Yallop 2007, p. 414-415
  325. Walsh 2003, p. 62
  326. «João Paulo II sabia de abusos sexuais na igreja, diz especialista». Revista Exame. 7 de fevereiro de 2017. Consultado em 17 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2017 
  327. Portal G1 Mundo (22 de abril de 2014). «Prelado isenta João Paulo II por fazer vista grossa a casos de abuso». Consultado em 17 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2017 
  328. a b «Pope sends first e-mail apology». BBC. 23 de novembro de 2001. Consultado em 18 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 27 de julho de 2020 
  329. «Pope takes on the sex scandals». Sun Sentinel. 21 de abril de 2002. Consultado em 18 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 18 de agosto de 2020 
  330. a b c «The Shame of John Paul II: How the Sex Abuse Scandal Stained His Papacy». The Nation. 21 de abril de 2011. Consultado em 18 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2020 
  331. «Co Jan Paweł II wiedział o ks. Macielu?». Wiara.pl. Consultado em 18 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2020 
  332. Stourton 2006, p. 1
  333. a b c d e «Perdoai as nossas ofensas». VEJA on-line. Consultado em 9 de março de 2012. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2014 
  334. ThinkQuest.org (2010). «GALILEO GALILEI(1564-1642)». library.thinkquest.org. Consultado em 12 de julho de 2011. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2000 
  335. Adherents.com (2011). «The religion of Galileo Galilei, astronomer and scientist». adherents.com. Consultado em 12 de julho de 2011. Arquivado do original em 9 de fevereiro de 2014 
  336. «CARTA ÀS MULHERES, 1995». vatican.va. Consultado em 9 de março de 2012. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2005 

Bibliografia

Fontes
  • Bakalar, Nick (2013). The Wisdom of John Paul II. [S.l.]: eBookIt.com. ISBN 9781456609894 
  • Bond, Douglas; Kruegler, Christopher; Powers, Roger S.; Vogele, William B. (1997). Protest, Power, and Change: An Encyclopedia of Nonviolent Action from ACT-UP to Women's Suffrage. [S.l.]: Routledge. ISBN 9780815309130 
  • Davies, Norman (2004). Rising '44: The Battle for Warsaw. 80 Strand, Londres WC2R 0RL: Viking Penguin. ISBN 0670032840 
  • Ferguson, James (1987). Papa Doc, Baby Doc: Haiti and the Duvaliers. [S.l.]: Basil Blackwell. ISBN 9780631165798 
  • Fonchamnyo, Dobdinga C. (2009). The Paradox of External Debt. Lessons from Two Decades of Debt Relief. [S.l.]: ProQuest. ISBN 9781109125740 
  • Graczyk, Roman (2011). Cena przetrwania? SB wobec Tygodnika Powszechnego. Varsóvia: Wydawnictwo Czerwone i Czarne. ISBN 9788377000151 
  • Hebblethwaite, Peter (1995). Pope John Paul II and the Church. Londres: 1995 Rowman & Littlefield. ISBN 1556128142 
  • Heehs, P. (2002). Indian Religions: A Historical Reader of Spiritual Expression and Experience. [S.l.]: New York University Press. ISBN 978-0-8147-3650-0. Consultado em 24 de julho de 2011 
  • Heim, Bruno Bernard (1979). Kerkelijke Heraldiek. Van 1270 tot Johannes Paulus II. Helmond: Altiora Averbode. ISBN 9025269508 
  • Inter-American Commission on Human Right (1999). Inter-American Yearbook on Human Rights / Anuario Interamericano De Derechos Humanos. [S.l.]: Martinus Nijhoff Publishers. ISBN 9789041112088 
  • Levi, Mons. Virgilio; Allison, Christine (1999). John Paul II: A Tribute in Words and Pictures. [S.l.]: William Morrow. ISBN 9780688166212 
  • Maxwell-Stuart, P.G. (2006). Chronicle of the Popes: Trying to Come Full Circle. London: 1997, 2006 Thames & Hudson. ISBN 9780500286081 
  • Monastero delle Carmelitane Scalze di Matino (2005). Lo Scapolare del Carmelo. [S.l.]: Editora Shalom. ISBN 8884040817 
  • Munoz, Heraldo (2008). The Dictator's Shadow: Life under Augusto Pinochet. [S.l.]: Basic Books. ISBN 9780465002504 
  • Noonan, Peggy (2005). John Paul the Great: Remembering a Spiritual Father. New York: Penguin Group (USA). ISBN 9780670037483 
  • Oder, Slawomir (2010). Why He Is a Saint: The Life and Faith of Pope John Paul II and the Case for Canonisation. [S.l.]: Rizzoli International Publications. ISBN 9780847836314 
  • Orizio, Riccardo (2003). Talk of the Devil: Encounters with Seven Dictators. [S.l.]: Walker & Company. ISBN 9780802714169 
  • Santos, Manoel Augusto (1997). O primado pontifício. [S.l.]: EDIPUCRS. ISBN 9780000153548 
  • Spinello, Richard A. (2012). The Encyclicals of John Paul II: An Introduction and Commentary. [S.l.]: Rowman & Littlefield Publishers. pp. XV – XVI. ISBN 9781442219427 
  • Stourton, Edward (2006). John Paul II: Man of History. London: Hodder & Stoughton. ISBN 0340908165 
  • Timmerman, Jacobo (1987). Chile: Death in the South. [S.l.]: Alfred A. Knopf, Inc. ISBN 9780517029022 
  • Walsh, Mary Ann (2003). John Paul II: A Light for the World, Essays and Reflections on the Papacy of John Paul II. [S.l.]: Sheed & Ward. ISBN 9781580511421 
  • Weigel, George (2010). The End and the Beginning: Pope John Paul II - The Victory of Freedom, the Last Years, the Legacy. [S.l.]: Doubleday Religion. ISBN 9780385524803 
  • Weigel, George (2001). Witness to Hope. New York, NY: HarperCollins Publishers. ISBN 006018793X 
  • Willey, David (1992). God's Politician: Pope John Paul II, the Catholic Church, and the New World Order. [S.l.]: St. Martin's Press. ISBN 9780312087982 
  • Wojtyła, Karol (1982). Amor e Responsabilidade. São Paulo: Edições Loyola. ISBN 0898704456 
  • Wojtyła, Karol (1994). Cruzando o Limiar da Esperança. [S.l.]: Alfred A. Knopf, Inc. ISBN 0679765611 
  • Wojtyła, Karol (2004). Rise, Let Us Be On Our Way. [S.l.]: 2004 Warner Books. ISBN 0446577812 
  • Wojtyła, Karol (2005). Memória e Identidade: Reflexões Pessoais. Londres: Weidenfeld & Nicolson. ISBN 029785075X 
  • Yallop, David (2007). El Poder y la Gloria. Avenida Presidente Masarik núm. 111, 2o. piso Colonia Chapultepec Morales. C.P. 11570 México, D.F.: Editorial Planeta Mexicana. ISBN 9789703706747 
Leitura de apoio


Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias

Precedido por
Dom Adam Stefan Cardeal Sapieha
ArchbishopPallium PioM.svg
Arcebispo de Cracóvia

1964 — 1978
Sucedido por
Dom Franciszek Cardeal Macharski
Precedido por
Dom Francesco Cardeal Bracci
Cardeal
Cardeal-presbítero de
São Cesário em Palatio

1967 — 1978
Sucedido por
Dom Andrezej Maria Cardeal Deskur
Precedido por
Papa João Paulo I
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa da Igreja Católica

1978 - 2005
Sucedido por
Papa Bento XVI

Em formação

O artigo Papa João Paulo II na Wikipedia portuguesa ocupou os seguintes lugares na classificação local de popularidade:

O conteúdo apresentado do artigo da Wikipedia foi extraído em 2020-11-09 com base em https://pt.wikipedia.org/?curid=37735